Tamanho do texto

Especialistas em direito e comunicação criticaram ato do prefeito do Rio

O prefeito Marcelo Crivella determinou ontem que a história em quadrinhos "Vingadores: A cruzada das crianças" fosse recolhida da Bienal do Livro , no Riocentro. Em um vídeo publicado nas redes sociais, o prefeito afirma que a HQ de super-heróis tem "conteúdo sexual para menores". Na manhã desta sexta (6), a reportagem  visitou nove estandes que comercializam quadrinhos na Bienal. Em oito, ouviu que "Vingadores: A cruzada das crianças" não estava à venda simplesmente porque não fazia parte do estoque. Em um, chamado Taverna do Rei, um funcionário confirmou que os 20 exemplares disponíveis se esgotaram há dois dias, antes da manifestação do prefeito.

Marcelo Crivella arrow-options
Sergio Marques/Parceiro/Agencia O Dia
Marcelo Crivella enfrenta um processo de impeachment no Rio de Janeiro

Segundo o atendente responsável pela parte de quadrinhos da editora Devir, Cesar Santos, após a notícia da ordem de recolhimento de Crivella, um outro estande que vende HQs chegou a procurá-los para saber se eles tinham o título.

"Eles queriam comprar da gente para revender no estande deles pois com essa repercussão o livro vai vender muito, assim como tudo que é proibido" , afirmou Santos. "O que a gente tem que se perguntar é que, se fosse um beijo heterossexual, teria a mesma reação? Se isso não é censura, não sei o que é. Crivella devia se preocupar com infraestrutura, segurança da cidade e está preocupado com um beijo num livro".

Leia também: Ana Maria diz que não recusou presente de fã: "Ele desistiu de mandar"

"Vingadores: A cruzada das crianças" é o 66º volume da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel, lançado no Brasil em 2016 pela Editorial Salvat em parceria com a Panini Comics. A série republica gibis em formato de luxo, com capa dura. Na história, escrita pelo americano Allan Heinberg e ilustrada pelo britânico Jim Cheung, dois membros dos Jovens Vingadores (no original, Young Avengers), Wiccano e Hulkling, são namorados e aparecem se beijando em um painel. A história foi publicada originalmente nos EUA entre 2010 e 2012, chegando ao Brasil, ainda em edições mensais, em 2012.

HQ arrow-options
Divulgação
Trecho da HQ da Marvel que prefeito do Rio de Janeiro tentou censurar na Bienal

Para Deborah Sztajnberg, advogada especializada em direito autoral e autora do livro "Cala boca já morreu: a censura judicial das biografias", a atitude do prefeito pode ser considerada como censura.

"Quero crer que a Constituição ainda seja válida. Lá diz, textualmente, que acabou censura no Brasil", afirmou a advogada. "Uma decisão como essa precisa ser tomada por via judicial ou por decreto, mas de toda a forma é totalmente equivocada. É censura. O prefeito governa para uma cidade inteira, e não para uma parcela da população que compactua das crenças dele".

Cristina Costa, professora de Comunicação e Cultura da ECA-USP e especialista em censura, classifica o caso como um ato contra a liberdade de expressão: "Uma professora pode proibir palavrão dentro da sala de aula, porque ela é a autoridade dentro daquele circuito. Já a censura normalmente tem caráter político e parte de uma autoridade usando seu poder para inibir a livre circulação de um produto cultural e artístico".

Leia também: Demi Lovato deixa celulites à mostra e faz desabafo: “essa sou eu”

Ainda na quarta-feira (4), no plenário da Câmara Municipal, o vereador Alexandre Isquierdo (DEM) reclamou da comercialização do livro na Bienal. Empunhando o livro na tribuna, ele afirmou que seu ato não era homofóbico: "O autor, que é assumidadamente gay, coloca dois super-heróis se beijando e tendo relação homossexual. Não dá para admitir covardia contra as nossas crianças."