Tamanho do texto

Atriz falou com exclusividade ao iG sobre o filme que propõe uma experiência estética radical e uma bifurcação com a linguagem do teatro

O flerte entre cinema e teatro é contumaz e estimulado por grandes peças adaptadas para o cinema e grandes filmes que são reimaginados no teatro.  O hypado “La La Land” vai ganhar uma versão na Broadway e a magistral peça "Fences" ganhou o tratamento de cinema pelas mãos de Denzel Washington em “Um Limite Entre Nós”. Isso para ficarmos apenas nas referências do Oscar 2017. “Por Trás do Céu” é a expressão brasileira dessa relação tão prolífera e reverberante.

Leia também: "É um filme que trata da inevitabilidade de envelhecer", diz Morgan Freeman

Nathalia Dill em cena do filme Por trás do Céu
Divulgação
Nathalia Dill em cena do filme Por trás do Céu

Escrito e dirigido por Caio Sóh , “Por Trás do Céu” conta o drama de Aparecida, personagem de Nathalia Dill, e seu sonho de ver de perto o que existe além do seu mundo – seja a cidade, seja o firmamento. No que parece ser um pequeno vilarejo nos confins do sertão nordestino, Aparecida e seu marido Edivaldo, personagem de Emilio Orciollo Netto, veem suas monótonas vidas passarem sem sentido. Indignada com Deus e o diabo, a mulher questiona a existência, a dor e os limites do ser humano.

Leia também: “Queria me distanciar de mim mesma”, diz Carolina Ferraz sobre viver travesti

“É um filme que confia muito no ator. Depende muito do texto”, observa Nathalia Dill em entrevista exclusiva ao iG . Ela, que atualmente vive as gêmeas Júlia e Lorena em “Rock Story”, novela das 19h da Globo, admite que um filme com a proposta do de Caio Sóh agrava ainda mais a diferença de ritmos entre TV e cinema. Mas comemora a chance de trabalhar com um texto tão rico e um projeto estético tão diferente do que encontramos em nosso cinema. “Não precisa ser tão rígido na linguagem. As linguagens se misturam. O diálogo é muito importante”, analisa a respeito da contundência do texto de Sóh.

Paula Bulamarqui em cena de Por trás do Céu
Divulgação
Paula Bulamarqui em cena de Por trás do Céu

A atriz não está sendo modesta. Em “Por trás do Céu” assume uma personagem peculiar, difícil de se construir com isenção. Aparecida é progressista, corajosa e iluminada, mas também é pura, ingênua, traumatizada. Há algumas cenas em que o talento de Dill é posto à prova. Ela precisa tornar crível para um público cínico a inocência da personagem. Há uma cena com Paula Bulamarqui, que faz uma prostituta fugida de seu cafetão que acaba cruzando com Aparecia, muito lúdica que efetiva o ótimo trabalho de Dill. Bulamarqui também está maravilhosa na pele dessa mulher vítima de um universo machista e que replica o discurso que a vitimiza. Nesse sentido, a inocência de Aparecia abaliza nosso olhar. Este é apenas um dos trunfos do filme de Sóh. Há outros.

Leia também: Humor, melancolia e honestidade dos personagens dão o tom em “T2 Trainspotting”

Por exemplo, a angústia existencial da personagem, mas também de seu marido Edivaldo é avolumada mesmo que só saibamos de um de seus catalisadores lá pelo final do filme. “O dilema da Aparecia é um dilema muito comum da humanidade”, teoriza a atriz. “A gente não tem certeza do que está por trás do céu e em meio a toda aquela miséria a raiva da personagem com a frase ‘Só pode estar rindo da gente’ me parece legítima”. Nathalia Dill, tal qual em uma peça, tem seus monólogos. Aparecia, que tem nome de santa, volta-se para o céu e esbraveja com Deus. Como se a própria existência fosse um grande teatro. “É muito interessante porque a personagem é múltipla, ela tem dúvida, curiosidade, interesse...”, derrete-se Dill.

Cena de Por trás do Céu, já em cartaz nos cinemas
Divulgação
Cena de Por trás do Céu, já em cartaz nos cinemas

Já em cartaz nos cinemas brasileiros, “Por Trás do Céu” é um filme para quem gosta das filosofias da vida, de atores testando seus limites e de uma experiência estética incomum no cinema.