Frases e fotos inesquecíveis que marcaram vida e obra da comediante tema da série global "Dercy de Verdade"

Dercy Gonçalves (1907-2008), tema de
Reprodução
Dercy Gonçalves (1907-2008), tema de "Dercy de Verdade", série que a Globo estreia nesta terça (10)


A Rede Globo estreia nesta terça-feira (10) a minissérie de quatro capítulos "Dercy de Verdade", escrita por Maria Adelaide Amaral , com base em seu próprio livro, "Dercy de Cabo a Rabo". O livro, lançado por Maria Adelaide em 1994, está sendo relançado aproveitando a estreia da série. Obra e série focalizam a história da inesquecível Dercy Gonçalves (1907-2008), atriz, comediante, humorista e ícone do Brasil.

Maria Adelaide Amaral e Dercy Gonçalves: a autora homenageia a amiga
Divulgação
Maria Adelaide Amaral e Dercy Gonçalves: a autora homenageia a amiga

Leia também: Heloísa Perissé e Fafy Siqueira apresentam "Dercy de Verdade"

"Dercy de Verdade"

Na TV, Dercy será interpretada por Luíza Perissé, Heloísa Perissé e Fafy Siqueira . Luíza, filha de Heloísa na vida real, encarna a adolescência de Dercy. Na sequência, Heloísa vive a humorista dos 17 aos 50 anos de idade. As dificuldades com a família, a fuga de casa para trabalhar no circo, os primeiros sucessos e fracassos profissionais, os interesses amorosos, a consagração.

Na fase final da minissérie, ocorre uma passagem de tempo. Fafy Siqueira assume então a figura de Dercy, já uma estrela consagrada nos palcos, telas de TV e de cinema do Brasil.

"O amor que tenho por Dercy foi herdado dos meus pais, que eram fãs dela e viram todos os seus espetáculos", comenta Fafy Siqueira. "Li o livro em 1994, presente de meu pai, e devo dizer que desde então ele passou a ser, literalmente, meu livro de cabeceira. 'Dercy de cabo a rabo' é uma leitura leve, divertida e verdadeira que apresenta um exemplo de mulher a ser seguido, alguém que através de sua força e coragem conseguiu respeito entre artistas, políticos e todo o povo brasileiro".

Em pleno Carnaval, Dercy troca um beijo com um folião
Reprodução
Em pleno Carnaval, Dercy troca um beijo com um folião

Dercy nasceu no interior do Rio de Janeiro - há quem diga que o nascimento aconteceu em 1905, mas ela teria sido registrada somente em 1907 - e teve uma infância conturbada recheada de conflitos familiares. Seu grande sonho era ser artista, e aos dezessete anos fugiu de casa para se integrar a uma trupe de teatro mambembe e circense.

A série da Globo narra todos esses acontecimentos, além dos envolvimentos amorosos de Dercy - com Eugênio Pascoal (interpretado por Fernando Eiras ) e Valdemar Martins ( Cássio Gabus Mendes ), pai da única filha da humorista, Decimar , nascida em 1936.

Dercy Gonçalves e seu primeiro envolvimento romântico: Eugênio Pascoal
Reprodução
Dercy Gonçalves e seu primeiro envolvimento romântico: Eugênio Pascoal

"A minissérie destina-se a resgatar essa grande personalidade do palco, cinema e televisão e a mostrar ao Brasil quem, de fato, era Dercy", revela Maria Adelaide, que foi convidada pela própria para escrever o livro. Na época, em 1994, a comediante lhe disse: "Você fala palavrão diretinho, deve falar desde criança. Você parece minha filha, aliás gostaria que você fosse minha filha".

Depois da TV, a vida de Dercy ganhará os cinemas - a série da Globo vai virar um longa metragem para as telonas.

Na TV

Na novela
Divulgação/TV Globo
Na novela "Deus nos Acuda", de 1992, Dercy interpretou Celestina, que vive no céu e tem como missão "salvar" a picareta Maria Escandalosa (Cláudia Raia)

Além de criar uma carreira brilhante no palco, onde tornou-se única como representante do teatro de improviso, em shows solo onde arrebatava a plateia com tiradas e palavrões, Dercy também teve grande participação na TV.

Liderou programas como "Dercy Espetacular" (1966, Globo) e "Dercy de Verdade" (1967, Globo, que dá nome também à atual minissérie global). E foi até domesticada para atuar em novelas. Na Band, encarnou a hilária personagem Dulcinéia em duas novelas: "Cavalo Amarelo" (1980) e "Dulcinéia Vai à Guerra" (1981). Na Globo, estrelou a minissérie "La Mamma" (1990), teve papel de destaque em "Deus nos Acuda" (1992, de Sílvio de Abreu ) e fez uma participação especial em "Que Rei Sou Eu?" (1989), roubando a cena ao interpretar a Baronesa Lenilda Eknésia, mãe da Rainha Valentine ( Tereza Rachel ).

Em
Divulgação
Em "Que Rei Sou Eu?", de 1989, Dercy foi a desbocada Baronesa, avó da Princesa Juliette (Cláudia Abreu)

Frases

O livro "Dercy de Cabo a Rabo", que a Editora Globo relança agora, traz muitas pérolas pronunciadas por Dercy. "Quem é Dercy Gonçalves, quem sou eu? Sei lá. Não sei quem sou. Fui tanta coisa. Eu fui tudo. Até de vasto mundo me chamaram. E também disseram de mim: 'essa mulher é uma santa', 'essa mulher é uma ordinária', 'essa mulher é uma escrota', 'essa mulher é correta'... Tanta coisa que até esqueci. Menos o último refrão: 'essa mulher é um exemplo de vida'. Quem diria que Dercy Gonçalves seria um exemplo de vida, quem ia acreditar?”, declarou a comediante.

Também no livro, Dercy relembra um episódio divertido:

"Um dia, uma prima do Zinho, meu cunhado, me perguntou:
– Por que te chamam de puta?
E eu disse:
– O que é puta?
– Você já deu?
– Dei o quê?
Ela explicou, porque eu não sabia o que era esse negócio de dar.
– Não! Isso nunca dei!"

A irreverência sempre foi uma das marcas de Dercy Gonçalves
Reprodução
A irreverência sempre foi uma das marcas de Dercy Gonçalves

"Eu já tinha fama de p... na minha cidade. Para mim já era um título. Falavam 'Oh p...', eu atendia!", disse Dercy no programa de Hebe Camargo nos anos 80. No mesmo programa, falando sobre sua primeira experiência sexual, Dercy disparou: "Quando eu senti uma coisa estranha que eu pensei que era um facão, eu dei um pontapé nele e saí correndo!"

No "Domingão do Faustão" de 1998, Dercy reclamou que a Globo não a convidava mais para trabalhar. "Mas não em novela, que tem que ficar lá o dia inteiro, eu não vou ficar lá o dia inteiro!"

"Eu tô viva e não quero viver à custa de miséria de aposentadoria de ninguém!", disse ela no mesmo programa.

Dercy Gonçalves entre Sérgio Cabral e Luiz Inácio Lula da Silva
Reprodução
Dercy Gonçalves entre Sérgio Cabral e Luiz Inácio Lula da Silva

"Sou uma mulher decente, sou uma mulher honesta, sou uma mulher íntegra, sou uma mulher correta, eu não sou de brincadeira. Eu falo palavrão, pra vocês rirem. Mas sou uma mulher direita. Já falei essa m... uma porção de vezes, daqui a pouco fico torta!" - Programa "Jô Soares Onze e Meia", SBT, 1995

"A imprensa comigo sempre foi cruel. Nunca me prestigiou. Mas mesmo assim eu gosto da imprensa. Porque quando eu preciso dela, eu pago, e ela fala bem de mim!" - Dercy em espetáculo teatral nos anos 80

Dercy Gonçalves em sua última aparição pública, em 2008
Divulgação
Dercy Gonçalves em sua última aparição pública, em 2008

"Silicone, eu? Mas vou botar aonde? Meu negócio agora não é pra encher, é pra tirar!" - Show de Calouros, SBT, 1987

"A mulher não morre nunca sexualmente. Mas é uma mão de obra uma mulher da minha idade querer conquistar um homem pra ir pra cama. É uma mão de obra desgraçada!" - Show de Calouros, SBT, 1987

"Eu corro atrás da vida, pra morte não me pegar" - Programa "Jô Soares Onze e Meia", SBT, 1994

"Muita gente diz: 'Dercy é a cara do Brasil!', e aí falam 'Ah não, mas é muito esculhambada!'. Ué, mas por isso mesmo que é o Brasil!" - Dercy em espetáculo teatral solo nos anos 80

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=gente%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597550766990 &_c_=MiGComponente_C

Confira imagens marcantes da vida e da carreira de Dercy Gonçalves na galeria a seguir

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&BANCO=externo&_PAGENAME_=gente%2FMiGGaleria_C%2FMiG_GaleriaDeNoticia&_cid_=1597550767300&_c_=MiGGaleria_C

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.