Tamanho do texto

Produção estreia nos cinemas brasileiros na próxima quinta-feira (17) e integra ótima safra nacional do cinema de gênero

Bruno Kott é um cinéfilo e essa qualidade é explicitada ao se assistir seu primeiro longa-metragem, “El Mate”, premiado no Festival de Gramado de 2016, e que estreia nos cinemas brasileiros no próximo dia 17 de agosto. De cara, é possível intuir que Quentin Tarantino é uma referência vívida na produção. Dos diálogos às intersecções inesperadas de violência, Kott se ampara em Tarantino como um fiel em uma bíblia.

Leia também: Vossa majestade, Nicole Kidman! Aos 50 anos, atriz vive melhor fase da carreira

Cena do filme El Mate, que estreia no Brasil no dia 17 de agosto
Divulgação
Cena do filme El Mate, que estreia no Brasil no dia 17 de agosto

A religiosidade, por sinal, é um ponto de partida para Kott em “El Mate” . Seu personagem, Fábio, é um missionário de uma igreja que bate à porta de uma casa no bairro do Bom Retiro em São Paulo.  Quem atende, ligeiramente impaciente, é Armando ( Fabio Marcoff ). Uma sucessão de mal entendidos faz com que Fábio seja obrigado a entrar na casa de Armando, que mantém um russo refém e está à espera de que venham coletá-lo. Armando é um assassino de aluguel e a noite está apenas começando.

Leia também: Sofia Coppola enobrece sua filmografia com "O Estranho que Nós Amamos"

O filme se esmera nos diálogos como ferramenta para a construção e manutenção da tensão. Mas a grande sacada de Kott é estruturar seu curto filme, cerca de 70 minutos, como uma comédia de erros. Nesse sentido, a dinâmica entre os dois atores – e são eles dois por praticamente todo o filme – é crucial para o cumprimento dos objetivos da realização. Armando e Fábio atravessam uma noite imprevisível e o espectador fica com eles instigado pelo estranhamento e cumplicidade que tonificam a relação daqueles personagens.

Leia também: Cinema de artesanato, “O Filme da Minha Vida” transborda beleza e afeto

O filme não ambiciona grandes inflexões sobre a existência, mas há uma cena memorável que tanto enuncia o amor de Kott pelo cinema, como justifica dramaticamente Armando e Fábio. Os dois, derrotados e passíveis, conversam sobre uma cena de “JVCD” (2008), um filme imaginativo estrelado pelo belga Jean-Claude Van Damme que carrega reflexões do astro sobre sua vida e carreira. É a cena testamento de “El Mate”. Uma cena que certamente deixaria Tarantino feliz.