Tamanho do texto

Série da Amazon, exibida em Sundance, estreia em 15 de fevereiro na plataforma de streaming e é uma produção mesmerizante; leia a crítica

Sabe aquele caso que todo mundo tem uma opinião a respeito? “Lorena”, documentário do Amazon Prime Video serializado em quatro partes recupera um caso emblemático de violência que chocou os EUA e o mundo no começo dos anos 90 e ajudou a estabelecer padrões tanto para o jornalismo com viés de entretenimento, bem como para o combate à violência doméstica naquele país.

Leia também: Entre a tragédia e o cinismo, “Vice” desconstrói modo de fazer política

Lorena Bobbitt conta a sua história no documentário do Amazon Prime Video
Divulgação/Amazon
Lorena Bobbitt conta a sua história no documentário do Amazon Prime Video

A estreia mundial da série, produzida por Jordan Peele (“Corra!”) e dirigida por Joshua Rofe, ocorreu no Festival de Sundance. “Lorena” estreia na plataforma de streaming da Amazon, o Prime Video , em 15 de fevereiro.

A produção se esmera no rigor jornalístico e se vale de valiosas técnicas narrativas empregadas no cinema para revisitar uma das histórias mais surpreendentes e multifacetadas que se tem notícia. O drama da imigrante latina que cortou o pênis de seu marido puxou a fila de uma era de escândalos midiáticos nos EUA como os de O.J Simpson, acusado de matar a mulher, e Tonya Harding, atleta acusada de agredir e sabotar uma concorrente. Ambos os casos são citados a título de contexto na obra de Rofe.

À medida que analisa microscopicamente todos os ângulos possíveis daquela história tão espetacular quanto trágica, Peele e Rofe identificam valores a ela agregados pela passagem do tempo e se dedicam a eles no decorrer dos quatro episódios de uma hora cada.

A noite do crime

Lorena durante julgamento nos anos 90
Divulgação/Amazon Prime Video
Lorena durante julgamento nos anos 90

A série começa com os depoimentos dos policiais, paramédicos e cirurgiões que atenderam John Wayne Bobbitt na noite em que ele teve seu pênis decepado. O próprio Bobbit surge no vídeo tentando organizar memórias desencontradas daquela noite.

O número de testemunhas e personagens envolvidos naquela história, e nos desdobramentos dela, alcançados pela produção é assombroso e favorece um painel rico e plural do caso, mas também reflexões valorosas a respeito de como aquele evento afetou a vida de seus dois protagonistas.

Leia também: Yorgos Lanthimos expõe ferocidade da ambição com sexo e intrigas em "A Favorita"

A psicologia dos fatos

John Wayne Bobbitt: uma clássica história de amor moderna?
Divulgação/Amazon Prime Video
John Wayne Bobbitt: uma clássica história de amor moderna?

Além de Bobbitt, Lorena também é ouvida. Aos poucos a série vai assumindo seu ponto de vista. Um dos nortes narrativos, incrementado pela trajetória dos dois após aquela tenebrosa noite de junho de 1993, é expor o quão desassistidas ainda são as vitimas de violência doméstica e o quão ultrapassados são os remédios jurídicos aplicados nesses casos. O contexto, é claro, são os EUA e particularmente o estado da Virgínia, mas como bem observa uma ativista de uma ONG que atua por mais proteção a mulheres vítimas de violência doméstica e sexual, o cenário não é muito diferente do que era há duas décadas.

“Cortam os clitóris de meninas todos os dias em certos lugares da África, mas foi só cortar um pênis que vira todo esse caos”, observa uma prostituta que trabalharia com John Bobbitt em algum momento da vida dele.

Lorena: ela reconstruiu sua vida após aquela noite
Divulgação/Amazon Prime Video
Lorena: ela reconstruiu sua vida após aquela noite

O documentário, portanto, alinha-se ao status quo do #metoo e Time´s UP ao enxergar o escândalo que mobilizou os EUA e gerou interesse mundial sob novo prisma. “As pessoas estavam tão ensimesmadas pelo ato em si que não prestaram atenção na história”, observa uma jornalista ao refletir a respeito de tudo o que aconteceu.

O circo e as consequências

O documentário é muito feliz na bifurcação que faz entre o circo midiático que se ergueu em torno do caso e as limitações técnicas e jurídicas intrínsecas. Os julgamentos de John por crime sexual, realizado primeiro, e o de Lorena, que veio na sequência, ganham destaque na primeira metade da série, que depois se dedica a recuperar como foram os anos seguintes dos dois.

Leia também: Mãe de garoto assassinado reprova indicação de "Detainment" ao Oscar: "Enojada"

O programa é mais bem sucedido em elaborar um perfil de John do que de Lorena . Talvez isso ocorra pela necessidade de justificar sua protagonista. De todo modo, a série oferece um retrato instigante de um dos escândalos mais perversos e ruidosos que os EUA já conheceram.