Maria Vieira foi bloqueada pelo Facebook e rejeitada pela Globo por ser conservadora
Reprodução
Maria Vieira foi bloqueada pelo Facebook e rejeitada pela Globo por ser conservadora

A atriz portuguesa Maria Vieira, que afirmou ter perdido um papel em na novela Travessia, da Globo, por apoiar Jair Bolsonaro , já foi banida do Facebook, por mais de um mês, após publicar textos e imagens que são contra as diretrizes da rede social. 

"É assim que as redes sociais estão a agir nos dias que correm, cerceando a liberdade de expressão dos conservadores e dos utilizadores de direita, incentivando as denúncias por parte dos esquerdistas, dos marxistas e dos pró-globalistas", publicou após ter acesso ao seu perfil novamente.

Maria acusou que estava sendo censurada pelo Facebook, ou "FoiceBurka", como ela chama a rede social. Em abril deste ano, foi banida por 45 dias e segundo a atriz, trinta dias foram apenas sobre um post realizado no mesmo mês e os outros quinze dias foram referentes a uma publicação feita em 2019.  

"Acusando gente como eu de publicar alegadas mensagens de ódio. E toda esta engrenagem antidemocrática, envolta em denúncias, mentiras vomitadas, é divulgada, protegida e apoiada pelos 'media' que fazem lavagens cerebrais junto das populações menos informadas, que ainda hoje continuam a acreditar na existência de uma doença que deu e que ainda continua a dar, de forma vergonhosa e iníqua na porcaria da televisão!", escreveu.

A atriz ainda afirmou que vai continuar sendo contra a comunidade LGBTQIA+: "De resto continuarei a lutar contra o socialismo, contra o marxismo, contra o globalismo, contra a corrupção, contra a ideologia de género, contra a narrativa LGBTMAISNÃOSEIOQUÊ, contra o aborto e contra a eutanásia". 

"IRRA! JÁ NÃO HÁ PACIÊNCIA PARA TANTA LGBTAGEM!!!", publicou em seu perfil, que recebeu inúmeras respostas de apoio a atriz. Maria também já compartilhou fake news no Facebook: uma imagem de uma boneca Barbie transexual, com barba e mostrando o pênis da boneca. "A DEMÊNCIA E A PERVERSIDADE AVANÇAM A PASSOS LARGOS NA CONQUISTA DA INOCÊNCIA E DA FRAGILIDADE DAS CRIANÇAS!", escreveu.

Maria afirmou ser contra o feminismo, citando de exemplo o caso de Amber Heard e seu ex-marido, Johnny Depp: "Esse tipo de mulher ficou provado neste episódio que envolveu o actor Johnny Depp e que, graças a Deus, veio provar que em muitos casos são os homens que são ostracizados, ofendidos e agredidos pelas mulheres, acabando ainda assim condenados por crimes que não cometeram! EU SOU MULHER E DESPREZO O FEMINISMO!". 

"Na minha qualidade de mulher, de pessoa pública e de Deputada Municipal pelo partido CHEGA evoco todas as mulheres desportistas para que se recusem a competir com atletas biologicamente masculinos e a todas nós, mulheres de verdade, para que lutemos com coragem e determinação contra a maldita Ideologia de Gênero", declarou em outra publicação em seu perfil. 

Em outros posts, Maria declara apoio a Jair Bolsonaro, mesmo não morando no Brasil, além de apoiar governantes conservadores de outros países. Fez campanha, por exemplo, a Marine Le Pen, que concorreu contra Emmanuel Macron à presidência da França. A candidata defendida pela atriz é de extrema direita.  "Marine Le Pen é uma mulher verdadeiramente conservadora", escreveu. 

*Com a colaboração de Gabriela Ramos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários