Livro de Natalie Haynes, estudiosa da mitologia grega, chega ao Brasil
Reprodução
Livro de Natalie Haynes, estudiosa da mitologia grega, chega ao Brasil

E se você soubesse que Pandora não tinha uma caixa e nunca foi vilã? E que Helena de Troia não foi somente uma adúltera e Medusa nem sempre foi um monstro?  Todas essas figuras, assim como muitas outras, foram marginalizadas ao longo dos tempos, por contadores de história – historicamente homens. O resultado é que olhamos para elas hoje pela lente dos filmes hollywoodianos e versões audiovisuais recentes, sem entendermos a importância que tiveram no processo de desenvolvimento dos mitos femininos e seus arquétipos. Natalie Haynes, escritora classicista e especialista no tema, vira esta mesa em O Jarro de Pandora – Uma Visão Revolucionária e Igualitária sobre a Representação das Mulheres na Mitologia Grega, lançamento da Editora Cultrix, e devolve a essas figuras seu lugar de protagonistas. 

Neste livro, que alcançou recentemente o segundo lugar na lista de best-sellers do New York Times em sua lista de não-ficção, Haynes refaz, com sua perspicácia e humor característicos, o percurso de 10 mulheres e revoluciona a compreensão sobre poemas épicos, histórias e peças de teatro e traça as verdadeiras origens das principais personagens femininas da mitologia grega, entre elas, Pandora, Medusa, Medeia, Penélope, Helena e Jocasta.  

A autora foi considerada pelo Washington Post como uma estrela pop dos estudos e mitologia atuais, e já foi elogiada por grandes escritores como Neil Gaiman, Madaline Miller e Margareth Atwood. Este é o primeiro livro da autora no Brasil, e em breve suas obras de ficção serão também lançadas pelo Grupo Editorial Pensamento, pelo selo Jangada. Entres eles estão os elogiados Stone Blind (Olhar Petrificante – A História da Medusa), A Thousand Ships (Mil Navios Para Tróia), The Children of Jocasta (Os Filhos de Jocasta) e Medea (o último ainda sem título definido em português).

O Jarro de Pandora coloca a perspectiva feminina sobre histórias apagadas e/ou esquecidas/distorcidas ao longo da História, e dá espaço para que o leitor veja essas figuras mitológicas não como vilãs ou monstros, mas como mulheres que sofreram um lento processo de difamação e machismo. E, sobretudo, nos levanta a seguinte pergunta: Por que deixamos os homens apenas no lugar de heróis, enquanto relegamos às personagens femininas papéis secundários, insossos ou marginais?

Para pautas e demais sugestões: colunaquartacapa@gmail.com

    Mais Recentes

      Comentários

      Clique aqui e deixe seu comentário!