Tamanho do texto

Com a morte de Aziz Abdallah, "Órfãos da Terra" voltou para o famoso clichê de família feliz com Laila e Jamil; Dalila ainda pode salvar a trama da Globo

Desde o começo de ano, antes até mesmo de sua estreia, “Órfãos da Terra” virou assunto entre o público por conta de sua história: refugiados sírios que são obrigados a sair de seu território por conta da guerra civil que atinge o país. A novidade do assunto despertou o interesse das pessoas, que quiseram saber mais sobre a tragédia que as vítimas da guerra enfrentam todos os dias.

Leia também: As cinco maldades de Aziz que fizeram o público odiá-lo em "Órfãos da Terra"

Laila e Jamil
Divulgação/TV Globo
"Órfãos da Terra" conquista público com trama simples, mas detalhista


Então, Duca Rachid e Thelma Guedes, autoras de outras tramas como “O Profeta”, “Cordel Encantado” e “Joia Rara”, por exemplo, se juntaram em mais uma aventura e escreveram “ Órfãos da Terra ” que, desde seu lançamento, em abril, se tornou a nova queridinha da Globo .

No início, a história era focada na vingança de Aziz (Herson Capri), que foi abandonado no altar por Laila (Julia Dalavia), depois da moça ter descoberto que ele roubou sua família para que ela se casasse com ele. Sem dinheiro e traumatizada após ter sua casa destruída por um bombardeio (a moça ainda perdeu o irmão), a menina se vê obrigada a fugir para o Brasil com os pais.

Leia também: Cinco pontos para entender como "Órfãos da Terra" virou a melhor novela da Globo

É aí que uma história de amor, daquelas bem clichês, começa. Aziz ordena que seu afilhado, Jamil (Renato Góes), vá atrás da moça e a traga de volta ao Líbano, já que ela se comprometeu com o casamento. No entanto, o rapaz se apaixona pela mocinha, que também acaba se apaixonando por ele e os dois fogem juntos. O romance engrena, juras de amor são trocadas e logo no começo da novela , Laila engravida.

Aziz (Herson Capri)
Reprodução/TV Globo
Aziz (Herson Capri)


Aí ela descobre a verdade, briga com o muçulmano e os dois se separam. A caçada do sheik aos dois começa e é justamente o que o público quer ver, já que o “romance água com açúcar”, pelo menos nas redes sociais, já tinha enjoado e a emoção ficava por conta das cenas de Herson Capri que, por sinal, foram de tirar o fôlego.

Contudo, no auge do sucesso do personagem da Globo e, claro, de sua vingança, Aziz morre misteriosamente, e o folhetim volta para o clichê casal feliz. A partir daí, a vilania fica por conta de Dalila (Alice Wegmann), filha dele, que posteriormente também viaja para o Brasil e começa a usar uma identidade falsa para se aproximar da família de Laila e Jamil.

Leia também: Com cara de trama das 21h, "Órfãos da Terra" ganha tratamento vip da Globo

Alice, que vive sua primeira vilã, está em ótima fase na novela, dando continuidade às maldades de Dalila, que fará de tudo para seguir o legado de vingança do pai. Mesmo apaixonada por Jamil, a menina quer destruí-lo, já que sente que foi traída pelo rapaz, que havia sido prometido à ela em casamento. Mesmo com raiva do homem que ama, as cenas em que a moça demonstra, de alguma forma, misturam ódio e fragilidade, são as que prendem o público na frente da TV.

Dalila (Alice Wegmann)
TV Globo/Raquel Cunha
Dalila (Alice Wegmann)


Porém, como Dalila (ou Basma, seu nome falso) ainda é a antagonista do folhetim e mesmo sendo uma personagem fortíssima para levar a trama adiante, a maior parte das cenas e da história é liderada pelos protagonistas.

Um forte exemplo de como a mudança do ritmo de um folhetim pode atrapalhar a audiência e o andamento da trama, é “Araguaia”, de Walther Negão, exibida em 2010. Com Milena Toscano e Murilo Rosa como o casal protagonista, a trama sofreu bastante com a rejeição do público por conta do casal “sem química” e inconsistente.

Leia também: “Órfãos da Terra” traz romance em meio à história de refugiados

Então, para tentar reverter o problema, Cleo Pires, que era a antagonista Estela, se tornou o par romântico de Solano (Rosa). Já Manu, personagem de Milena, se envolveu com Rudy, vivido por Henri Castelli. Mesmo assim, a novela perdeu a engrenagem e o público perdeu as esperanças.

Laila (Julia Dalavia) e sua família: Kháled (Rodrigo Vidal), Elias (Marco Ricca) e Missade (Ana Cecília Costa)
Divulgação
"Órfãos da Terra"


Outro folhetim que também foi prejudicado por conta de seu andamento foi “Tempo de Amar”, escrita por Alcides Nogueira e exibida em 2017. Com a iniciante Vitória Strada no papel protagonista e Bruno Cabrerizo, também iniciante, como seu par romântico, a trama teve seu ritmo alterado por conta, justamente, do casal protagonista.

Leia também: Com início confuso e sonolento, "Espelho da Vida" termina como fenômeno digital

No começo, Maria Vitória e Inácio tinham tudo para dar certo, baseado nos clichês românticos das novelas. O amor entre eles, a negativa do pai da moça, o ciúme da rival Lucinda (Andreia Horta). No entanto, de alguma forma, o enredo deles acabou se perdendo no meio do caminho, o que deu uma esfriada na trama.

Mais para frente, o foco do folhetim se tornou a obsessão de Lucinda por Inácio, e o amor puro e sincero de Vicente pela mocinha da trama.

Laila (Julia Dalavia), Raduan e Jamil (Renato Góes)
TV Globo/Paulo Belote
Laila (Julia Dalavia), Raduan e Jamil (Renato Góes)


Leia também: Estreia de "Órfãos da Terra" traz empoderamento em meio a paixão na guerra síria

De volta à atual trama das 18h, os telespectadores de “ Órfãos da Terra ” não gostaram muito da “mudança de temperatura” do folhetim, já que com a morte de Aziz, o agito pareceu se acalmar. A vingança de Dalila ainda é esperada, mas não tanto quanto a de seu pai. Vamos aguardar os próximos capítulos para ver se a calmaria se transformará em caos novamente.