Tamanho do texto

Para revista americana, Wagner Moura falou sobre a expectativa de sua estreia como diretor no Brasil. Filme ganhou novo teaser nesta terça (20)

O filme dirigido por Wagner Moura, “Marighella” chega aos cinemas brasileiros em 20 de novembro de 2019, Dia Nacional da Consciência Negra, porém ele não está muito confiante para essa estreia. Para a Variety  , o ator e também diretor teme que o lançamento seja prejudicado pelo pedidos contínuos de boicote por conservadores e pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Leia também: Wagner Moura tem medo de retornar ao Brasil: "Sinto que estou correndo risco"

Wagner Moura teme boicote em estreia de arrow-options
IMDB
Wagner Moura teme boicote em estreia de "Marighella" no Brasil

Leia também: Em sua estreia como diretor, Wagner Moura é aplaudido em Berlim

Marighella ” conta a história de Carlos Marighella, assassinado pela ditadura militar e que deixou um legado que se estendeu por anos. Interpretado por Seu Jorge, ele era descrito como um político marxista, um escritor e revolucionário que procurou acabar com a ditadura militar no Brasil. Por tratar da ditadura, Wagner Moura teme que sua estreia como diretor em seu país seja um fracasso.

Um desses motivos é o fato de que o presidente Jair Bolsonaro já afirmou, algumas vezes, que os 21 anos que o Brasil ficou em regime militar – de abril de 1964 a março de 1985 – não foi uma ditadura. Participando do 15º Santiago International Film Festival  , que começou em 18 e vai até o dia 25 de agosto de 2019, Wagner celebrou a estreia do longa na América Latina.

Durante o evento, ele esclareceu que primeiro ele é ator e depois diretor. Para a  Variety  , Wagner revelou se está ou não pronto para dirigir outro filme: “Eu teria que ser verdadeiramente apaixonado pelo assunto”.

Leia também: "Marighella" é selecionado para mais quatro festivais internacionais

Seu Jorge e Adriana Esteves em arrow-options
Divulgação
Seu Jorge e Adriana Esteves em "Marighella"

“Eu nunca serei um diretor contratado”, confessou ele, mesmo achando a direção mais fácil do que atuar. “Eu assisti meus atores sofrerem com essas cenas traumáticas e pensei no quanto isso não era eu”, contou.

Para ele, ter trabalhado com Padilha em “Narcos”, série da Netflix, foi o que o ajudou para produzir seu filme. “Para ser completamente honesto, era tão orgânico. Eu sabia exatamente o que queria fazer, tinha tanta confiança nas pessoas que havia contratado e discuti isso com eles. Quando estava pronto para filmar foi fácil”, disse ele. Nesta terça-feira (20), o longa ganhou um novo teaser. 

Voltando para as telonas, Wagner Moura é protagonista do novo filme de Olivier Assayas, “  The WASP Network  ” e disputa o Leão de Ouro no 76º Festival de Veneza. Após a indicação para Veneza, o longa foi selecionado para abertura do 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que acontece de 17 a 30 de outubro.