Tamanho do texto

Globo apostou pesado na divulgação de sua plataforma de streaming, o Globoplay, e viu a Netflix ter um ano abaixo das expectativas na CCXP

Um dos aspectos mais interessantes da CCXP 2018 foi o embate travado entre a Netflix, empresa de entretenimento de maior valor de mercado no mundo, e a Globo , a gigante do mercado brasileiro que tenta antagonizar com a americana no ascendente mercado de streaming no contexto brasileiro.

As protagonistas de
Reprodução/Instagram
As protagonistas de "Aruanas": Débora Falabella, Taís Araújo, Leandra leal e Camila Pitanga na CCXP 2018

Leia também:  Globo investe na CCXP 2018 e leva "Ilha de Ferro" como carro-chefe para o evento

Parceira do evento desde o princípio, a Netflix teve quatro painéis no principal auditório da feira – recorde nesta e em todas as edições prévias – e uma programação de gala na  CCXP 2018  que contou com a presença de astros internacionais como  Sandra Bullock  e parte do elenco mirim de “Stranger Things”.

A Globo , que em 2016 e 2017 apostou no elenco com alguma ênfase encarou a Comic-Con como ponto nevrálgico de sua estratégia de comunicação em 2018. Espalhou por toda a feira diversos painéis em todos os dias de programação – fazendo da novidade Creators Stage (um palco para influenciadores e criadores de conteúdo) seu quintal no evento. A empresa investiu pesado no  Globoplay , cujo imponente estande ocupava a mesma área nobre do da Netflix, e era conceitualmente vistoso – tinha um helicóptero em tamanho real entre outras boas atrações.

Sandra Bullock marcou presença na CCXP 2018
Divulgação/Netflix
Sandra Bullock marcou presença na CCXP 2018

Leia também: CCXP 2018 mostra que há espaço para convenção crescer e melhorar no futuro

Em matéria de estande, porém, apesar do investimento e sofisticação, o espaço da Globo não foi tão concorrido quanto o da Netflix, apesar da boa estratégia de comunicação da empresa que levou astros como Cauã Reymond, Taís Araújo, Camila Pitanga, Tatá Werneck, Paulo Gustavo, Luan Santana e Daniel de Oliveira para lá durante os dias de feira.

Em matéria de painéis e conteúdo, todavia, a Globo foi eloquente. O Globoplay demonstrou que tem cauda suficiente para incomodar a Netflix no âmbito nacional e séries como “Aruanas” e “Shippados”, com painéis programados para o Auditório Cinemark e o Creators Stage respectivamente, demonstram que a Globo também domina seus algoritmos. Talvez por isso o anúncio no domingo de que “Minha Mãe é uma Peça” ganha série exclusiva na plataforma em 2019.

Netflix na CCXP 2018
Divulgação
Netflix na CCXP 2018

Leia também: Com painéis disputados, CCXP 2018 vê público investir em programação alternativa

Não é possível fazer uma relação imediata, mas se a Netflix deixou a desejar no evento em 2018 – a exibição de “Bird Box”, por exemplo, se provou um equívoco já que a distopia estrelada por Sandra Bullock não é o filme espetáculo que um evento como a Comic-Com pede – a Globo mostrou estar no caminho certo para fazer frente à gigante do streaming no incipiente mercado brasileiro. A  CCXP 2018  foi apenas um campo de batalha e essa guerra está longe do fim.