A apresentadora Sonia Abrão está sendo processada pelo fotógrafo Antonio Carlos Rodrigues Gil . A jornalista teria divulgado uma fake news sobre o profissional em abril e agora pode ter que pagar uma indenização de R$ 41,8 mil por danos à imagem. Além disso, Gil pede um pedido formal de desculpas durante 10 minutos no "A Tarde é Sua", da RedeTV! .

Leia também: William Bonner se pronuncia sobre nome do filho em golpe de auxílio emergencial

Sonia Abrão
Reprodução/RedeTV!
Sonia Abrão


De acordo com o site Notícias da TV , os advogados do fotógrafo explicaram que ele foi apontado pela equipe de Sonia Abrão como o responsável por perseguir e cobrar explicações do jornalista Marcelo Cosme , da GloboNews , que estava furando a quarentena para praticar atividades físicas no Rio de Janeiro, em abril.

Leia também: "Se tiver que fazer sexo sozinha, eu faço", afirma Aline Riscado

O comentarista do programa da RedeTV! , Felipeh Campos disse: "O Gil Rodrigues, que foi o paparazzo que fez essas imagens, já estava perseguindo o Marcelo há dois dias. Estava indo atrás e querendo fazer esse flagra, ok. Eu acho que é o trabalho do nosso colega, mas é a pior forma de fazer".

Em seguida, Leo Aquilla analisou: "Acho que o Marcelo Cosme está errado, mas também acho que nada justifica a agressividade com a qual ele foi recebido na rua. Uma coisa é você usar o seu celular para denunciar uma atitude ou alertar a comunidade como um todo, outra é você vir com essa agressividade injustificável. Achei pesado".

A apresentadora endossou os comentários dos colegas e relembrou outra imagem supostamente feita por Gil. Mas, a gravação de Marcelo Cosme foi de um homem identificado como Alexandre Monteiro.

Leia também: Zé Maria dá bronca no "Morning Show": "Sou  jornalista de raiz"

O fotógrafo alega que a fake news divulgada pela equipe de Sonia Abrão lhe causou problemas. "Na data do fato, Gil Rodrigues encontrava-se em isolamento, por apresentar sintomas compatíveis de Covid-19. Debilitado e angustiado, se viu obrigado a suportar pelas semanas seguintes um verdadeiro linchamento moral realizado por telefone e redes sociais, em decorrência da notícia exibida nos programas do dia 7 e 8 de abril", disseram os advogados.

    Veja Também

      Mostrar mais