No Carnaval de 2019 Lexa passou por maus bocados. A cantora alugou um trio elétrico, mas no dia de desfilar pelas ruas de São Paulo o mesmo não estava onde foi acordado. Nas redes, ela surgiu chorando e explicando que haviam lhe aplicado um golpe e que, por isso, moveria um processo contra o responsável pela locação do trio elétrico, no caso Sebastião Vieira.

Leia também: Lexa leva “calote” e fica sem trio elétrico em São Paulo

Lexa
Gabriel Renne
Lexa

Quase um anos após a polêmica, a Justiça mostrou-se favorável a Lexa . No fim do ano passado, Sebastião tentou apelar para o benefício da Justiça gratuita, ou seja, demonstrar que não tem condições de arcar com os custos da ação. Todavia, o juiz responsável negou o pedido.

Leia também: Diferente de Anitta, Lexa aposta no cenário nacional para consolidar carreira

Você viu?

Segundo o advogado Kaleo Dornaka,  do escritório Renato Ribeiro de Almeida Advogados Associados, que analisou os processo para o iG Gente , esse tipo de pedido é comum, advogados e acusados costumam assim fazê-lo com intenção de "ganhar tempo".

Agora em segunda instância, a ação de indenização continua. Kaleo acredita que em casos como este o valor pode alcançar algo em torno de R$ 75 mil. Já Fabíola Reipert noticiou, nesta quinta-feira (09), que a cantora pode ser indenizada em até R$ 150 mil. 

Leia também: Lexa sobre casamento com MC Guimê: "Existem falhas"

Até o momento Lexa não voltou a falar sobre o assunto. Darlin Ferratry, empresário da mesma, também não. Sebastião Vieira foi procurado pela reportagem do iG Gente , mas as mesma não obteve contato com sucesso. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários