Tamanho do texto

A cantora paulista está lançando o seu quinto álbum, esse de forma totalmente independente com temas fortes sobre inclusão e respeito

Para muitos artistas, lançar um álbum independente requer maturidade e responsibilidade, características que Ana Cañas reconhece que foi desenvolvendo ao longo da carreira para que pudesse lançar o seu novo trabalho, " TODXS ". Ao lado de Thiago Barromeu, a cantora produziu um disco digital totalmente livre das amarras de gravadoras e empresários, marcado por mensagens de cunho social, à favor da liberdade, amor e respeito ao próximo.

Leia também: Leoni apoia posicionamento político de artistas e critica conivência do silêncio

Ana Cañas lança seu novo álbum
Jose de Holanda
Ana Cañas lança seu novo álbum "TODXS", com o objetivo de passar a mensagem de liberdade, amor e respeito ao próximo


Ana Cañas , que no fim de 2017 lançou o single  Respeita , afirmando cada vez mais a sua voz à favor da luta das minorias, mulheres, causas LGBTQ+ e outras questões sociais, voltou mais madura, observação feita também pela própria artista, para lançar um álbum "franco e sincerão", sendo espelho de diversos temas vividos e discutidos pelo País. 

Ana Cañas fala sobre o seu novo álbum,
José de holanda/divulgação
Ana Cañas fala sobre o seu novo álbum, "TODXS"

"É um disco independente pelas circunstâncias das falas, de falar abertamente do feminismo, LGBTfobia, legalização da maconha e outros. Eu não estava muito a fim de pedir a opinião de gravadora, é um disco franco e sincerão. E também calhou de eu também não estar mais trabalhando com gravadoras - mas já tive boas parcerias com a Sony e a Som Livre", fala.

Ana também cita que atualmente é difícil ver gravadoras que se proprõem a fazer discos relevantes como o seu disco "TODXS". "O momento que estamos vivendo no País, com um presidente eleito com discurso fascista, é difícil ver discos relevantes feitos por gravadoras", opina. 

Leia também: Ana Cañas encerra turnê e revela novo álbum para segundo semestre de 2018

A canção  Todxs , faixa-título do  álbum , com a presença do rapper Sombra (SNJ) dividindo os vocais da música, teve o seu clipe gravado pelas ruas da capital paulista e dirigido pelo coletivo Farpa, com pessoas de diversos gêneros, idades e raças sendo convidada pela cantora e sua equipe, representando com profundidade a proposta do seu novo trabalho.

Cena do clipe 'TODXS', da cantora Ana Cañas
Reprodução/Youtube
Cena do clipe 'TODXS', da cantora Ana Cañas


"Essa música traz esse lugar de afeto como resistência, o que eu vejo muito na cidade de São Paulo, em lugares como o Centro, Bexiga, República e outros bairros. São pessoas negras, trans, bi, mulheres, que são caracterizados pela repressão. Eu acho importante dar e abraçar a representatividade para as minorias", conta. 

Capa do novo álbum da cantora Ana Cañas
Reprodução/Instagram
Capa do novo álbum da cantora Ana Cañas

Para a inspiração da capa, que tem uma cobra raivosa no meio das pernas de uma pessoa, Ana conta que a ideia é afrontar a cultura do patriarcado, o silenciamento da fala feminina, a cultura do estupro e também provocar o lugar de enfrentamento da voz e do corpo feminino. 

Ana Cañas reflete sobre a exposição de ideias nas redes sociais

Fortemente ativa nas redes sociais durante as eleições presidenciais, Ana Cañas demostrou publicamente o seu posicionamento político. Questionada sobre essa exposição, a artista citou uma frase da cantora negra Nina Simone e refletiu sobre a sua posição como artista. 

"Eu não posso ser uma artista e não refletir o meu tempo. Não é uma crítica para quem não está militando, mas eu senti a necessidade de não ser mais uma espectadora, como artista eu me vejo na obrigação de me posicionar. Em relação ao meu trabalho, no começo teve uma reação bem violenta, diversas pessoas deixaram de me seguir nas redes, mas no final foi positivo", conta Ana Cañas. 

Ana Cañas fala sobre empoderamento feminino
Reprodução/Instagram
Ana Cañas fala sobre empoderamento feminino

Sobre a exposição do seu corpo na web, Ana, que em agosto postou em seu perfil no Instagram um foto totalmente nua, observou que o clique levantou uma discussão envolvendo movimentos feministas que a fizeram refletir que a nudez não é empoderamento feminino, mas sim pessoal.

"Eu tive um aprendizado em torno de um nu que envolviam militantes femininas. A discussão que foi gerada em torno dessa foto é porque nudez não é empoderamento, então houve diversas mulheres falando sobre isso", conta. 

Em complemento, Ana Cañas define o feminismo como um empoderamento que se dá sobre a horizontalização ou coletividade do discurso, sendo a nudez de nível pessoal - algo que aprendeu após conversas com outras mulheres.

Conquista de um novo público e projeções futuras

A artista reconhece que pelo trabalho que vem fazendo nos últimos dois anos começou a atrair outro tipo de público, mas também de forma natural que poderá apreciar o seu novo álbum. "É um público que denfende a minoria, o amor e suas formas livres. Não acredito que uma pessoa racista e misógina vai gostar desse disco", em complemento citanto que a principal mensagem do seu novo álbum "TODXS" é liberdade, respeito e amor ao próximo. 

Leia também: Banda Titãs lança ópera rock e defende liberdade de silenciar na política

Por fim, Ana Cañas enxerga para o próximo ano um clima de instabilidade dos produtores culturais que fomentam a cultura no País, mas que isso não será um impedimento. "Eu vou ficar na resistência, nos espaços que podemos cantar as nossas ideias de forma livre. Espero que isso aconteça, não quero que vivamos num AI-5 (ato institucinal de censura criado durante a Ditadura Militar do Brasil em 1968). Cantarei o que eu acredito, democracia acima de tudo e espero que continue viva", finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.