Tamanho do texto

Produção brasileira independente está na sua segunda temporada e agrega diversas influências em episódios que trafegam por distintos gêneros

“Uma ideia na cabeça e uma câmera na mão”. A frase célebre de Glauber Rocha segue dando frutos no Brasil e um deles merece ser descoberto por cinéfilos e entusiastas da ficção científica e está acessível no YouTube. Trata-se da websérie de antologia “Alameda Lacuna”, inspirada por produções como “Twilight Zone” e “Black Mirror” com cada episódio apresentando uma história com reviravoltas e elementos fantásticos.

Leia também: "mãe!" resgata paradigma do cinema como moderador do debate social

Direção de arte estilizada e direção aguda são marcas da websérie
Divulgação
Direção de arte estilizada e direção aguda são marcas da websérie

A segunda temporada de “Alameda Lacuna” estreou em 4 de outubro e os episódios são disponibilizados sempre às quartas-feiras na faixa das 20h.

Leia também: Família amaldiçoada tenta reverter má sorte com assalto em “Logan Lucky”

“É muito clichê falar isso, mas a principal diferença nessa segunda temporada é que ela é mais madura. As histórias são um pouco mais complexas, abordam temas mais complicados e também de forma mais grandiosa, mas ainda mantendo aquele estilo bizarro e até um pouco cômico da primeira”, observa Lucas Nascimento criador da série ao lado de Martha Assunção . O projeto é completamente independente e financiado pelos dois que resolveram apostar em uma produção de novos curtas-metragens após uma "brincadeira" de final de semana onde gravaram o primeiro episódio inteiro com amigos da faculdade Cásper Líbero em São Paulo.

Lucas Nascimento dirige um dos episódios de Alameda Lacuna
Divulgação
Lucas Nascimento dirige um dos episódios de Alameda Lacuna

A série surpreende quem espera algo amador. Texto e direção são pensados no sentido de otimizar os recursos escassos e “Alameda Lacuna” cativa pelo acabamento bem-feito e que transparece a paixão de todos os envolvidos pelo cinema.

Leia também: Brasileiras tratam sexo com liberdade em duas webséries imperdíveis

Para além da experimentação estética, a série denota as muitas influências de uma turma que consome cultura pop assiduamente. O primeiro episódio do novo ano, por exemplo, “Loveware”, indicado aos prêmios de direção e atriz em ação no Rio WebFest, festival dedicado a produções para internet e que traz competidores de todo o mundo, entrega o apreço de Lucas Nascimento, roteirista e diretor do episódio, por “Westworld”, série da HBO. De quebra, o episódio perpassa um tema caro à contemporaneidade que é o abuso nas relações amorosas.

Leia também: Tragicomédia: A era de Donald Trump por meio de dez charges

Robert Rodriguez e John Carpenter vêm à cabeça quando assistimos “A Pior Noite do Mundo”, segundo tomo do novo ano, que flagra um homem à procura de uma prostituta desaparecida.

O episódio de estreia do 2º  ano da série,
Divulgação
O episódio de estreia do 2º ano da série, "Loveware", concorre em um festival que premia conteúdo voltado para a internet

Narrativamente econômicos, como os curtas devem ser, os episódios deixam transparecer que integram um projeto em construção. Mas é nítida a evolução em relação ao primeiro ano. As escolhas visuais, da edição à direção de arte, denotam uma sofisticação que pareia com a ambição de quem vê em “Alameda Lacuna” apenas um ponto de partida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.