A política está repleta de grandes personagens que não necessariamente ganham distinção lisonjeira no contexto histórico. O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha pode ser um exemplo. Dick Cheney, ex-vice presidente nos dois governos de George W. Bush, também. É ele o protagonista do novo filme de Adam McKay (“A Grande Aposta”).

undefined
Divulgação
Christian Bale, Sam Rockwell, Amy Adams, e Andrea Wright em cena da cinebiografia "Vice" (2018)

Leia também: Oscar adota viés mais progressista com escolhas de 2019

Vice ” não é apenas uma elaboração potente e imaginativa sobre quem é Dick Cheney, o homem imprudente e truculento que cresceu no Wyoming e acabou se tornando uma figura central das engrenagens do Partido Republicano e homem forte da Casa Branca de Bush.

A produção, indicada a oito Oscars, incluindo filme, direção, roteiro original e ator, propõe um olhar ácido sobre o modo de fazer política e enxerga na figura opulenta de Cheney um paralelo perverso com o status quo da América de hoje, sob Trump.

undefined
Divulgação
Por trás de todo grande homem, há uma grande mulher

McKay aposta na mesma linguagem bem-sucedida de “A Grande Aposta”, filme que problematizava o capitalismo e mostrava, com uma perspectiva para lá de cínica, os meandros e pormenores da crise econômica que estourou em 2008 e colocou os EUA e o mundo na UTI.

A edição frenética de informações e pontos de vista favorece o hipertexto, mas a obra tem uma agenda bem particular. O filme defende que Dick Cheney moldou a maneira como o mundo se encontra hoje em matéria de geopolítica. Seus cálculos, advoga McKay, não necessariamente vingaram conforme pretendido, mas foram suas ações no campo energético, de Defesa e fundamentalmente na política internacional e no investimento canino na invasão ao Iraque que moldaram o mundo como o conhecemos hoje.

McKay identifica nas rotas e estratégias de Cheney os primeiros vestígios do que hoje classificamos como pós-verdade. O republicano, na visão da realização, era hábil na confecção de fatos alternativos e no convencimento da opinião pública e dos poderosos de Washington. A cena em que expõe isso, fazendo uma analogia entre tortura em solo estrangeiro (a polêmica aposta em Guantánamo) e um desfile nos gramados da Casa Branca com pênis enfeitados é uma dessas piadas certeiras que vale o ingresso.

Leia também: Cinebiografias como "Jackie" costumam emplacar no Oscar; relembre

undefined
Divulgação
Christian Bale concorre ao Oscar por sua atuação em "Vice" (2018)

O Dick Cheney de McKay não é exatamente um intelectual de fina estipe, mas é um político arguto, um predador natural. Algo que falta a  George Bush  e que McKay recorre a Shakespeare, em mais uma cena daquelas de se assistir com o sorriso no rosto, para tangenciar. Eis que aí transparece outro aspecto importante da postulação que “Vice” faz sobre Cheney e seu impacto no mundo. Um homem desses não poderia ter produzido o impacto que produziu, não importando a natureza perversa ou altruísta dessa condição, sem uma grande mulher. É aí que entra Lynne Cheney, defendida com bravura pela sempre competente Amy Adams, que introduz no marido o desejo pela grandeza.

“Vice” tem grandes pequenos momentos – como quando a identidade do narrador é revelada - e cenas verdadeiramente apoteóticas - a maneira como Cheney trabalha as expectativas de Bush em relação à parceria é particularmente um achado -, mas é o todo e suas reminiscências que provocam um estremecimento mais perene.

O olhar de  Adam McKay  é apurado e ele dá dimensão humana e histórica a um bater de botas na Casa Branca e em algum lugar remoto do Iraque e acua Cheney em seu próprio filme. Não só este não é um retrato lisonjeiro, como o filme é um dedo em riste que brada “o mundo está assim por culpa sua”.

undefined
Divulgação
Sam Rockwell durante cena da cinebiografia "Vice"

Leia também: Esnobada! Veja quem ficou de fora e merecia uma indicação ao Oscar 2019

Cheney, em um dado momento, quebra a quarta parede e se defende. É quando McKay, correndo o risco de parecer óbvio, se espelha ao seu biografado em grandiloquência, e permite que o público assuma sua parcela de culpa. Há culpa para todos em “ Vice ”, mas o fardo é só deste homem que ganhou na atuação depravada de Christian Bale a mais completa e explosiva dimensão de tragédia.    

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários