Tamanho do texto

"Se eles pudessem, estaríamos todos num paredão e eles atirando", desabafou a atriz de 90 anos durante o Festival do Rio de cinema

Fernanda Montenegro não poupou críticas à nova direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine). A atriz de 90 anos afirmou que os executivos do órgão são "assassinos" por retirarem das paredes da agência cartazes de filmes históricos do cinema brasileiro.

Leia também: Exonerada, secretária de Audiovisual teria chamado Roberto Alvim de "traidor"

Fernanda Montenegro arrow-options
Reprodução/Instagram/@fernandamontenegrooficial
A atriz Fernanda Montenegrou criticou a atual gestão da Ancine, que retirou das paredes da agência cartazes de filmes brasileiros

"Se eles pudessem, estaríamos todos num paredão e eles atirando em nós com metralhadoras", disse Fernanda Montenegro sobre a gestão da Ancine durante o Festival do Rio.

Leia também: Governo revoga exclusão de profissões do setor cultural do MEI

Além disso, a atriz deu a entender que o modo como vivemos atualmente é semelhante ao regime militar, ocorrido no Brasil de 1964 a 1985. "Nós somos imorredouros. Nós sobrevivemos uma vez. Desta vez, é uma forma assassina", declarou ela à revista Quem .

Fernanda também aproveitou o Festival do Rio para falar sobre a violência na área de cultura e defendeu que motivações religiosas não justificam a hostilidade. "Sem cultura não há educação e sem educação não há cultura", comentou.

Leia também: Lista de esnobados do Globo de Ouro 2020 tem "GoT" e diretor brasileiro

"Eu não entendo o que está acontecendo com este país, com tantos xingamentos. Não há explicação. É uma nova moralidade que condena qualquer estrutura contrária ao seu Deus", acrescentou Fernanda Montenegro .