Tamanho do texto

Cantor se apresentou em São Paulo na noite da última terça-feira (08) e fez duras críticas ao candidato a presidência da república no Brasil; confira

Roger Waters se apresentou na noite da última terça-feira (08) no Allianz Parque, em São Paulo, para um público de 45,5 mil pessoas no início de sua turnê "Us + Them" no Brasil.

Leia também: Jogo com Bolsonaro tem como objetivo exterminar feministas, gays e negros

Show de Roger Waters em São Paulo é marcado por críticas políticas
Reprodução/Twitter
Show de Roger Waters em São Paulo é marcado por críticas políticas


O show foi dominado por clássicos do Pink Floyd, banda que já foi liderada por Roger Waters , com 80% de ser repértório, mas o que mais chamou atenção na noite foi a crítica política que o cantor, que é conhecido por seus posicionamentos políticos, fez durante sua apresenção.

Em meio ao show, Roger criticou o candidado a presidência da repúplica, Jair Bolsonaro (PSL), que disputa o segundo turno dessas eleições com Fernando Haddar (PT), e foi respondido tanto com aplausos quanto com vaias pelo público presente na Arena.

Leia também: Cobertura das eleições na TV tem espaço inédito para discussão de propostas

No disco mais recente dele, "Is This the Life We Really Want", as músicas The last refugee e Picture that , que tocaram no show, tiveram um cenário pessimista do mundo pintado durante sua apresentação. O presidente dos Estadus Unidos, Donald Trump, foi alvo desde o início da turnê. Durante Pigs , o telão mostra em português: "Donald Trump é um porco". Já em Money , segue na crítica a Trump e também mostra líderes europeus como Theresa May e Emmanuel Macron.

Algum tempo, após a música  Another brick in the wall , um coral de crianças com camisas escritas "resist", resista em português aparece em mais uma crítica política. O telão mostra coisas que o cantor pede para os fãs resistam: anti-semitismo, destruição do meio ambiente, tortura e outros.

Em uma dessas frases, aparecia "resista ao neofascisto". Depois, o telão dizia que o neofascismo está crescendo pelo mundo, e listava políticos de vários países, entre eles, Bolsonaro.

Mesmo antes do nome do candidato aparecer no telão, o público já havia reagido à palavra "resistir". Uma parte do público cantou duas vezez "ele não", contra Bolsonaro. Depois, uma parte fez o coro de "Fora PT", partido opositor ao de Jair Bolsonaro nessas eleições.

Só depois disso apareceu a tela sobre o neofascismo com o nome de Bolsonaro, fazendo com que o público reagisse com grupos, aplausos e vaias e mais um coro de "Fora PT". 

#EleNão no telão de Roger Waters

Roger Waters criticou Jair Bolsonaro em seu show
Reprodução/Twitter
Roger Waters criticou Jair Bolsonaro em seu show


Leia também: As manifestações dos famosos após resultado do 1º turno das eleições

Já no final do show, depois da música Eclipse, o telão exibiu a hashtag #EleNão, usada nas redes sociais para criticar Bolsonaro. O público respondeu com um longo tempo de vaias e aplausos e Roger Waters encarou a plateia para conseguir fazer um agradecimento. 







    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.