Tamanho do texto

Astro australiano retorna à maior festa do cinema e deve se juntar a seus concorrentes para aplaudir a vitória de Damien Chazelle por "La La Land"

Em um ano em que Martin Scorsese (“Silêncio”), Clint Eastwood (“Sully: O Herói do Rio Hudson”), os irmãos Coen (“Ave César”), e Robert Zemeckis (“Aliados”) lançaram filmes, não deixa de ser curioso que o Oscar não destaque nenhum deles na categoria de direção. Em 2017, talentos da nova geração, cineastas ocasionais e a redenção de um filho pródigo marcam a segunda categoria mais importante do maior prêmio do cinema.

Leia mais: Estrela da vez, Emma Stone pode perder Oscar de atriz para veterana francesa

Os indicados ao Oscar de melhor diretor em 2017
Divulgação
Os indicados ao Oscar de melhor diretor em 2017

Damien Chazelle é o favorito absoluto a ganhar por “La La Land: Cantando Estações”. Ele fez 32 anos em 19 de janeiro último. Com dois filmes no currículo, já ostenta três indicações ao Oscar . A matemática pode não bater para quem não assistiu o musical que concorre a 14 estatuetas ou “Whiplash: Em Busca da Perfeição”, que foi uma das sensações na premiação em 2015.

Leia mais: Ator sublime, Denzel Washington se prepara para fazer história ao levar 3º Oscar

Damien Chazelle venceu o Globo de Ouro de melhor diretor por
Divulgação
Damien Chazelle venceu o Globo de Ouro de melhor diretor por "La La Land: Cantando Estações"

Chazelle é um diretor tão inventivo quanto disciplinado. Já é alvo da admiração de cineastas consagrados como Willian Friedkin e Quentin Tarantino. O prêmio da Academia pode até parecer precoce, mas fato é que seu trabalho em “La La Land” merece os louros. Negar isso é pura implicância. Do domínio da narrativa, à direção de atores, passando pela deferência a Hollywood e a maneira como faz de Los Angeles, e da música, personagens de um filme triste de uma maneira extremamente alegre (ou seria o contrário?), “La La Land” é um fascínio, aborrecimento para alguns , porque tem um diretor apaixonado e atuante em seu cerne.

Outro cineasta novo indicado este ano é Barry Jenkins . Seu trabalho em “Moonlight: Sob a Luz do Luar” é tão técnico e sensorial como o de Chazelle. É um diretor autoral, mas que não esconde suas influências. A fotografia arrebatadora deriva do cinema do chinês Wong Kar-Wai, mas a força do filme vai toda na sua conta. Perguntado recentemente em um painel onde estariam os brancos em seu filme, respondeu de maneira espirituosa: “eles vão estar na audiência”.

“Moonlight” fala de uma história de amor suprimida por preconceito e por marginalidade social. É um filme tão sutil que muitos não compreendem.

Leia mais: Dez curiosidades sobre o Oscar 2017

Chazelle e Jenkins defendem um cinema mais febril, em que a técnica se destaca, mas não oprime as delicadezas do registro. É um cinema que precisa ser reverenciado por um prêmio de indústria como o Oscar. E que boa notícia que a Academia finalmente reconheceu o talento de Denis Villeneuve . O canadense já havia ganhado o Oscar de filme estrangeiro com “Incêndios”, antes de migrar para Hollywood de vez.

Mel Gibson no set de
Divulgação
Mel Gibson no set de "Até o Último Homem": o retorno do filho pródigo

“A Chegada” talvez seja seu trabalho de direção mais refinado e ele está à frente de uma pequena revolução. Resgatar a relação do cinema de autor com o cinema de gênero. Apenas Christopher Nolan, David Fincher e Quentin Tarantino parecem carregar essa bandeira, mas somente Villeneuve  trouxe a ficção científica para um lugar tão especial no Oscar. São oito indicações e, diferentemente de “Gravidade” há três anos, o confete não se dá pelos feitos técnicos.

O nome de Kenneth Lonergan , dramaturgo e roteirista de prestígio, e diretor ocasional, pode parecer o mais inusitado, mas quem quer que assista “Manchester à Beira-Mar”, um filme tão denso e inflexivo, vai entender o porquê de sua inclusão entre os cinco melhores diretores do ano no crivo da Academia.

Por fim, o Oscar sela o retorno de Mel Gibson , astro dos anos 90 e vencedor do Oscar de direção e filme por “Coração Valente”, que estava na lista negra dos estúdios e executivos da Meca do cinema. Por “Até o Último Homem”, em que demostra todo seu vigor e talento, Gibson volta ao Oscar 21 anos depois da consagração. Para consumar sua redenção e servir como ponte entre a Hollywood de ontem e a que se anuncia daqui para frente.