Tamanho do texto

Foi um ano intenso para os amantes de séries e o iG Gente listou o que de melhor chegou às telas e telinhas no ano. Há quatro novas séries no ranking

Não foi um ano de grandes séries como se anunciava, ainda que as opções tenham sido vastas e inesgotáveis. O ano de 2017 trouxe o retorno de David Lynch à TV, viu a continuidade do fenômeno “Game of Thrones” que se caminha para o fim e promoveu um sem número de estreias. Algumas entraram para a nossa lista de melhores do ano que garantiu o retorno de algumas produções que já tinham dado as caras no ranking de 2016 .

Não há séries brasileiras na lista das melhores de 2017 do iG Gente . São quatro produções novas e três listadas em 2016 que se mantiveram no ranking que tem na décima posição a primeira colocada de 2016. Confira a lista!

Leia também: Saudades de “Game of Thrones”? 10 séries para assistir enquanto GoT não volta

10 - “Game of Thrones” (7ª temporada)

Jon Snow (Kit Harington) e Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) viraram um casal em
Divulgação
Jon Snow (Kit Harington) e Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) viraram um casal em "Game of Thrones"

A série mais hypada de todos os tempos não apresentou o nível de excelência que acostumou o público. A queda da primeira para a décima posição em nossa lista deixa isso bem claro. Mas a criação de David Benioff e D.B Weiss ainda reúne predicados suficientes para se manter por aqui. A escala épica da produção parece maior do que nunca à medida que os conflitos cultivados ao longo de sete temporadas caminham para uma resolução. Os efeitos especiais e o drama se alinham como jamais visto na TV.

9 – “The Young Pope” (1ª temporada)

Jude Law em cena de The Young Pope
Divulgação
Jude Law em cena de The Young Pope

Paolo Sorrentino alinhava uma narrativa que bifurca política e religião com intriga e ambição. “The Young Pope” é um primor por muitas razões, mas a excelência técnica combinada com a destreza das atuações e a inteligência dos diálogos coloca a série exibida por aqui pelo FOX Premium entre as grandes realizações do ano.

Leia também: Jude Law é papa jovem, centralizador e com a fé na berlinda em "The Young Pope"

8 - “The Deuce” (1ª temporada)

Cena de
Divulgação
Cena de "The Deuce", série criada por David Simon que foi um dos highlights de 2017

David Simon, criador da cultuada e premiada “The Wire” retornou com outra joia à HBO neste ano. “The Deuce” se ocupa do contexto social e cultural da Nova York dos anos 70 que viu a ebulição da indústria pornográfica. A primeira temporada encontra os personagens na rua. As relações com a máfia, as prostitutas e os cafetões, a engendragem do sexo enquanto matéria-prima para se fazer dinheiro. Muitíssimo bem realizada, da direção de arte à música, a série conta com James Franco, que vive dois personagens, mandando bem também na direção.

Leia também: Ascensão da pornografia no Brasil e nos EUA ganha destaque em séries da HBO

7- “American Gods” (1ª temporada)

Wednesday e Shadow no inesperado (?) encontro no 1º episódio de American Gods
Divulgação
Wednesday e Shadow no inesperado (?) encontro no 1º episódio de American Gods

Bryan Fuller é um dos grandes nomes da TV Americana hoje. Produtor de séries como “Hannibal” e “Pushing Daises”, ele chamou para si a responsabilidade de dar vida no audiovisual à obra icônica de Neil Gaiman. E “American Gods” é um deleite. Ian McShane como Mr.Wednesday é um assombro e tudo na trama respinga criatividade e originalidade. A notícia de que Fuller está fora do 2º ano em virtude de divergências com o canal Starz – no Brasil a série é exibida pela Amazon – inspira preocupação.

Leia também: Criativa e inteligente, "American Gods" é pop sem ser vulgar

6 -  “Insecure” (2ª temporada)

Cena do 2º ano de
Divulgação
Cena do 2º ano de "Insecure"

A série criada por Issa Rae se manteve na nossa lista porque como nenhuma outra ostentou leveza e bom-humor no trato de angustias modernas. Não obstante a série manteve a boa curadoria na discussão de temas de natureza racial sem pesar a mão na correção política ou abraçar tendências de ocasião. Autêntica e inteligente, mas com muito coração, “Insecure” é um dos retratos mais fidedignos de como a tal geração Y leva a vida.

 5 – “Easy” (2ª temporada)

A segunda temporada de Easy já está disponível na Netflix
Divulgação
A segunda temporada de Easy já está disponível na Netflix

Outra série que se manteve na lista – e até na mesma posição. A antologia sobre relações modernas da Netflix voltou com ainda mais vigor e discutiu feminismo, sexo, paranoias ensejadas por avanços tecnológicos, vaidade, hipocrisia, entre outras coisas, com propriedade e assertividade.

Leia também: Feminismo, casamento aberto e hipocrisia social são temas do novo ano de "Easy"

4 - Twin Peaks (3ª temporada)

Cena da 3ª temporada de
Divulgação
Cena da 3ª temporada de "Twin Peaks"

O aguardado retorno de David Lynch à televisão valeu cada segundo. Surtada, inflexiva e frequentemente surpreendente, a tardia 3ª temporada “Twin Peaks” é a prova viva de que panela velha é que faz comida boa. Influente em muita coisa que veio depois, a série mostrou-se relevante e brindou os fãs com uma trama tão maluca e mesmerizante como fizera no passado. A singularidade de David Lynch sempre vale a pena.

3 - “The Leftovers” (3ª temporada)

Cena da temporada final de
Divulgação
Cena da temporada final de "The Leftovers"

“The Leftovers” está para a televisão americana como Platão está para a filosofia. A última temporada da produção criada por Damon Lindelof e Tom Perrota foi justamente a sua melhor. A vocação para reflexões de cunho filosófico sobre a existência humana nunca esteve tão bem talhada. Na série, 2% da população desaparecem abruptamente e isso provoca reações em todo o mundo. A inteligência com que essa mesma questão é trabalhada nas três temporadas é um alento. A temporada final manteve a melancolia característica da série e ofertou alguns dos melhores momentos da TV em 2017.

2-  “Big Little Lies” (1ª temporada)

Reprodução
"Big Little Lies" lidera indicações ao Globo de Ouro na categoria televisão

A quinta e mais bem colocada produção da HBO na lista tem conquistado todos os prêmios da temporada com merecimento. A minissérie convertida em série traz um elenco primoroso de atrizes – e alguns bons atores – para contar uma história feminina com ponto de vista feminino e cativa com muita honestidade e conflitos interessantes. A trama de assassinato atrapalha um pouco, mas não compromete.

1 -  “Narcos” (3ª temporada)

Pena mais protagonista do que nunca no terceiro ano de
Divulgação
Pena mais protagonista do que nunca no terceiro ano de "Narcos"

As chances da 3ª temporada de “Narcos” ser boa ou bem recebida não eram promissoras, mas a série soube se reinventar sem Wagner Moura e Pablo Escobar e na era do binge watching  entregou uma temporada coesa, cheia de ação e suspense, com personagens interessantíssimos e fez a audiência salivar enquanto devorava a temporada em um piscar de olhos. Foi o melhor ano da mais assistida produção da Netflix em 2017.  

    Leia tudo sobre: Game of Thrones
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.