“Creed II” é um filme sobre boxe, mas é mais que isso. É sobre estar vulnerável, sobre amadurecimento ou, como brinca Tessa Thompson, sobre “adultar”. “A verdade é que o primeiro ‘Rocky’ é uma história de amor, e acontece de existir no mundo do boxe. Essas sequências continuam sendo sobre amor, família, e são filmes de boxe”, comenta a atriz.

Michael B. Jordan atua ao lado de Florian Munteanu em
Divulgação
Michael B. Jordan atua ao lado de Florian Munteanu em "Creed II"

Tessa dá vida a Bianca, que começa a namorar com Adonis Creed (Michael B. Jordan) no primeiro filme. Agora, suas vidas estão interligadas e uma inesperada gravidez faz com que eles tenham que aprender a lidar, de fato, com a vida adulta a dois (que logo será a três). Para Michael, é justamente o fator “família” que conecta as pessoas com “ Creed II ”.

Leia também: Michael B. Jordan entrou para o cânone do pop e fez de 2018 o seu grande ano

“Queríamos que fosse sobre a família. O boxe é um veículo para essas histórias, esses problemas e relacionamentos. Acho que é por isso que as pessoas se conectam. Não é só testosterona”, conta. Isso não significa que o longa não fale sobre masculinidade e seus conceitos, pelo contrário.

Vulnerável e um pouco perdido quanto a seu lugar no mundo (como homem e como lutador), Adonis tem que deixar algumas características de lado para evoluir. “Adonis é muito egoísta”, pontua Jordan. Por isso o filho de Apollo Creed (Carl Weathers) terá que enfrentar seus demônios dentro e fora dos ringues.

Divulgação
"Creed II"

“Masculinidade é importante, mas a forma como as pessoas veem masculinidade pode não ser o caso. No filme nós queríamos explorar isso, o que significa ser homem. Não significa que você não pode chorar, não significa que não pode admitir que está errado, ou ter amor e ser vulnerável emocionalmente”, explica Jordan.

Leia também: "A gente se bateu bastante", diz Michael B. Jordan sobre realismo em "Creed II"

E de fato a continuação de “Creed” foca muito mais nessa jornada de Adonis por entender o que é a masculinidade, e ganhar ou perder é tão somente consequência disso. Mas os outros personagens masculinos também enfrentam seus demônios. Rocky (Sylvester Stallone) se vê sozinho e repensando escolhas que fez em sua vida, enquanto Viktor Drago (Florian Munteanu) tenta alcançar as expectativas de seu pai.

Você viu?

“Esse filme mostra que até os caras ‘fortões’ podem chorar. E está tudo bem lidar com as suas emoções. Ser durão e manter as emoções para si mesmo não é sempre a melhor saída. Todos somos seres-humanos e temos coisas que nos importamos”, comenta Munteanu.

O lutador de boxe enfrenta seu primeiro papel no cinema e não decepciona. Viktor é de poucas palavras, mas Munteanu transmite muito com o olhar. Ele conta que passou cerca de três meses se preparando para o papel e nesse tempo pode se aproximar de Jordan. “Trocamos informações diariamente sobre tudo – não só sobre boxe e sobre atuação, mas sobre a vida em geral. O filme é tão pessoal e sobre família, queríamos aprender um com o outro”, conta.

Os dois, inclusive, são só elogios: “O que me impressionou no Flo é que ele chegou muito humilde e trabalhando duro”, comenta Jordan. Na preparação para o filme, Jordan teve que ganhar massa, enquanto Florian teve que emagrecer para, segundo Michael, a diferença de tamanho entre eles não ser “muito louca”.

Novos caminhos em “Creed II”

Steven Caple Jr. assumiu a direção em
Divulgação
Steven Caple Jr. assumiu a direção em "Creed II"

Michael B. Jordan também falou sobre a mudança de direção e como isso afetou a sequência. O primeiro filme foi dirigido por Ryan Coogler (“Pantera Negra”), com quem o ator tem uma frutífera parceria. Na sequência ele serve como produtor executivo, enquanto Steven Caple Jr. assume a direção.

Tessa Thompson conta que, assim como Ryan, Steven é um diretor muito colaborativo. Responsável pelo papel principal feminino, Thompson poderia ficar à sombra de Adonis e do conflito do ringue, mas isso não acontece. “Nós pensamos em como a Bianca tem integridade, como lutamos contra essa masculinidade tóxica”, conta.

Já Michael credita os conflitos emocionais aprofundados a Steven: “Ele conta história de uma forma muito pessoal. Ele prestou atenção nos filmes do ‘Rocky’, mas também em ‘Creed I’, onde esses relacionamentos estavam e como construir a história em cima disso e descobrir para onde ir”, comenta.

Leia também: Warner aposta em produções ecléticas e astros simpáticos em painel na CCXP 2018

E Steven conseguiu fazer um filme autoral, que faz jus ao primeiro, mas segue sua história sem medo de testar os personagens e descobrir quais são seus limites em “ Creed II”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários