Tamanho do texto

Cantor, que comemora trinta anos de carreira com show em São Paulo, comenta em entrevista ao iG Gente sobre momento turbulento do País

Com show marcado para esta quinta (18), em São Paulo, no Teatro Opus, o cantor Leoni, um dos fundadores das tradicionais bandas de rock Kid Abelha e Heróis da Resistência, está comemorando seus trinta anos de carrreira mergulhado em diversos sucessos como Exagerado Garotos II e A Fórmula do Amor  como também no atual momento político do País. Em seu perfil nas redes sociais, o artista faz questão de se posicionar fortemente contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e à favor de Fernando Haddad (PT). 

Leia também: Nem direita, nem esquerda! O rock é um movimento de resistência

Cantor Leoni fala sobre os trinta anos de carreira e o atual momento político do país
Reprodução/Instagram
Cantor Leoni fala sobre os trinta anos de carreira e o atual momento político do país





O sucesso trilhado dentro da indústria musical é visto por Leoni como um privilégio, de ter uma carreira tão extensa e longeva, que começou lá nos anos 80, além de conquistar um novo público que vem da internet e admira o seu trabalho. Essa trajetória é colocada em xeque nas vezes em que o cantor usa o seu perfil nas redes sociais para se posicionar publicamente sobre as eleições 2018 , que segundo o mesmo, é mais relevante do que o silêncio. 

"Não se manifestar também é uma forma de se envolver, de uma forma menos participativa. O silêncio nesse caso é eloquente. Normalmente quem não dá opinião política está satisfeiro com qualquer resultado. Muita gente vai deixar de te acompanhar e vice versa, é um risco que o artista corre", em complemento dizendo que não participa do debate político como foco para ganhos em carreira. "Eu participo porque sou um cidadão. No momento atual, acho fundamental as pessoas que estão no campo democrático rejeitarem qualquer projeto fascista". 

Cantor Leoni marca presença em ato à favor da vereadora assassinada Marielle Franco
Reprodução/Instagram
Cantor Leoni marca presença em ato à favor da vereadora assassinada Marielle Franco


Questionado sobre a polarização de pensamentos que o Brasil está vivendo atualmente, o cantor observa que o mundo e a política são elementos muito complexos, porém levantar o questionamento e rever suas posições ainda é algo positivo. "Acho muito ruim.  A dúvida é muito mais interessante do que as certezas, É preciso rever conceitos e também criticar a sua bolha. É muito empobrecedor conversar usando memes e bordões, é muito triste", fala. 

Leia também: Famosas aderem campanha anti-Bolsonaro na web e se manifestam contra o candidato

Leoni e as parcerias de sucesso

Por tantos sucessos e parcerias ao longo do caminho, escolher alguém em específico é indevido para quem teve ao lado grandes nomes da música brasileira como Cazuza, Ney Matogrosso e Léo Jaime, com o qual lançou novamente a música Uniformes , em uma nova versão, essa lançada em 1985 com o Kid Abelha, mas que segundo o cantor, representa o atual momento político do País. 

"Tenho diversos parceiros marcantes. O Léo Jaime, nós compomos juntos desde então, trabalhamos juntos de novo agora em Fórmula do Amor 2 . Eu compus com pessoas que admirava muito, como o Ivan Lins. Então varia muito, tenho diversos parceiros".

Atualmente trabalhando ao lado de Frejat, com quem compôs a trilha sonora para o filme "Intimidade Entre Estranhos" e Zelia Duncan, o artista também se propôs a compor juntamente com poetas, expandido o seu universo. 

A música na nova era digital 

Cantor Leoni tocando ao lado do seu filho Antônio Leoni e Léo Jaime
Reprodução
Cantor Leoni tocando ao lado do seu filho Antônio Leoni e Léo Jaime

Além das eleições 2018 e a política, Leoni está a par dos novos tipos de consumo dentro da indústria musical, onde as plataformas de streaming têm tomado cada vez mais espaço na vida das pessoas.

Diante desse cenário, expande também o seu olhar sobre como os atuais estilos musicais são apresentados, o que antes, segundo ele, era o papel da própria indústria, e hoje, cabe tanto ao artista como à internet dissipar os novos estilos. 

"O público hoje em dia tem muito mais formas de chegar até a música do que nos anos 80. Antes, a indústria determinava o que a gente ia ouvir, quem ia ser o artista do momento e no máximo apenas 100 pessoas poderiam ter uma carreira musical", observa antes de acrescentar que hoje qualquer um pode se lançar no mercado, devido as plataformas, mas o reconhecimento e a estruturação de uma carreira sólida e extensa é mais difícil. 

Leia também: Famosos engajados na campanha pró-haddad nas redes sociais

Com seu último álbum, "Notícias de mim" (2015), sendo financiado por seus fãs através do financiamento coletivo Catarse, lançar um novo CD não está nos projetos do cantor, que observa o alto investimento para o projeto e um retorno baixo. Sem pretender lançar nenhum projeto de estúdio, Leoni está buscando investir em novas saídas usando os recusos das plataformas digitais para continuar em cena. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.