Carol Costa na versão 'abrasileirada' de Chiquinha, personagem mítica da série 'Chaves'
Rafael Beck
Carol Costa na versão 'abrasileirada' de Chiquinha, personagem mítica da série 'Chaves'


Foram dois anos de espera entre as audições de "Chicago", o anúncio oficial da escolha do elenco, o início dos ensaios e a grande estreia no Teatro Santander, em São Paulo, que foi adiada algumas vezes em função da pandemia da Covid-19. Ainda assim, a atriz e bailarina Carol Costa, que ganhou o coração do público ao interpretar a versão "abrasileirada" de Chiquinha, personagem mítica da série "Chaves", no espetáculo homônimo, não se desconectou da atual conquista.  Pelo contrário! Focou ainda mais os estudos para driblar a ansiedade. 

"Mergulhei em filmes e séries que adoro para buscar referências e inspirações. Com a flexibilização, voltei para a rotina intensa de aulas de ballet, jazz e canto. Passei a treinar musculação para ter um corpo mais definido e preparado para aguentar a maratona de preparo e apresentações. Cuidei da alimentação, da voz, com a ajuda de uma fono, e da saúde vocal com meu médico especializado. Dediquei-me ao universo de 'Chicago' 24 horas por dia (risos)", explicou a carioca, que encarou ainda uma mudança de visual, descolorindo e encurtando o cabelo, para assumir a personalidade que já foi vivida por nomes como Gwen Verdon e  Renée Zellweger.

Carol Costa
Andy Santana
Carol Costa

Mas, antes que mudemos de assunto, ainda há um detalhe importante que precisa ser mencionado: Carol, que  disputou o posto de protagonista com outras atrizes veteranas em uma etapa fechada, curiosamente chegou a pensar em não audicionar e até mesmo a questionar seu potencial, sendo, enfim, surpreendida com o telefonema de aprovação da produção, guardado a sete chaves até pouco tempo atrás. "Sem dúvidas, Roxie é o meu maior desafio e o maior papel da minha carreira até hoje. Ela exige tudo que amo", confidenciou durante bate-papo com o  iG Gente.

Carol Costa
Divulgação
Carol Costa



Múltiplos talentos 

Gabriella Di Grecco é ladeada por Camilla e Giovanna
Gustavo Monge
Gabriella Di Grecco é ladeada por Camilla e Giovanna


Nesta terça-feira (15),  a atriz e cantora Gabriella Di Grecco, um dos destaques da série "Bia" e também uma das protagonistas de "O Coro: Sucesso, Aqui Vou Eu!", que deve estrear em breve na grade de programação do Disney+,  fez seu  début  como diretora artística com o lançamento do clipe de "Checkmate", o primeiro single de suas irmãs, o duo pop DiGrecco.

Ao se referir à empreitada, não minimizou elogios à Camilla e Giovanna e destacou os pontos positivos: "Foi incrível. A gente tem um respeito e confiança umas pelas outras que transcende os laços artísticos e familiares. O clima foi divertido do início ao fim. Todas as pessoas envolvidas estiveram felizes e motivadas durante todo o processo de produção, gravação e finalização". 

Escrita por  ela, as DiGrecco, Enrico Manzano, José Felipe Tavares, Pedro Nogueira Serapicos e Gustavo Monge, "Checkmate" está disponível nas principais plataformas digitais desde o último dia 10 e traz o universo do jogo de xadrez para falar sobre um relacionamento no qual a mulher, estrategicamente, encontra as fraquezas do parceiro e se liberta de uma relação abusiva. 


Viva Cazuza! 

Reiner Tenente, Stella Maria Rodrigues, Lucinha Araújo, Claudia Elizeu e Quéops
Divulgação
Reiner Tenente, Stella Maria Rodrigues, Lucinha Araújo, Claudia Elizeu e Quéops

Lucinha Araújo foi uma das presenças de destaque na noite de estreia de " Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, o Musical", inspirado na obra de seu filho, que vem sendo lembrado, desde a sua partida, em 1990, em múltiplos tributos. Após o final da sessão, ela fez questão de posar ao lado da equipe responsável pela montagem.

Vale destacar que a peça, com produção assinada pelo CEFTEM, texto escrito por Aloísio de Abreu, direção de Stella Maria Rodrigues, direção musical de Claudia Elizeu e coreografia de Quéops, fica em cartaz até dia 2 de abril no palco do Teatro Imperator, no Méier, na zona norte do Rio de Janeiro.

Concentração de vips  

Raul Gazolla no LFA 126
Divulgação
Raul Gazolla no LFA 126


O espaço Ribalta, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, foi palco de mais uma edição do evento LFA126. Entre os famosos amantes da modalidade que marcaram presença, estão  Raul Gazolla, Bárbara França, Léo Moura, Minotouro e Adriana Bombom, além de Ariadna Arantes e Anamara Barreira, que participaram do "Big Brother Brasil".   

Na luta mais esperada, José Delano venceu Jonas Bilharinho, mas, por ter ficado acima do peso, não levou o cinturão dos pesos-penas. Para Daniel Mauro, CEO da Wipi Telecomunicações, que esteve à frente da organização, "o  Brasil é o principal exportador de atletas de MMA, e fomentar o esporte por aqui é dar oportunidade de preparação e ascensão aos que querem chegar ao topo".

Atravessando fronteiras 

Azzy na Times Square
Divulgação
Azzy na Times Square


Por conta das divulgações da regravação de "Pagu", clássico de  Rita Lee e Zélia Duncan, presente no EP "Icônicas", da Deezer, Azzy retornou ao telão da Times Square. Essa é a segunda vez que a rapper brilha em um dos destinos mais famosos do mundo e visitados em Nova York. 

Ao falar da releitura que fez da canção, que retrata a força, a opressão, a batalha pela igualdade e pela quebra dos padrões impostos pela sociedade, ela reforçou "a importância das gerações se conectarem pelo mesmo grito". Um brado de "empoderamento e liberdade" que não é de hoje que as mulheres colocam em sua arte e em sua luta. 





Leia Também


Delegado Nunes para os baixinhos!

Cridemar Aquino
Divulgação/TV Globo
Cridemar Aquino


Todos temos uma criança dentro de nós que, em alguns momentos, vem à tona. Quem nunca aproveitou um aniversário para entrar em uma piscina de bolinhas, se acabar no pula-pula ou em uma peça infantil se deixar encantar pelas histórias e viajar pelo mundo da imaginação novamente?

Essa é a proposta de "Brincantes", o novo projeto da Companhia de Aruanda, do Rio, que estreou no último dia 12, no teatro do SESC Tijuca, e tem a participação de Cridemar Aquino, o delegado Nunes da novela "Quanto Mais Vida, Melhor!", da Globo. O trabalho marca o retorno dele aos palcos, depois de pouco mais de dois anos.

"Além de ator e dançarino, eu também faço a preparação cênica do espetáculo. Estou muito animado, porque a mensagem que oferecemos para o público é linda demais", começou dizendo para concluir em seguida: "Esse dar e receber, interagir, o participar da plateia é o que todo artista, sem dúvida, mais valoriza. Para mim, está sendo mais uma experiência transformadora". 

Motivo especial 

Tinne
Divulgação
Tinne


Em homenagem ao mês da mulher, Tinne disponibilizou em todas as plataformas digitais uma música feita especialmente para a figura feminina. Trata-se de "Divina", composta a partir de referências do pop e R&B contemporâneo e produzida por Eliezer Oliveira, do Atman Audio Studio, de Campinas, no interior de São Paulo.

Segundo a cantora, a letra traz uma mensagem de valorização da beleza e autoestima, por meio de diversidade e alto-astral. "Nasci em uma família de mulheres. Lembro que, quando criança, em circunstâncias muito difíceis, elas se mantinham persistentes e fortes, porém o que realmente despertava minha atenção era que todas continuavam divinas", disse a artista quando questionada sobre sua inspiração.



Alçando novos voos 

Emiliano Ritti, advogado do Milan, Cristina Mendonça e Domenico Pesacane, do 'Mimmo Pesce Show'
Divulgação
Emiliano Ritti, advogado do Milan, Cristina Mendonça e Domenico Pesacane, do 'Mimmo Pesce Show'


Musa do Botafogo e da escola de samba paulistana Acadêmicos do Tucuruvi,  Cristina Mendonça está vivendo um momento ímpar na carreira. Isso porque a modelo acaba de ser convidada para se juntar ao time de apresentadores do "Mimmo Pesce Show", exibido ao vivo, todas às quartas-feiras, na Telelombardia, canal 12, na Itália.

Em um dos programas, que contou com a participação de Emiliano Ritti, advogado do Milan,  ela falou sobre a evolução do clube e não escondeu a animação com o bom desempenho da equipe de Milão, que é líder e pode ser campeã depois de onze anos de jejum, neste Campeonato Italiano de 2021/2022.

Lançamento literário

Carlos Monforte
Divulgação/Matrix Editora
Carlos Monforte


Um dos primeiros âncoras do telejornalismo brasileiro, Carlos Monforte começou a carreira na década de 1970, quando atuou em jornais como "A Tribuna", "O Estado de S. Paulo" e TV Globo. Ele viu o surgimento e a expansão das mídias digitais, que agora colocam em xeque o exercício da profissão.  

Em "O Papel do Jornalismo Sem Papel", lançado pela Matrix Editora, Monforte levanta o debate sobre o impacto da web nas redações. Afinal, somente em 2021, o declínio no número de periódicos impressos foi de 13,6%, confirmando a tendência de queda registrada há anos nas tiragens dos principais veiculados no país.  

Na obra, o autor debate  a relação entre a internet e a veracidade das informações que circulam a todo momento e descreve com riqueza de detalhes e toques de nostalgia a agitação dos repórteres, o cheiro de tinta que saía direto das máquinas de escrever e os sons de passos apressados, telefonemas e conversas que tomavam conta do ambiente.

Lançamento literário 2

Capa do livro 'Senhor TV – A Vida Com Meu Pai, Flavio Cavalcanti', da Matrix Editora
Divulgação/Matrix Editora
Capa do livro 'Senhor TV – A Vida Com Meu Pai, Flavio Cavalcanti', da Matrix Editora


"Nossos comerciais, por favor!" Essa é apenas uma das inúmeras célebres frases cunhadas por Flavio Cavalcanti, a mente brilhante, criativa, batalhadora e controversa que comandou atrações de rádio e de TV entre as décadas de 1950 e 1980. Ao lado de Chacrinha e Silvio Santos, ele se consagrou como uma das lendas da mídia e virou símbolo de uma época. Seu legado agora é revisitado e exaltado no livro "Senhor TV – A Vida Com Meu Pai, Flavio Cavalcanti", sob o comando da Matrix Editora, escrito por Flavio Cavalcanti Junior, filho do comunicador.

Relato apaixonado de quem acompanhou o apresentador durante sua existência, a obra permite entender com detalhes como pensava e agia Flavio Cavalcanti. Seu diferencial era o estilo polêmico, que ele cultivava com gosto e que lhe rendeu não apenas problemas e desafetos, mas também muita repercussão. Nascido no Rio de Janeiro em 1923, ainda jovem, conseguiu um feito impressionante: uma entrevista exclusiva com o presidente norte-americano John F. Kennedy.

Cavalcanti também é o criador do formato de júri da televisão brasileira. Pela extinta Rede Tupi, apresentou o primeiro programa exibido em rede nacional e que se tornaria líder de audiência. Lançou dezenas de cantores de enorme sucesso, como Alcione, Emílio Santiago e Fafá de Belém. Quando não gostava do que ouvia, não se acanhava em quebrar diante das câmeras os discos que, segundo sua opinião, reunissem músicas e letras de baixa qualidade.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários