Tamanho do texto

O segundo longa da franquia que precede os filmes de Harry Potter estreia nesta quinta-feira (15) nos cinemas brasileiros; leia a crítica do iG abaixo

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” começa com a fuga espetacular, e engendrada com alguma facilidade, de Gellert Grindelwald ( Johnny Depp ), durante sua transferência do ministério da magia norte-americano, onde estava detido desde o final do primeiro filme, para responder por seus crimes na Europa. É uma cena visualmente empolgante e que entrega que este é um filme, para o bem e para o mal, de Johnny Depp.

Leia também:Johnny Depp vive nova renascença como Grindelwald em "Animais Fantásticos"

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”
Divulgação
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

O segundo longa da franquia que precede os eventos de  Harry Potter  tem como grande objetivo ensejar a relação turbulenta e cheia de reminiscências entre Albus Dumblendore, que agora ganha os préstimos de Jude Law como ator, e Grindelwald, que prega a supremacia bruxa sobre os trouxas.  “ Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ” mostra como esse discurso começa a ganhar propulsão.

Leia também: Clima sombrio e personagem surpresa no trailer final de "Animais Fantásticos 2"

O longa-metragem não tem uma história fechada e é longo demais para o que apresenta, o que deve incomodar espectadores ocasionais, mas o retorno a Hogwarts, diversos easter eggs, e algumas reviravoltas capazes de abalar as estruturas do mundo bruxo e repercutir até mesmo na percepção sobre os personagens de Harry Potter devem garantir a satisfação do fã, ainda que alguns hardcore possam ficar hesitantes diante de possíveis mudanças cataclísmicas na cronologia da saga.

A evolução de J.K Rowling

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”
Divulgação
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

Depois de estrear como roteirista para cinema no primeiro filme, J.K Rowling demonstra notável evolução no ofício, mas o desenvolvimento dos conflitos e soluções ainda desponta literário demais e ela notavelmente tem problemas para escrever um filme que se resolva sozinho. No entanto, há mais capricho no desenho dos principais antagonistas da série e um zelo maior pela participação dos tais animais fantásticos, que deixam de serem apetrechos exóticos do mundo mágico para se inserirem mais diretamente no fluxo da trama.

Os Crimes de Grindelwald

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”
Divulgação
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

A direção de David Yates, no comando de seu sexto filme do universo Harry Potter, é protocolar demais, não que isso enseje em um filme visualmente decepcionante, mas ele parece conformado com o fato do show pertencer a Rowling. Como o cinema é a mídia do diretor, isso gera evidentemente um descompasso que contribui para que o longa não seja memorável.

Leia também: J.K. Rowling processa ex-funcionária por compras inusitadas com seu dinheiro

Quem realmente sai por cima da carne seca nessa história toda é Johnny Depp. O ator surge revigorado como Grindelwald e consciente de que pode redefinir sua carreira depois da decadência longa e venenosa que experimentou desde que Jack Sparrow entrou em sua vida.

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ” funciona perfeitamente para os fãs e, nesse sentido, é um filme autossuficiente. Rowling sabe do que precisa para manter seu império reluzente e não se preocupa em operar dentro dessas margens. Criticar isso como se fosse algo essencialmente negativo é extrapolar os pressupostos da crítica e aderir à implicância. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.