O humorista Gustavo Mendes, conhecido por interpretar a ex-presidente Dilma Rousseff, teve o seu stand up "Di Uma Vez Por Todas" interrompido após fazer críticas ao presidente da república, Jair Bolsonaro (PSL), na última sexta (30), em Teofilo Otoni, interior de Minas Gerais.

Leia também: Bruno e Marrone são atacados na web após almoçarem com Bolsonaro: "Vergonha"

Gustavo Mendes caracterizado como Dilma
Divulgação
Gustavo Mendes caracterizado como Dilma


Leia também: Bolsonaro critica "Bruna Surfistinha" e quer Ancine em Brasília

Parte do público saiu do teatro no meio do espetáculo e reivindicou o dinheiro do ingresso. De acordo com o advogado e professor universitário João Gabriel Prates, de 26 anos, que estava presente na plateia, Gustavo foi hostilizado por apoiadores de Bolsonaro com expressões como "vai fazer show na África" e "eu te paguei para fazer piada, para de fazer política".

Leia também: Gretchen polemiza ao defender Macron de comentários de Bolsonaro

"Ele faz o personagem da Dilma sem ser depreciativo e as pessoas estavam reagindo ao que ele falava, rindo e criticando também. Até que alguns telespectadores contrários ao posicionamento que ele adota no show reagiram de forma mais pesada às críticas ao presidente. O Gustavo parou o show e disse que ia devolver o dinheiro", contou o professor.

João Gabriel também afirmou que as pessoas tentaram censurar o espetáculo do humorista, acionando a Polícia Militar. "Os produtores estavam do lado de fora pegando os nomes de quem queria o dinheiro de volta e parte dessas pessoas queria voltar para atrapalhar o show. A Polícia Militar foi chamada numa tentativa deles de acabar com o stand up. O Gustavo ficou abalado com a situação, mas deu continuidade ao espetáculo depois da confusão e recebeu as pessoas para tirar foto no final".

De acordo com a PM de Teófilo Otoni, os policiais militares foram acionados por volta das 21h35 e houve registro de um boletim de ocorrência. A assessoria de Gustavo Mendes não foi localizada para comentar o caso envolvendo críticas a Bolsonaro .

    Leia tudo sobre: gay

    Veja Também

      Mostrar mais