Tamanho do texto

Fernanda Montenegro, Tony Ramos, Claudia Raia, Glória Pires e Murilo Benício marcaram a carreira repleta de comédia de Jorge Fernando

A cena todo mundo conhece: usando robes de cetim, uma jovem Fernanda Montenegro e Paulo Autran discutem à mesa do café da manhã. Incapazes de concordar com algo, eles acabam jogando comida um no outro. A divertida encenação de “Guerra dos Sexos” é um ícone da dramaturgia brasileira, e foi dirigida por Jorge Fernando.

jorge fernando arrow-options
Reprodução/Instagram/@jorgefernandooficial
Jorge Fernando

Leia também: Famosos lamentam a morte de do diretor Jorge Fernando

O diretor da Globo , que morreu no último domingo (27) em decorrência de uma parada cardíaca, acumulou inúmeras cenas icônicas e momentos marcantes ao longo dos mais de 40 anos de ofício, incialmente como ator. Jorge Fernando começou a carreira ainda adolescente, em peças da escola onde estudava, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Na TV, estreou primeiro como ator, antes de assumir a direção em 1981 em “Jogo da Vida”, que comandou ao lado de Guel Arraes e Roberto Talma. Apesar de se destacar em dramas, como “Alma Gêmea” e “A Próxima Vítima”, foi na comédia onde ficou marcado, não só pelo talento para as risadas, como pelo próprio bom-humor, sempre sorridente e feliz.

Dirigiu novelas dos principais autores globais: Silvio de Abreu, Walcyr Carrasco, Janete Clair, Manoel Carlos, Antônio Calmon, Cassiano Gabus Mendes, Daniel Filho, Maria Adelaide Amaral e Fernanda Young. Como gostava de fazer, sempre realizava uma participação especial em seus folhetins.

Leia também: Jorge Fernando aparece mais magro e fãs o protegem de comentários maldosos

Depois do sucesso de “Guerra dos Sexos” ainda dirigiu Fernanda Montenegro em outras três  oportunidades: “Cambalacho”, “As Filhas da Mãe” e “Zazá”. A partir dos anos 2000 dirigiu algumas de suas novelas mais icônicas, emendando um folhetim em outro: entre 2001 e 2010 fez “As Filhas da Mãe”, “Chocolate com Pimenta”, “Alma Gêmea”, “Sete Pecados” e “Caras & Bocas”.

Fez ainda dois remakes: “Ti Ti Ti” e “Guerra dos Sexos”, além de se aventurar em programas de auditório e entretenimento, como “Gente Inocente”, apresentado por Márcio Garcia, “TV Xuxa” e “Angel Mix”, com Angélica. Antes de se afastar, ainda comandou outro sucesso de Walcyr Carrasco: “Êta Mundo Bom!”.

Ao longo da carreira, dirigiu os grandes atores do Brasil: Fernanda Montenegro, Tony Ramos, Claudia Raia, Glória Pires, Edson Celulari, Murilo Benício, Regina Casé, Regina Duarte, Raul Cortez, Glória Menezes, Tarcísio Meira Marília Pêra, Claudia Abreu, Ney Latorraca e Mariana Ximenes, para citar alguns.

Debilitado

Em 2016, Jorge Fernando foi internado com uma pancreatite , e logo em seguida teve um AVC. Ele passou três anos afastado do trabalho, focado em sua recuperação. Em 2017, ainda com sequelas do AVC, visitou o “Mais Você” e  falou com Ana Maria Braga sobre sua saúde: “Você fica com medo de morrer. Você aprender a saborear cada momento”, chegou a dizer o diretor.

Em 2019, ele retornou a função com “Verão 90”, novela das 19h escrita por Izabel de Oliveira e Paula Amaral, dirigindo novamente Claudia Raia, que já fez outros sucessos com o diretor, como “Cambalacho” e “Vamp”.

Jorge Furtado será velado nesta terça-feira (29), no Cemitério da Penitência, no bairro do Caju, na zona portuária do Rio de Janeiro. O velório será aberto ao público entre 8h e 10h. O diretor será cremado às 13h.