Tamanho do texto

Embora os painéis sejam a maior atração da CCXP 2018, cresce percentual do público que vai a feira com foco em programação alternativa

A cada ano, os estúdios se esforçam para trazer mais conteúdos inéditos e artistas internacionais para seus painéis - que, na CCXP 2018, chegaram a ter filas formadas com 24h de antecedência.  Apesar disso, cresce o público que não se interessa por esse tipo de conteúdo.

Leia também: CCXP 2018 reserva mais espaço para quadrinistas brasileiros

CCXP 2018
CCXP/ Marcelo Paixão
CCXP 2018

São muitos os estandes com ativações, painéis menores nos auditórios Prime e Ultra (e sem as filas do auditório Cinemark ), além dos produtos exclusivos e dos descontos imperdíveis. Ou então, das experiências que só a CCXP 2018 pôde proporcionar.

Leia também: Sob gritos do início ao fim do painel, "Stranger Things" fecha a CCXP 2018

É esse o caso do empreendedor geek Rui Fonseca, de 46 anos. Pela primeira vez na CCXP, ele foi conhecer as novidades do setor com a filha e aproveitou para fazer uma tatuagem geek: sua primeira! “Estou aqui com a minha filha, de 19 anos, e estamos fazendo essa tatuagem juntos. É a minha primeira tatuagem da vida, eu sempre tive vontade. E não tem lugar melhor para fazer uma tatuagem geek que o maior evento geek , não é? Eu estou em completo êxtase”, contou.

Fonseca também contou que veio de Cuiabá e investiu no pacote CCXP Unlock - o segundo pacote mais caro do evento - para ter o máximo de experiências possíveis - mas não se preocupou em reservar um tempo para os grandes painéis.

CCXP para toda a família

Famílias se divertiram na CCXP 2018
CCXP/ Gilberto Dutra
Famílias se divertiram na CCXP 2018

Outro aspecto que chamou a atenção nesta edição do maior evento geek da América Latina foi a presença maior de famílias. Pais com crianças pequenas, grupos familiares, tios e sobrinhos... E não faltaram opções de entretenimento para essa garotada.

Joice Faria, de 36 anos, levou seu filho de cinco anos para visitar a feira e conhecer o universo geek. De acordo com ela, a demora das filas foi um fator determinante para que ela ficasse longe do auditório Cinemark em sua primeira vez no evento. Porém, não acredita que isso tenha atrapalhado sua visita. “Eu tinha muito receio de que não tivesse muito que meu filho pudesse fazer aqui, mas tem várias atividades, vale muito a pena trazer criança na CCXP e, com tantas ativações, a gente nem sente falta de assistir aos painéis mais concorridos”, revelou.

A ideia de que a CCXP 2018 não se resumiu aos painéis mais badalados foi bem difundida pelo público. É o que os primos Carlos Leschot, de 22 anos, Gabriel Cantadeiro, 22, e Murilo Calil, 15, relataram. Junto com a tia, Cintia Cantadeiro, de 45 anos, eles foram curtir a feira pela primeira vez e se empolgaram com as promoções, com os estandes cheios de ativações e locações para fotografias.

Leia também: Warner aposta em produções ecléticas e astros simpáticos em painel na CCXP 2018

“Nós tivemos que fazer uma escolha, e escolhemos otimizar o nosso tempo. A CCXP 2018 não se resume ao auditório. Quando você fica na fila por muito tempo, você perde a oportunidade de encontrar adereços, tirar fotos, fazer compras de artigos exclusivos... Nós gostamos de feiras, de andar, de explorar. Quando decidimos vir na CCXP, não pensamos em ficar nas filas. Viemos para conhecer e, quem sabe, vamos nos planejar para assistir algum painel no ano que vem”, explicou Gabriel, dando o tom de quem visitou a feira este ano: muito mais interessado em ver, explorar e ter experiências do que assistir a painéis, sentado no auditório após muitas horas em uma fila.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.