A ex-promotora de Manhattan Linda Fairstein entrou com um processo contra a Netflix e a diretora Ava DuVernay na última quarta-feira (18). Ela argumenta que ela foi falsamente retratada como uma "vilã racista e antiética", que pressionou pelas condenações de cinco adolescentes negros e latinos em " Olhos que Condenam ", série que aborda o caso que ficou conhecido como Central Park Five.

Leia também: Baseada em caso real, "Olhos que Condenam" tem repercussão política nos EUA

Felicity Huffman arrow-options
Divulgação
Felicity Huffman

A ação, movida em um tribunal federal em Fort Myers, Flórida, ocorreu depois que a série transformou Fairstein, uma romancista best-seller de crime, objeto de indignação pública, levando-a a ser dispensada por sua editora e renunciar a vários conselhos de destaque.

Leia também: Coronavírus: séries e realities para "maratonar" na quarentena

No processo, Fairstein afirma que a série de quatro partes a difamava em quase todas as cenas dos três episódios em que sua personagem aparece.

"Mais flagrantemente, a série de filmes retrata falsamente Fairstein como responsável pela investigação e processo do The Five, incluindo o desenvolvimento da teoria do caso", disse Andrew Miltenberg, advogado de Fairstein. "Na verdade, e conforme detalhado no processo, Fairstein não foi responsável por nenhum dos aspectos do caso". A Netflix rejeitou as alegações de Fairstein.

"O processo frívolo de Linda Fairstein não tem mérito", afirmou a empresa. "Pretendemos defender vigorosamente "Olhos que condenam", Ava DuVernay e Attica Locke, a incrível equipe por trás da série."

DuVernay, diretora, roteirista e produtora indicada ao Oscar, se recusou a comentar o processo. Locke, escritora e produtora da série, que também foi nomeada ré, não respondeu a um e-mail.

Série retrata racismo estrutural

arrow-options
Divulgação
"Olhos que Condenam"

"Olhos que condenam", que estreou em maio passado, se concentra no caso de 1989 de cinco adolescentes que foram presos e condenados por estupro e agressão a uma mulher branca no Central Park. O caso virou um símbolo sobre o pânico com o crime urbano e o racismo na mídia e no sistema de justiça criminal.

Os cinco foram condenados com base em parte em confissões coagidas pela polícia e passaram anos na prisão antes de serem exonerados em 2002, depois que Matias Reyes, um assassino condenado e estuprador em série, confessou o crime. Em 2014, eles receberam um acordo de US$ 41 milhões, embora a cidade de Nova York tenha negado qualquer irregularidade.

Fairstein dirigiu a divisão de crimes sexuais do escritório do promotor de Manhattan em 1989 e foi retratada na série como a força motriz por trás da acusação. Depois que o programa estreou, petições online e uma hashtag, #CancelLindaFairstein, pediram um boicote a seus livros e sua remoção de comitês de destaque.

Ela foi demitida por sua editora, Dutton, uma marca da Penguin Random House, e demitiu-se dos conselhos de várias organizações, incluindo Safe Horizon e Joyful Heart Foundation, que ajudam vítimas de violência sexual, e Vassar College, sua alma mater.

"A reputação e a carreira de Fairstein - na lei e na literatura - foram irreparavelmente prejudicadas pelas ações dos réus ", disse Miltenberg.

Mesmo antes da estreia do programa, a reputação de Fairstein havia sido atingida.

arrow-options
Divulgação
"Olhos que Condenam"

Em 2018, a Mystery Writers of America, que apresenta o Edgar Awards anual, disse que não a honraria mais com um de seus prêmios "Grão-Mestre" por realizações literárias. A organização retirou o prêmio depois que a cidade de Nova York divulgou documentos internos de aplicação da lei da investigação sobre o caso do Central Park Five que reforçaram a decisão de anular as condenações dos cinco réus.

Depois que a série Netflix começou a ser transmitida, Fairstein denunciou sua representação como "imprecisa de maneira grosseira e maliciosa" e escreveu um artigo no The Wall Street Journal no ano passado, alegando que a série estava cheia de "distorções e falsidades".

No processo, ela argumenta que a série a descreve como um "vilã racista e antiética que está determinada a prender crianças de cor inocentes a qualquer custo".

O processo alega que a série mostrou falsamente Fairstein pedindo uma caça de jovens "bandidos" negros, referindo-se a pessoas de cor como "animais", instruindo os detetives a coagir confissões e suprimir evidências de DNA.

arrow-options
Divulgação/Netflix
"Olhos que Condenam" retrata a história de jovens acusados por um crime de forma injusta

Fairstein é retratada na série pela atriz Felicity Huffman, que foi condenada a 14 dias de prisão no escândalo de admissões na faculdade após a conclusão das gravações.

Leia também: Seguindo os passos da Netflix, Globoplay aposta em série sobrenatural

Miltenberg disse que o processo "não tinha a intenção de voltar a litigar a culpa ou inocência dos Cinco" e que Fairstein concordou com a decisão de anular as condenações após a confissão de Reyes.

    Veja Também

      Mostrar mais