Tamanho do texto

Após 10 anos de sua morte, Michael Jackson ainda não tem substituto, mas alguns nomes do pop seguem seus passos na carreira

Embora não dance como Michael Jackson, Chris Brown tem passos impressionantes, assim como Usher e Neyo. The Weeknd tem uma bela voz, faz boas composições e sabe fazer músicas tanto para a pista quanto para momentos íntimos, assim como MJ. Bieber tem base de fãs, fiel e muitas vezes cega, além de uma dose de rebeldia com que Michael também era familiarizado.

montagem com bruno mars, chris brown, beyonce, justin bieber e justin timberlake
Divulgação
O próximo Michael Jackson: quem pode ocupar o posto do Rei do Pop?

Lady Gaga tem o apreço pelo bizarro, pelos visuais imprevisíveis e os videoclipes marcantes. Bruno Mars carrega o DNA pop e é um fenômeno, assim como foi Michael, e Beyoncé faz de sua música uma plataforma para passar sua mensagem. No entanto, nenhum deles é Michael Jackson .

Leia também: Dez anos após sua morte, legado de Michael Jackson não é o mesmo

Há 10 anos o mundo perdia o maior nome do pop, e até hoje ele segue sem substitutos. Não é fácil alcançar Michael, afinal ele quebrou barreiras e estabeleceu algo na indústria musical, portanto qualquer um que vem depois tem que agradecer o Rei do Pop pelo caminho que abriu.

Ao lado dos Beatles, Madonna e Elvis, Michael Jackson é um dos artistas que mais vendeu discos na história. Ele revolucionou a maneira de fazer videoclipes e, junto com Madonna, foi responsável por turnês grandiosas. “Acho que depois de Elvis não teve mais ninguém que tenha feito algo tão diferente para a música”, acredita o radialista Silvio Ribeiro, que comanda o "Energia na Véia" na Energia 97 . Ele cita Bruno Mars como um nome da atualidade que chega mais próximo de Michael, mas não o suficiente para tomar sue reinado.

“Ele é o diferencial, um marco para a música, para o clipe, para tudo. (O pop) perde um pouco o glamour e a mágica sem ele”, acredita. Ainda assim, o que fazia de Michael um ser tão interessante não era só seu lado musical: “o fato de ser estranho, andrógino, misterioso, fazia parte de ser o Michael”, acredita o jornalista Pablo Miyazawa.

Para Pablo, que foi editor da Revista Rolling Stone , parte do apelo de Michael era justamente o bizarro e as polêmicas, e isso ninguém conseguiu copiar. Ainda assim, outros astros que surgiram na cena desde então tentam. Alguns com foco nas polêmicas, outros na música, mas todos querendo manter vivo o legado de Michael.

Por isso, selecionamos os cinco principais artistas que podem ocupar o posto do cantor no futuro:

Beyoncé

beyonce no super bowl
Divulgação
Inspirada no figurino de MIchael Jackson, Beyoncé deixou seu recado no Super Bowl de 2016

Beyoncé é a única mulher na atualidade com “cacife” para desbancar Michael Jackson, embora sua influência chegue a outras artistas da atualidade, como Lady Gaga, por exemplo. Poucos, porém, tem a dedicação para tanto. Uma das coisas que fez de MJ um grande artistas foi sua atenção ao estudar os que vieram antes dele, e seu empenho de fazer algo único e especial.

Hoje, Beyoncé é conhecida por ter o controle de tudo que acontece ao seu redor. Ela conhece cada detalhe de suas apresentações ao vivo, cada passo de dança e cada movimento dos músicos. Ela domina seu ofício e cada detalhe de seu trabalho é pensado para que os fãs tenham uma experiência completa quando a assistem.

Coreografia e figurino são influências óbvias de MJ, mas a mensagem de sua música vai além do cantor. Michael falava sobre igualdade, e Beyoncé vai além, apontando para o desprezo pela mulher negra na sociedade, a posição do negro no mundo atual, e enaltecendo a cultura negra em geral. A cantora, inclusive, quebrou recordes de seu ídolo. Formation , apresentada no Super Bowl em 2016, foi a primeira música em 34 anos a superar a quantidade de prêmios que Thriller conquistou em 1982.

Antes de acumular hits, Anitta sempre tinha um single de Beyoncé preparado para seus shows, e até a coreografia se inspirava na diva americana. Nomes internacionais como Lizzo, Sza e Jorja Smith têm raízes similares, ou espaço atualmente por que Beyoncé veio antes. Apesar de não ter a mesma influência de MJ, é a mais promissora nesse aspecto e, atualmente, é o nome mais importante na cultura pop.

A mulher que mais recebeu indicações ao Grammy na história, ela também é uma das artistas influenciadas por MJ de maior sucesso comercial: já vendeu 75 milhões de discos ao longo dos 16 anos de carreira.

Bruno Mars

Bruno Mars surgiu com um “novo Michael Jackson” estampado na testa. Quando seu primeiro hit, Just The Way You Are estourou, seguido de Granade , as comparações logo começaram a surgir. Com o segundo disco foi lançado, ele já era o herdeiro do cantor. Mars sabe fazer um show e, embora sua performance ao vivo não tenha tantos artifícios, ele canta, dança e se comporta como um verdadeiro popstar.

via GIPHY

As polêmicas também estão lá, como a prisão em 2010 por porte de cocaína. Ele também já foi acusado de apropriação cultural por fazer música negra, embora não seja afrodescendente. No seu terceiro álbum, ele alcançou 100 milhões de discos vendidos, um fenômeno, e emplacou Uptown Funk , música feita em parceria com Mark Ronson, no topo das paradas.

Sua originalidade peca um pouco, considerando que muito do que faz é uma nova roupagem de ritmos e sucessos do passado, que além de MJ incluem Elvis Presley e outros ídolos dos anos 1950 do soul e do funk.

Justin Timberlake

justin timberlake no palco
Reprodução/Instagram
Justin Timberlake em show da turnê mais recente, "Man In The Woods"

Justin Timberlake sempre incorporou coreografias em suas performances, desde a época de ‘N Sync. Por um tempo, ele foi até considerado o “Príncipe do Pop”, e o mais apto a seguir com o legado de Michael Jackson. Isso, porém, não se concretizou. Ele decidiu conciliar a carreira na música com o cinema e, embora tenha tido certo êxito na telona, não foi alçado ao patamar de estrela, e acabou deixando o status musical de lado.

Leia também: As dez maiores polêmicas relacionadas a Michael Jackson

Com o lançamento das duas partes de “20/20 Experience” esperava retomar o sucesso do começo, mas não teve a mesma repercussão, embora tenha emplaca alguns hits como Mirror . Justin já se apresentou no Super Bowl duas vezes: uma com Janet Jackson em 2004, e sozinho em 2018. A má impressão deixada pela apresentação de 2004, quando a irmã de Michael Jackson teve o mamilo exposto, não impediu que o cantor retornasse 14 anos depois. Ainda assim, ele já não tem a mesma fama musical que antes, e precisaria se reinventar na música para ser um possível substituto do rei.

Além do “Niplegate”, porém, sua vida tem poucas polêmicas, e ele raramente é citado como influência para novos artistas. Ainda assim,  Justin Bieber  já o mencionou e ele já foi celebrado por seus contemporâneos, como Madonna, que já se rendeu a Timberlake e juntos eles fizeram 4 Minutes . Timberlake foi convidado para participar do disco póstumo de Michael e dividiu os vocais com o ídolo em Love Never Felt So Good .

Apesar de “Man of the Woods”, seu último disco ter uma vendagem discreta e poucos singles, não é possível dizer que a discografia de JT é um fracasso. Pelo contrário, sua estreia solo, “Justified”, de 2002, vendeu 8 milhões de cópias e o segundo álbum, “Future Sex/Love Sounds”, alcançou 10 milhões de cópias vendidas no mundo.

Chris Brown

Chris Brown é possivelmente o artista contemporâneo mais influenciado pelo Rei do Pop em sua carreira. Consequentemente, é o menos original. Tudo que Chris Brown faz parece uma versão atualizada (e piorada) de MJ. Wall to Wall , por exemplo, tem a mesma proposta de Thriller , mas sem o mesmo efeito. Ele perde pontos com isso, principalmente não sendo capaz de fazer algo novo e original. Mas, tanto as músicas como a dedicação às coreografias o aproximam do Rei. Ele com certeza sabe dançar e emular Michael no palco.

monstagem com a mug shot de justin bieber e chris brown
Divulgação
Justin Bieber e Chris Brown: gosto por polêmicas se assemelha ao Rei

Fora deles, ele tem uma vida quase tão polêmica como seu ídolo. A primeira grande crise de Brown com o público aconteceu em 2009, quando ele agrediu a então na morada Rihanna. Depois disso Chris já arrumou brigas com Drake (com quem se resolveu e lançou música recentemente) e Frank Ocean.

Numa jogada similar a que MJ fazia para divulgar sua vida privada, lançou um documentário contando sua história, “Welcome To My Life”, disponível na Netflix. Foi acusado de estupro e novamente de violência doméstica. Foi preso por agressão e em 2015 descobriu que era pai.

Brown chegou a ser comparado com Jackson e Tupac por Justin Bieber , mas sua carreira não tem a mesma relevância. Chegou a tentar a sorte no cinema sem sucesso e a última vez que ele emplacou um hit solo no ranking da Billboard foi em 2008 com With You .

Justin Bieber

Bieber é o único que se assemelha a MJ no quesito ídolo-mirim. O canadense se popularizou com Baby quando ainda era adolescente, e o resultado foi uma carreira meteórica e o acumulo de fãs. Descoberto pro Usher, que também é influenciado por Michael, ficou difícil não ter o Rei como referência. Por um período, ele chegou a ameaçar o reinado de Justin Timberlake como Rei do Pop.

Bieber fazia um pop chiclete que funcionava com o público adolescente e, enquanto a fila para idolatrá-lo aumentava, também aumentavam as polêmicas. A fama precoce, assim como Michael, afetou o cantor, que já assumiu ter depressão e teve que, inclusive, cancelar sua última turnê. Conforme sua popularidade aumentava, cresciam também os problemas com a fama e as notícias de descaso com fãs, violência a fotógrafos, e atitudes infantis, como tacar ovos nos vizinhos. Além disso, ele foi preso três vezes em 2014.

Com o último disco, porém, Bieber se estabeleceu como um dos principais nomes do pop da atualidade. “Purpose” mostrava um som amadurecido, buscando uma audiência mais velha. As músicas eram melhores elaboradas e fizeram com que, enfim, ele deixasse de ser só um ídolo teen. Em pausa na carreira, ele nunca some de verdade, já que entre uma polêmica e outra lança novas parcerias musicais.

Leia também: Covers de Michael Jackson descartam rivalidade: "a arte é mais importante"

O “Toque de Midas” do garoto tem se provado eficiente: primeiro foi Despacito , sucesso mundial que alavancou a carreira de Luis Fonsi. Mais recentemente I Don’t Care , em parceria com Ed Sheeran, chegou ao número dois da Billboard. Apesar de não ter o mesmo talento que Michael Jackson , Bieber caminha para, pelo menos, ter a mesma popularidade.

    Leia tudo sobre: músicas