Tamanho do texto

Quarto ano da antologia britânica estreia na Netflix nesta sexta-feira (29). iG Gente já viu e destaca pontos altos dos novos episódios. Atenção aos spoilers

Cena do episódio
Divulgação
Cena do episódio "Hang The DJ", da quarta temporada de "Black Mirror"

A quarta temporada de “Black Mirror”, que estreia na Netflix nesta sexta-feira (29), é a mais equilibrada e diversificada do programa. É, ainda, aquela que apresenta o mais alto e refinado nível entre todas as temporadas. A série criada por Charlie Brooker se notabilizou por propor reflexões agudas a respeito de nossa relação com a tecnologia e as questões morais e ética relacionadas aos avanços científicos.

Leia também: Netflix começa 2018 com o pé direito com 3ª temporada de "Lovesick" e muito mais

A antologia britânica sempre foi cult, mas ganhou status pop depois que ganhou o mundo via Netflix, processo semelhante ao sofrido por “Breaking Bad”. A Netflix assumiu a produção de “Black Mirror” a partir de sua terceira temporada que apresentou os brilhantes e premiados episódios “San Junipero” e “White Christmas”, os dois mais bem avaliados pelos fãs do programa em sites agregadores. O quarto ano, porém, deve provocar alterações no topo das preferências dos fãs.

Leia também: As dez melhores séries novas da Netflix em 2017

Cena de
Divulgação
Cena de "Arkange", episódio dirigido por Jodie Foster

Os novos episódios promovem debates intensos e agudos. “Arkangel”, dirigido por Jodie Foster é nada menos do que sublime. A trama gira em torno de uma mãe, vivida pela excelente Rosemarie DeWitt, que implanta um chip em sua filha tão logo ela nasce. O tal do projeto Arkangel dá acesso irrestrito aos pais no cuidado dos filhos. É possível ver o que eles veem, monitorar pressão arterial, batimento cardíaco e até mesmo impedir que vejam sangue, pornografia e sintam medo. Um dos temas do episódio, portanto, diz respeito aos efeitos desse supercontrole. Para além das questões morais e éticas implícitas, “Arkangel” provoca um debate sobre os efeitos práticos da escolha dessa mãe e de como isso vai repercutir não só na filha dela, mas na relação entre elas e na percepção de mundo de ambas. A resolução é de tirar o fôlego e as reminiscências de “Arkangel” ficam com o expectador.

“Crocodile”

Cena de
Divulgação
Cena de "Crocodile"

Dirigido por John Hillcoat, de filmes como “A Estrada” (2009) e “A Proposta” (2005), o episódio estrelado pela ótima Andrea Riseborough mostra um futuro em que seguradoras conseguem fotografar as memórias das pessoas para reconstituir os acidentes. Riseborough faz uma mulher com algo a esconder, mas que se vê impelida a colaborar em uma investigação. O episódio encampa bons temas e a discussão é frontal e pouco polida. A despeito do inegável viés sci-fi, há um bom ritmo de thriller em “Crocodile” . O fatalismo é pesaroso, mas o episódio vislumbra uma maneira estranha de ser otimista.

Leia também: Elas estão com tudo! Mulheres roubam a cena nas séries da Marvel com a Netflix

“Uss Callister”

Cena de
Divulgação
Cena de "USS Callister", o melhor episódio da quarta temporada de Black Mirror

Este talvez seja o melhor episódio da melhor temporada da série. É uma sátira divertida de “Star Trek”, um estudo poderoso das perversões da mente humana e um olhar sobre os efeitos patológicos do bullying. Robert Daley (maravilhosamente interpretado por Jesse Plemons) é um sujeito brilhante, mas com pouco tato para vínculos sociais. Ele desenhou um jogo de realidade virtual, mas é seu sócio quem é CEO da empresa. É seu sócio quem é admirado pelos funcionários. A inveja de Daley, que é tratado como lacaio por praticamente todo mundo, é nítida. No entanto, ele criou em seu jogo Infinty, uma versão de Star Trek em que ele é o capitão Daley, um decalque do capitão Kirk de William Shtaner. Peito estufado, topete e confiança são características dessa versão de si mesmo.

Lá, ele aos poucos vai se revelando um tirano e descontando em versões de seus colegas recriadas a partir de coletas de DNA, toda a sua frustração. Dirigido por Toby Haynes, de “Sherlock” e “Doctor Who”, o episódio abre incontáveis possibilidades de reflexão para o espectador e é aquele que mais brilhantemente trabalha alguns dos principais fundamentos de “Black Mirror”: nossa capacidade de perverter avanços científicos e tecnológicos.

“Hang the DJ”

Cena de
Divulgação
Cena de "Hang the DJ"

Episódio menos tenso do ano, “Hang the DJ” pode ser descrito como uma reimaginação de “San Junipero”. Aqui, acompanhamos os protagonistas vividos por Georgina Campbell e Joe Cole pulando de romance em romance de acordo com os ditames de um aplicativo de relacionamentos que programa até mesmo o tempo que a relação vai durar. Novamente, questões como acaso e compatibilidade são filtradas pelo olhar que a tecnologia ocupa em nossa vida e o grau de confiabilidade que depositamos nela é posto mais uma vez em xeque.

“Metalhead”

Cena de
Divulgação
Cena de "MetalHead"

No episódio mais silencioso da temporada, uma explícita homenagem aos grandes filmes pós-apocalípticos como “Mad Max”. Filmado em preto e branco e dirigido por David Slade (“30 Dias de Noite”), o episódio coloca uma mulher fugindo de um droide que tem a forma de uma cabeça de metal e é incrivelmente letal. É o episódio mais fraco do ano, mas ainda assim bastante impactante. Na qualidade de exceção, confirma o excepcional quarto ano de “Black Mirror”.

“Black Museum”

Cena de
Divulgação
Cena de "Black Museum", último episódio da quarta temporada de Black Mirror

O maior episódio da temporada é um fan service por excelência. Enquanto recarrega a energia de seu carro, uma mulher entra em um museu de crimes cheio de histórias horripilantes. Uma espécie de “Black Mirror” físico e encrostado no deserto. Há histórias como a do médico que a partir de um dispositivo neural podia sentir a dor de seus pacientes e acabou ficando viciado em dor e se comportando como um drogado e da mulher em coma que é transportada para dentro do marido – o que acaba precipitando um divórcio. É um episódio peculiar. Horror e humor são muitíssimo bem conjugados e permitem que o quarto ano de “Black Mirror” se encerre na mais alta escala.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.