As edições Chile e Argentina do festival de música Lollapalooza adiaram oficialmente o evento na manhã desta quinta-feira (12), em decorrência da disseminação do coronavirus, COVID-19. Ainda há bastante expectativa sobre a edição brasileira, que, ao que tudo indica, deverá seguir a mesma decisão. Além dos protocolos não recomendarem grandes aglomerações, as três edições do festival compartilham boa parte das atrações internacionais e dividem também questões logísticas - o que significa que manter o Lolla 2020 envolveria uma provável elevação dos custos.

Lollapalooza arrow-options
Reprodução
Lollapalooza


Leia também: Lollapalooza não é para os fracos, impacientes ou para os lisos

Procurada, a assessoria do Lollapalooza  ainda não confirma o adiamento oficial. No entanto, de acordo com o site especializado em publicidade, mídia e marketing Propmark, essa já é a realidade trabalhada pelo mercado e as apresentações só devem ser realizadas no segundo semestre desse ano.

Leia também: Gabriela Pugliesi confirma que está com coronavírus

O adiamento do Lolla é discutido há alguns dias. Há preocupação com cancelamentos no line up, sobretudo da banda Guns N’ Roses, que desmarcou shows na Costa Rica, quanto de patrocinadores e apoiadores que não queriam ter suas marcas atreladas a possível disseminação da doença. 

Leia também: "Velozes e Furiosos 9" e mais filmes são adiados pelo coronavírus

Maior cidade do país e da América Latina, São Paulo, registrou o primeiro caso no Brasil e tem hoje o maior número de pacientes infectados pelo coronavírus, seria a anfitriã do  Lollapalooza entre os dias de 3 a 5 de abril.



    Veja Também

      Mostrar mais