Tamanho do texto

Filme estreia neste fim de semana em Salvador, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e em outras cidades do País. Confira a crítica

 “Deserto”, segundo longa-metragem dirigido por Jonas Cuarón , é uma parábola entristecida, mas incrivelmente tensa das relações entre Estados Unidos e México. Lançado nos Estados Unidos em 2015, o filme captura com algum brilhantismo a verve dessa América trumpista.

Leia também: Em “Depois daquela Montanha” a paixão é essencial para manter-se vivo

Jeffrey Dean Morgan em cena de
Divulgação
Jeffrey Dean Morgan em cena de "Deserto", novo filme de Jonas Cuarón

O longa-metragem acompanha Moises ( Gael García Bernal ) que junto a um grupo de pessoas, tenta atravessar a pé a fronteira do México com os Estados Unidos, buscando uma nova vida no Norte. No caminho eles se deparam com um solitário homem, Sam ( Jeffrey Dean Morgan ), que patrulha por sua própria conta a fronteira e se diverte em sua caça aos imigrantes. O deserto implacável é um personagem definitivo no filme que tem poucos diálogos e muita ação.

Leia também: Brutal e triste, “Terra Selvagem” emula cinema do passado para expor o presente

A figura de Morgan, que atualmente interpreta o vilão Negan de “The Walking Dead”, é intimidadora e sua obstinação em caçar imigrantes, inquietante. Ele tem ao seu lado um cão, um pastor belga incrivelmente letal, a quem chama de “rastreador”. Logo percebemos que aquilo não se trata apenas de esporte, mas de uma convicção ideológica ferrenha do personagem.

Leia também: “The Square” discute limites da arte com desembaraço e força criativa

Gael Garcia Bernal em cena de Deserto
Divulgação
Gael Garcia Bernal em cena de Deserto

Em muitos aspectos, o filme lembra “Encurralado” (1971), o clássico cult de Spielberg. A construção da tensão, do ambiente inóspito, por sua vez, se assemelha a “Gravidade”, ao qual Cuarón escreveu com seu irmão. As referências cinéfilas são muitas, mas “Deserto” tem força própria e propicia uma experiência perturbadora para a audiência que assiste atônita tanto o desejo de sobreviver desses heróis modernos que são os imigrantes, como a fúria cega daquele que deles se ressentem.

Leia também: Martin Scorsese sai em defesa de "mãe!" e faz duras críticas à Rotten Tomatoes

Sem grandes elaborações filosóficas, “Deserto” expõe o mundo de hoje com crueza e indefectível pessimismo. Um filme simples, potente, com dois bons atores e um comentário ruidoso das mazelas que preferimos ignorar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas