Tamanho do texto

Cantor voltou a fazer manifestação contrária à diversos políticos, mas fez referência a uma censura de conteúdo após primeiro show polêmico; veja

Depois de  polêmico show na noite da última terça-feira (09), Roger Waters voltou ao Allianz Parque, em São Paulo, para segundo show programa na cidade. Na apresentação, o cantor voltou a fazer sua manifestação contrária à diversos políticos, como no dia anterior.

Roger Waters troca nome de Bolsonaro em show marcado por protestos
Reprodução/Twitter
Roger Waters troca nome de Bolsonaro em show marcado por protestos


O presidenciável Jair Bolsonaro estava de novo entre eles, mas dessa vez, houve uma referência a uma censura de conteúdo do show de Roger Waters , sem determinar o suposto censor.

Entre as diversas frases exibidas em um telão, apareceu a mesma lista de nomes de políticos exibidas na noite de terça. Incluía-se o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a advogada Marine Le Pan, candidata nas últimas eleições na França, mas no lugar onde no primeiro show estava o nome de Bolsonaro, apareceu uma tarja com a frase: "ponto de vista político censurado". A tarja sumia por alguns segundos e o público via o nome de Bolsonaro.

Nesse momento, um caro com "ele não" foi ouvido no Allianz Parque, assim como algumas vaias. Em resposta à manifestação contra o candidato, um grupo cantou "Ei, Lula, vai tomar no c*".

Leia também: Após romper com a mãe, Kéfera desabafa e chora com resultado das eleições 2018

Waters cantou Another Brick in The Wall novamente acompanhado por crianças vestidas com a camiseta com a seguinte frase: "resist", que significa resista em português. Depois da música, começaram coros contra Bolsonaro, até que o cantor saiu do palco e o telão exibiu mensagens: "Resista a Mark Zuckerberg", "Resista ao lixo despejado nos oceanos", "resista ao neofascismo", “resista àqueles que lucram com as guerras”.

Trump voltou a ser alvo de Waters, que fez referência a várias pérolas ditas pelo presidente americano, entre elas “ninguém constrói muros melhor do que eu”. A sequência foi encerrada com a frase “Trump é um porco", com a canção Pigs. Um porco inflável gigante rondou a arena sobre a cabeça dos espectadores, com a frase “mantenham-se humanos”. 

Roger Waters recua

Telão já no fim do show de Roger Waters
Reprodução/Twitter
Telão já no fim do show de Roger Waters


Leia também: Nem direita, nem esquerda! O rock é um movimento de resistência

Mesmo com o protesto contra Jair Bolsonaro, Roger Waters não exibiu no telão a frase "Ele não", que marcou o movimento contra o candidato, mas, quase no fim do show o telão mostrou: "Nem foden**".






    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.