Tamanho do texto

"Espero que os homens entendam que não há mais espaço para certa postura violenta e machista", observa a diretora Sandra Werneck ao iG

 Não há momento mais receptivo para “Mexeu Com Uma, Mexeu com Todas” do que o que vivemos. Com um volumoso debate em curso na sociedade e na mídia sobre feminismo e violência contra a mulher. A cultura e o comportamento machistas jamais foram tão intensamente problematizados. O filme de Sandra Werneck (“Cazuza – O Tempo Não Para” e “Sonhos Roubados”), portanto, se alinha ao zeitgeist do Brasil.

Leia também: Documentário sobre Maria Martins a destaca entre os maiores artistas brasileiros

Luiza Brunet e Maria da Penha em cena do documentário Mexeu com Uma Mexeu com Todas
Divulgação
Luiza Brunet e Maria da Penha em cena do documentário Mexeu com Uma Mexeu com Todas

“Mexeu Com Uma, Mexeu com Todas” abre com o depoimento de Joanna Maranhão. É uma abertura forte. Ela relata como foi abusada sexualmente na infância por seu instrutor de natação, alguém que tinha não só sua plena confiança, como a de sua família. Ao longo do filme ela discorre sobre os efeitos daquele trauma que ressoa ainda hoje.

Leia também: Violência doméstica explica diferença entre os casos Marcos Harter e José Mayer

Em entrevista ao iG , a diretora diz que Joanna entrou no filme por intermédio da editora da revista Marie Claire, que havia feito uma matéria com ela. Sandra confessa ter se surpreendido com a articulação de Joanna, a maneira bem elaborada como ela expôs seu drama e se autoanalisou perante a câmera. Aliás, todas as personagens se abriram sem temores. “Havia muito afeto, muita solidariedade”, observa.

Além de Joanna,  outras duas presenças ilustres no documentário são Luiza Brunet , que protagonizou um dos casos mais revereberantes de violência doméstica dos últimos meses a ganhar relevo no noticiário, e Maria da Penha Maia Fernandes, que serviu de inspiração e batiza a lei idealizada e aprovada para proteger mulheres de agressões e agressores em seu convívio mais íntimo.

“Contar com a Maria da Penha foi uma sorte minha”, celebra em tom nostálgico a diretora. “A minha fotógrafa veio participar de um debate perto da minha casa e com a presença da Maria da Penha e foi bom porque eu não teria dinheiro para ir à Recife ou onde quer que ela esteja morando agora”, desabafa Sandra.

Seu filme, que integra a programação do festival É Tudo Verdade , foi feio com cronograma e orçamento enxutos. O documentário estreia no canal Curta! em julho.  No que depender da cineasta, cujos últimos projetos têm se debruçado sobre o feminino, o filme deve contribuir para o debate em curso no País. “Eu gostaria que o Brasil inteiro visse”, ri. “Que as mulheres tenham coragem e discernimento para denunciar e os homens entendam que não há mais espaço para certa postura violenta e machista”.

Leia também: Figurinista da Globo dá detalhes de suposto assédio sexual de José Mayer

Cena do filme Mexeu com uma, Mexeu com Todas
Divulgação
Cena do filme Mexeu com uma, Mexeu com Todas

O filme entrecorta os depoimentos de suas personagens. Todas elas, de alguma maneira, vítimas da violência de um homem e vitimadas pelo ranço machista de uma sociedade que ainda não compreendeu de todo o debate que precisa elaborar. Em um dos melhores momentos do documentário, a escritora feminista Clara Averbuck salienta: “Eu não vou ver o mundo virar igualitário. E, para isso acontecer, é preciso mexer na construção da masculinidade, não adianta só o feminismo. Os homens precisam discutir o papel deles nestas questões porque essa masculinidade calcada em violência e dominação precisa ser banida”.

“Mexeu Com Uma, Mexeu Com Todas” é um filme com um ponto de vista muito forte. E é bom que seja assim. Esse cinema ativista calça bem o número do documentário e as personagens, afetadas em diferentes níveis por uma violência às vezes invisível, às vezes intermitente, e por vezes rápida e oca, se deixam flagrar com a generosidade que podemos intuir apenas como feminina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas