Tamanho do texto

Em entrevista exclusiva, atriz celebra ótima fase que vive na carreira: "lutei muito para conquistar o meu espaço" e agradece "carinho do público"

Aos 32 anos, Letícia Lima está de bem com a vida. Afinada no amor, vive uma relação amorosa muito bem resolvida com a cantora Ana Carolina , a ex-integrante do Porta dos Fundos está diversificando para capitalizar na carreira. Depois de roubar a cena na novela das 21h “A Regra do Jogo” e no game show “Dança dos Famosos”, ela promete acontecer de vez no cinema em 2017. “Ninguém Entra, Ninguém Sai”, estreia deste fim de semana nos cinemas brasileiros, a traz como Suellen, uma jovem que sonha em casar e acaba presa em um motel com o namorado enquanto o governo investiga a possível ameaça de um vírus.

Leia também: "Ninguém entra, Ninguém sai" adapta Verissimo e ri do Brasil a partir do sexo

A atriz Letícia Lima em cena da comédia
Divulgação
A atriz Letícia Lima em cena da comédia "Ninguém Entra, Ninguém Sai"

Na entrevista exclusiva ao iG Gente , Letícia Lima fala sobre a personagem pela qual se apaixonou, desse momento em que a mulher assume cada vez mais o protagonismo na comédia e fala um pouco de seus projetos futuros.

 Leia também: "Me senti atraída e só não hesitei", revela Letícia Lima sobre Ana Carolina

iG - A Suellen é a pessoa mais pra cima e sonhadora do filme e você a reveste de graciosidade, bom humor e sensualidade. Gosta de viver personagens assim? Por quê?

Letícia Lima - Eu gostei muito de interpretar a Suellen, que é uma personagem para cima. Esse filme tinha um clima muito gostoso. A gente vê ator falando que o elenco parece uma família, mas, nesse caso, foi mesmo. Tem casos que não (risos). Isso ajudou muito o trabalho. Na verdade, eu gosto do ofício. E gosto de todos os tipos desafiadores, como foi o caso da Suellen.

Letícia Lima em ensaio para a revista VIP publicado em fevereiro deste ano
Crédito Yuri Sardenberg e Ana Monteiro/Revista VIP.
Letícia Lima em ensaio para a revista VIP publicado em fevereiro deste ano

iG - A relação com o Edu, principalmente durante esse confinamento forçado, parece muito como a leitura que temos de um casamento. Te incomoda em algum nível que nossas comédias reafirmem estereótipos e clichês? Por que você acha que a Suellen queria tanto casar?

LL - Se existe uma justificativa no texto, na história, não vejo problema. E não dá para problematizar tudo. O filme é uma comédia, queremos contar uma história para entreter o público. E entregamos isso no resultado. Temos uma reunião de personagens, dos mais diversos tipos. Mas a ficção tem essa licença, essa permissão, de colocar a lente de aumento. Sobre a Suellen querer casar, eu acho que é um sonho mesmo, algo que ela sempre quis. E ali, com o Edu, ela tenta unir o útil ao agradável (risos).

Leia também: Sexo, obsessão, feminismo e arte caminham juntos em “I Love Dick”

 iG - Há muita sátira no filme. É lógico que isso vem da crônica do Verissimo, mas eu acho que foi potencializada pelo roteiro do Paulo Halm, pela direção do Hsu Chien e por esse elenco tão habituado à comédia. Como foi o processo criativo e filmar em "confinamento"?

LL - O Hsu é um diretor muito atento, muito criativo. E como eu falei, rolou uma sintonia muito legal entre o elenco. Foi um trabalho em que os atores puderam exercitar a criatividade em parceria com a direção. Foi difícil segurar o riso nesse “confinamento”. A gente tinha que se concentrar muito para não cair na gargalhada. A história é muito interessante, eu acho. E a gente pôde vivenciar um pouco daquele clima que os personagens estavam experimentando no filme.

iG - Qual a sua personagem preferida em "Ninguém Sai, Ninguém Entra"? E qual você gostaria de expulsar daquele motel?

LL - Impossível eu não escolher a Suellen. Ela é a minha personagem preferida (risos). Eu amei poder dar vida à Suellen. Quem eu gostaria de expulsar? Difícil. Acho que não tem como expulsar ninguém, porque cada um deles desempenha uma função na história. Se saísse alguém, não teria tanta graça.

Leia também: “Dear White People” é sátira imperdível de tensões raciais contemporâneas

iG - Você ainda tem mais dois filmes para estrear em 2017. Pode falar um pouco mais sobre eles?

LL - Pois é! Ainda tenho dois filmes para estrear. É um ano de cinema e estou amando. Muitos trabalhos! Tenho “Duas de mim” e “98%” para lançar. O primeiro tem direção da Cininha de Paula e o segundo do Ian SBF. São trabalhos bem distintos.

Letícia Lima em cena do filme
Divulgação
Letícia Lima em cena do filme "Ninguém Entra, Ninguém Sai"

iG  - Você é uma presença cada vez mais forte e querida na TV. "A Regra do Jogo", "Vai que Cola" e "Dança dos Famosos" ajudaram a consolidar sua imagem como atriz para um público mais amplo do que o do Porta e o do cinema. Qual a leitura que você faz dessa fase e aonde quer chegar?

LL -Eu estou vivendo uma fase muito boa. Estou feliz demais! Eu amo o meu trabalho e poder viver dele é um privilégio. Era isso o que eu queria e estou conseguindo. Fico grata pelo carinho do público, pela receptividade... lutei muito para conquistar o meu espaço. Aonde eu quero chegar? Eu quero é continuar trabalhando, dando vida a novos personagens. Esse é o meu objetivo.

iG - A Tatá Werneck está arrasando à frente do Lady Night. O que você está achando de um talk show apresentado por uma mulher? Como o humor pode contribuir para a agenda feminista?

Letícia Lima - Eu acho muito legal. Talk show é um espaço tão conhecido pelos homens e ter uma mulher à frente de um é sensacional. E a Tatá está genial, arrasando. O humor contribui não só para a agenda feminista, mas em tantas outras questões. É uma ferramenta que leva, através do riso, o público a refletir questões importantes para a sociedade. Temos muitas humoristas desempenhando um trabalho legal. É importante vermos que as mulheres estão cada vez mais presentes no humor. Não tem essa de só homem fazer comédia. O que importa é o talento e não se você é homem ou mulher.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.