Após férias, jornalista retornou à bancada do jornalístico da emissora de Silvio Santos nessa segunda-feira (14)

Rachel Sheherazade voltou à bancada do 'SBT Brasil' nessa segunda-feira (14)
Reprodução
Rachel Sheherazade voltou à bancada do 'SBT Brasil' nessa segunda-feira (14)

Na noite dessa segunda-feira (14), Rachel Sheherazade voltou à bancada do "SBT Brasil", mas foi vetada de expressar sua opinião como era de costume.

De acordo com a emissora de Silvio Santos , em razão do atual cenário criado recentemente em torno da apresentadora , "o SBT decidiu que os comentários em seus telejornais serão feitos unicamente pelo Jornalismo da emissora em forma de Editorial". Ainda segundo a emissora, essa medida tem como objetivo preservar os apresentadores Rachel Sheherazade e Joseval Peixoto , que seguem no comando do "SBT Brasil".

Procurada pelo iG , a jornalista não foi encontrada para comentar a determinação. No Twitter, ela apenas compartilhou um vídeo em que o deputado estadual Major Olímpio a defende na tribuna nessa segunda-feira (14). "Rachel Sheherazade se transformou naturalmente na madrinha dos policiais brasileiros porque é uma jornalista que exerce sua profissão e coloca seu posicionamento", declarou Olímpio. Seguidores de Rachel na rede social já inciaram a campanha #OpiniaoRachelSheherazade.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

Apologia ao crime

Rachel ganhou notoriedade justamente por seus comentários e suas opiniões na televisão. Atualmente, ela está sendo investigada por apologia ao crime após denúncia feita pela deputada federal Jandira Feghali , do PCdoB, depois do comentário da jornalista "adote um bandido". Caso o SBT e a jornalista sejam condenados, a emissora pode perder o repasse de verba da união que vem da publicidade pública. 

Procurador-geral da República Rodrigo Janot aceita denúncia da deputada Jandira Feghali contra Rachel Sheherazade
Richard Silva/Divulgação
Procurador-geral da República Rodrigo Janot aceita denúncia da deputada Jandira Feghali contra Rachel Sheherazade

Incitação ao ódio

O procurador-geral da República,  Rodrigo Janot , aceitou no final de março a representação da bancada do Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Em audiência com a líder na Câmara, deputada Jandira Feghali, o chefe do Ministério Público Federal concordou com os argumentos expostos, pediu celeridade ao caso junto do sub-procurador responsável e já começou a analisar os vídeos da âncora do SBT que fazem menção ao episódio chamado de "Adote um bandido".

Para a deputada, a representação vai no caminho de prevenir que outros veículos de comunicação preguem discursos de intolerância e preconceito no Brasil. "A opinião jornalística é livre e a defendemos, mas não se pode criar um paradigma na televisão de incitação à violência na busca da audiência e do lucro. É pra ter uma algema em cada poste? E a polícia? A justiça? É preciso repensar o que está sendo feito e disseminado na sociedade", criticou.

O procurador-geral da República concordou com a parlamentar: "Não se pode pregar contra o Estado democrático. Isso é muito sério. Vamos agilizar o caso junto do sub-procurador responsável pela representação", afirmou.

Ainda segundo Janot, um veículo de comunicação não tem controle do discurso que emite em massa: "Se você faz um discurso de ódio para a sociedade, não há como controlar o que ocorre depois por aí, como isso se dá", concluiu.

"Imatura, bem-intencionada, ou seja, um perigo"

Mesmo de  férias , Rachel não escapou de outras polêmicas envolvendo seu nome. Recentemente, Ana Paula Padrão comentou  em entrevista ao "CQC" que a jornalista é  "imatura, bem-intencionada, ou seja, um perigo". Ao iG , Rachel falou sobre o assunto pela primeira vez e rebateu a crítica da colega: "Imaturidade não é perigo. Perigo é a desonestidade, a ausência de valores, de ideais, a subserviência cega ao poder... Imaturidade, o tempo resolve! Mas, o caráter, nem sempre", alfinetou.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.