Tamanho do texto

Emissora tem a difícil missão de seguir em frente após a morte de Boechat, responsável pelo “Jornal da Band”, maior audiência do canal

A perda de Ricardo Boechat na última segunda-feira (11) vai deixar uma lacuna no jornalismo brasileiro. Presente na televisão, no rádio e no impresso, o jornalista era um dos principais representantes da profissão e admirado nos mais diversos grupos e núcleos sociais.

Ricardo Boechat morreu na queda de uma aeronave nesta segunda-feira (11). Agora, Band tem a difícil missão de substituí-lo em sua programação
Reprodução / TV Band / Instagram
Ricardo Boechat morreu na queda de uma aeronave nesta segunda-feira (11). Agora, Band tem a difícil missão de substituí-lo em sua programação

A cara do “Jornal da Band”, Ricardo Boechat tinha fãs na TV, que faziam questão de prestigiar a emissora da família Saad por conta de seu comando do jornalístico. Coerente e comprometido com a verdade, ele tinha um estilo único de apresentar, complementando as informações com comentários pertinentes e opinativos.

Leia também: Com a morte de Ricardo Boechat, Brasil perde uma instituição da comunicação

O desafio da Band para continuar o jornal será grande. Não só porque Boechat é insubstituível, mas porque muitos sintonizavam no jornalístico por conta dele. Sem o carisma do jornalista, o programa de maior audiência da emissora pode não prosperar.

Na segunda-feira, em face do trágico acidente que levou o jornalista a morte, a atração ficou por conta de Fábio Pannunzio e Lana Canepa, e foi inteiramente dedicado a sua memória. Fábio Pannunzio, alías, deve ocupar o lugar de Boechat interinamente, mas por enquanto nada é permanente.

Compreensivelmente, a Band não deve tomar nenhuma decisão de imediato, mas o sucesso do jornal nos próximos meses pode ser determinante para a emissora que enfrenta problemas financeiros, cortes de equipe e um conflito interno na família Saad.

Um dos principais nomes disponíveis no canal agora é Ana Paula Padrão, que já não atua mais no jornalismo e serviria apenas como uma solução de curto a médio prazo. A longo prazo, talvez a solução venha de fora.

William Waack chegou a negociar com a Band News , mas não fechou um acordo e segue apresentando um programa opinativo na internet. Porém, ao contrário de Boechat, Waack é polarizador, além de ter saído da Globo com a imagem manchada após comentários racistas.

Leia também: Leia também: Responsáveis por divulgar vídeo de William Waack falam sobre imagens: “revolta”

Quem também já esteve em negociações com a Band no passado e tem um viés opinativo é Rachel Sheherazade. Se retomasse as conversas agora, poderia cumprir um papel similar ao de Boechat no sentido de ir além do papel de um âncora de fazer comentários opinativos no jornalístico. Porém, suas opiniões são comumente conflitantes com as de Boechat, o que poderia gerar uma debandada de boa parte dos espectadores que acompanham o “Jornal da Band” justamente pelas opiniões do jornalista.

Ricardo Boechat no rádio

Ricardo Boechat
Reprodução / TV Band / Instagram
Ricardo Boechat

O mesmo desafio pode acontecer com a Band News FM . Boechat acompanhava o trajeto ao trabalho de muitas pessoas durante a manhã e tinha, inclusive, o hábito de ler e responder mensagens de ouvintes no WhatsApp. Com a mesma coerência da televisão, porém mais solto, ele comentava assuntos do momento sempre com seu olhar crítico e indignado.

Ele assumiu o horário nobre da rádio em 2006 e, desde então, teve seu lugar reservado nas manhãs. A rádio nasceu em 2005 com o intuito de rivalizar com a CBN , até então única emissora FM a se dedicar exclusivamente a notícias. Boechat, portanto, faz parte da rádio quase desde o começo.

Atualmente, a família Saad vive um imbróglio judicial, com disputa entre os irmãos, que querem tirar Johnny Saad do comando. O Grupo Bandeirantes, que inclui duas redes de televisão aberta, um canal via satélite aberto, quatro canais de TV por assinatura, cinco redes de rádio, cinco estações de rádios locais independentes, duas publicações impressas, uma gravadora, entre outras coisas, acumula hoje uma dívida bilionária.

Liquidar algumas dessas mídias seria uma forma de abater essas dívidas e, no processo, a Band News também corre riscos. Ainda assim, a emissora de rádio é bem sucedida em termos de audiência dentro de sua proposta. Caso permaneça no ar, o jornalístico ainda contará com Carla Bigatto e Eduardo Barão, companheiros de Boechat na atração.

Outra possibilidade seria incluir outro nome importante da rádio no horário: Reinaldo Azevedo. Mas, assim como os exemplos anteriores, também divide opiniões.

Leia também: Fábio Pannunzio substitui Ricardo Boechat no "Jornal da Band"

A verdade é que Ricardo Boechat era um exemplo raro de jornalista que não escolhia lados, apontava suas indignações e se indisponha com quem fosse, se achasse que tinha alguma verdade a ser dita. Principal nome da Band , ele deixa um espço vazio que a emissora talvez não esteja preparada para preencher.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.