Tamanho do texto

"Hebe – A Estrela do Brasil" faz parte de um projeto que visa manter essa artista viva na memória do público; série e documentário estão certos

A apresentadora Hebe Camargo esteve presente por anos na casa de milhares de brasileiros. Quando ela morreu, familiares e amigos resolverem mantê-la viva na memória do público e criaram o projeto Hebe Forever . Depois de um musical, a história da artista pode ser vista no cinema e, segundo os idealizadores do longa, o filme começa como a Hebe gostaria: no auge.

Leia também: Andréa Beltrão confessa que tentou fazer imitação "grosseira" de Hebe

Andréa Beltrão foi elogiada pelo seu desempenho em arrow-options
Divulgação
Andréa Beltrão foi elogiada pelo seu desempenho em "Hebe – A Estrela do Brasil"


O filme, diferente do que muitos esperavam, não explora a história da menina pobre que se tornou uma grande estrela da televisão brasileira. Indo na contramão das biografias mais convencionais, o filme explora apenas um período da vida da apresentadora e conta com Andréa Beltrão no papel principal sem a obrigação de fazer uma imitação da enérgica artista.

Além do musical e do filme, a história da apresentadora será contada na Rede Globo , em uma minissérie também protagonizada por Andréa, e em um documentário. A roteirista desses projetos, Carolina Kotscho, fez um mergulho profundo na história de Hebe através de entrevistas e recortes de jornais juntados ao longo dos anos e acredita que dessa forma conseguiu contar a história da Hebe de forma mais fiel.

Leia também: "Hebe – A Estrela do Brasil" aposta em fase polêmica da apresentadora

“Se a Hebe estivesse aqui hoje e me contasse a história dela, ela me contaria só uma versão da história dela, a gente edita nossa memória. Eu tinha ali [nas reportagens] a Hebe em tempo real ao longo de todo esse tempo. Todas as transformações, todas as contradições, todos os dramas pessoais estavam ali”, contou Carolina.

Se a Hebe estivesse aqui hoje e me contasse a história dela, ela me contaria só uma versão da história dela, a gente edita nossa memória

O sobrinho da apresentadora, Claudio Pessuti, ajudou com as informações, pois possui um acervo com notícias da tia desde 1947 e, como Hebe era muito verdadeira, ele garante que tudo o que está no filme é verdade. Além das informações, Claudio e outros membros da família também disponibilizaram roupas e joias que pertenceram à loira.

“A roupa não facilitou nesse negócio de encarnar [a Hebe]. Uma mulher dessa, uma personagem dessa, tão conhecida, tão famosa e que somos íntimos porque ela ficou 60 anos na televisão, não é um vestido que faz você encarnar não. Pode botar o vestido, pode botar a peruca, pode botar o sapato que não vai descer”, brincou Andréa.

Para o diretor Maurício Farias, fazer uma biografia como essa é um desafio enorme porque o público conhecia bem essa marcante artista. “Não é mais possível trazer a Hebe de volta. O filme é um recorte da história dela”, comentou o diretor.

Por que a Andréa?

Andréa Beltrão como Hebe arrow-options
Divulgação
Muitas pessoas se perguntaram por que Andréa Beltrão foi escolhida para ser a Hebe

O roteiro do filme começou a ser escrito há quatro anos e Carolina explicou que só conseguiu escrever depois que Andréa aceitou o papel porque o que mais pensava era o seguinte: “Que atriz é capaz de encarnar essa mulher?”. Claudio contou que todo mundo perguntava por que tinham escolhido a Andréa para o papel já que ela não tinha nada a ver fisicamente com a Hebe.

Leia também: Filme sobre Hebe fala com Brasil atual por falar de censura e direitos LGBTQ+

“Eu confiei desde começo. Estive em algumas gravações e quando eu encontrava a Andréa eu sentia que era a minha tia que estava ali e ela me tratava como um sobrinho. Essa é a essência da atriz, eu arrepiava quando chegava perto, não por ela ser parecida, mas por estar transformada em Hebe. Ela conseguiu transmitir certas coisas que só eu conhecia”, lembrou Claudio.

São tantas emoções

Durante as gravações, a cena que mais emocionou Andréa foi a que fez com o ator Felipe Rocha na pele de Roberto Carlos. “Chorei de verdade porque na ‘Grande Família’ o Roberto Carlos faz uma participação especial. A dona Nenê ganhava um concurso que o prêmio era ir ao show. No dia da gravação estava todo mundo de azul ou branco e com muito brilho. Eu me vesti, fui para o estúdio. Lembro que ele cantou de verdade, foi uma loucura”, falou a atriz.

Estou a Marilda muito rica com essas joias da Hebe. Se elas se conhecessem, elas seriam grandes amigas

Quando Andréa foi falar com o rei, não conseguiu conter a emoção. “Quando cheguei perto dele, eu tive uma crise de choro. Eu não sei, comecei a chorar, chorar, chorar, borrei a maquiagem. Ai me retiraram e me levaram para uma salinha, depois voltei para a gravação e não cheguei mais perto dele.” Anos depois, a atriz sentiu que reviveu aquelas emoções. “Quando o Felipe Rocha veio na minha direção voltou tudo.”

Andréa ainda brincou dizendo que acha que Marilda, personagem que fez em “A Grande Família”, é uma prima pobre da Hebe . “Eu estou a Marilda muito rica com essas joias da Hebe. Se elas se conhecessem, elas seriam grandes amigas porque elas têm muita coisa em comum”, finalizou a atriz.