Maria em Jogo da Discórdia no 'BBB 22'
Reprodução/Globo
Maria em Jogo da Discórdia no 'BBB 22'


Ela avisou quando foi anunciada no “Big Brother Brasil 22”, logo na chamada de estreia: Maria se definiu como uma pessoa com bons argumentos, debochada e disse que brigas poderiam colocá-la na berlinda. Pois no jogo da discórdia da última segunda-feira, deu para entender do que a artista estava falando. A dinâmica consistia em colar na testa dos adversários duas placas com adjetivos negativos. Quando chegou sua vez, ela depositou o objeto com força na cabeça de Arthur Aguiar, gesto que não repercutiu nada bem nas redes sociais, com gente questionando até se o ato não caracterizaria agressão.

O jeito de falar da sister também foi visto por muita gente como agressivo, o que tem afetado a popularidade dela aqui fora. Vista como uma candidata forte no início do reality, a carioca agora tem a torcida de muita gente para ser eliminada, incluindo telespectadores influentes como Felipe Neto. O pai de Maria, Carlos Câmara, minimiza a postura da filha na competição.


"Ela está jogando, não é aquela pessoa. Se eu pudesse me desculpar com as pessoas sobre o que ela está fazendo, eu diria isso. O Arthur também está jogando. Ele vai continuar de pobre coitado? Ou vai roncar mais alto para cima dela? É assim que funciona", diz o pai da artista, que continua: "As pessoas estão falando que ela tem que sair, que é arrogante. Mas ela não é. Cada pessoa tem um comportamento. O Arthur é ator e está interpretando o papel de pobre coitado. Ela também é atriz, mas está interpretando vilã."

Carlos ainda justifica que a postura da filha, que tem 21 anos, é uma proteção: "Ela não leva desaforo para casa. Quando era mais nova, era muito boba, as pessoas gostavam de pisar nela. Então decidiu mudar. Mas aquilo é uma forma de se proteger. Ela não é uma pessoa ruim com o Arthur, não vai querer o mal dele aqui fora. Tem um coração grande, é uma pessoa boa, melhor do que muita gente que está quietinha ali dentro."

Leia Também

Mesmo assumindo que o jogo da discórdia repercutiu mal para ela, Carlos reforça: "É melhor isso do que ficar igual aos outros lá, umas plantas. Desse jeito (só com participantes que não movimentam o jogo) o programa não tem graça."

Em apenas três semanas de competição, a personalidade forte de Maria já deu o que falar devido a diversas situações. Além da mais recente polêmica com Arthur, ela protagonizou o primeiro balanço de edredom após anos de seca no reality.

"Eu acho que ela tinha que fazer sexo mais vezes para ficar calma", brinca o pai, que admite ficar chateado com as críticas, mas reconhece que o julgamento faz parte: "Ela transou, dança, faz as loucuras dela e está incomodando. É difícil agradar."

Infelizmente, algumas críticas extrapolam os limites. A equipe de Maria publicou ontem uma nota repudiando ataques racistas e homofóbicos sofridos pela participante depois do jogo da discórdia.

“Os ataques diários que Maria vem recebendo não são um jogo. Essa realidade triste e dolorida não é entretenimento”, registrou o perfil oficial da atriz e cantora nas redes sociais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários