Tamanho do texto

A jovem, que participou do Masterchef Junior em 2015, contou que ainda não se recuperou do assédio que sofreu no programa de culinária da Band

Valentina Schulz, de 15 anos, conhecida por ter participado do Masterchef Junior , passou por momentos complicados no programa quando foi vítima de assédio . Em uma entrevista ao canal do jornalista Alvaro Leme, a garota se abriu sobre o caso e cantou que ainda não se recuperou do episódio.

Leia também:Campeã do "Masterchef" pediu que marido desse soco em adversária

Valentina Schulz conta que ainda não se recuperou do assédio que sofreu na época do Masterchef Junior
Reprodução
Valentina Schulz conta que ainda não se recuperou do assédio que sofreu na época do Masterchef Junior


Leia também:Polêmica no "Masterchef"! Paola Carosella reage a críticas com deboche na web

Para Valentina Schulz, que foi alvo de comentários sobre seu corpo quando participava da edição de 2015 do Masterchef Junior, o caso no programa da Band foi traumático. “Acho que é algo que ninguém supera”, conta.

A jovem que atualmente tem um canal no YouTube ainda ressaltou que dificilmente conseguirá esquecer o momento algum dia. “Quando você sofre qualquer tipo de assédio, você nunca vai se recuperar 100% do que aconteceu. Você vai sempre se policiar, infelizmente, mais do que você faria normalmente”.

Ainda abalada, o início deste ano foi a primeira vez em que a jovem conseguiu falar sobre o assunto. Ela também conta que apesar de ser uma situação complicada, aprendeu a ter mais união e força. “Depois de tudo o que aconteceu, a maior lição que eu tive foi que a gente tem que lutar, tem que ser forte e ajudar umas às outras. É algo que ainda me emociona muito e emociona muito as pessoas que estavam do meu lado na época. Os meus pais me blindaram muito do que aconteceu, mas tenho muito medo de tudo”.

Leia também: Final do "MasterChef Júnior" decepciona e não repete audiência do original

Valentina Schulz  também contou que muitas vezes precisa estar acompanhada de garotos para não passar por nenhuma situação constrangedora. “Nunca fui assediada ou tentaram passar a mão em mim quando estava com algum menino. Só quando estava com meninas ou sozinha. Tanto que no Carnaval só poderia ir em bloco com mais de cinco meninos. Porque senão eu tinha medo e minha mãe também de me deixar ir em bloquinho”, concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.