Tamanho do texto

A emissora gerou polêmica nas redes sociais ao cortar a icônica frase da personagem que poderia soar ofensiva em tempos de correção política. A despeito dos protestos, a Globo acertou ou errou com a medida? Vote

A trama de "Belíssima" está com tudo na programação da Rede Globo pelo  "Vale a Pena Ver de Novo", mas o capítulo que foi ao ar na última segunda-feira (15) está dando o que falar nas redes sociais.

Leia também: Vale a pena ver de novo! Como está o elenco da novela "Belíssima" hoje em dia

Fernanda Montenegro como Bia Falcão em
Reprodução/ Globo
Fernanda Montenegro como Bia Falcão em "Belíssima"

" Belíssima " acabou virando assunto de polêmica quando a emissora decidiu cortar a famosa frase da vilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro), da cena com seu advogado Medeiros (Ítalo Rossi), em que se refere a pobreza. 

Leia também: "Cordel Encantado" estreia para ser satélite em transição nas tardes da Globo

A cena em questão não traz conteúdo inadequado  ou com restrição indicativa, mas sim uma frase que é considerada icônica e sintomática da personagem: "Pobreza pega! Pega, pega como sarna. Pega! Como um vírus. Entra pela pele, pela respiração”. A ação da emissora está repercutindo e desagradando a maioria do público; veja algumas reações:

Mas e você, o que acha da autocensura da emissora?

Apesar de muitos ficarem chocados com o acontecimento, não é novidade esse tipo de atitude no "Vale a Pena Ver de Novo" e em outras atrações exibidas pelo canal ou por canais do grupo, como o Multishow. Veja outros casos praticados pela  Rede Globo :

  • “Senhora do Destino”
José Mayer em
Reprodução/ Globo
José Mayer em "Senhora do Destino"

Após as acusações de assédio, o personagem de José Mayer na trama de “Senhora do Destino”, Dirceu de Castro, teve suas cenas reduzidas propositalmente na reprise vespertina.  No entanto, apesar de toda a evidência, a emissora negou o corte nas cenas do personagem.

  • "Celebridade"
Reprodução/ Globo
"Celebridade"

Com o fracasso na audiência, a reprise de "Celebridade", em 2018, ganhou inúmeros cortes para que a trama chegasse ao fim o mais rápido possível. No entanto, o "pente fino" feito nas edições dificultou no entendimento do enredo.

  • “Meninas Malvadas”
Reprodução
"Meninas Malvadas"

Os fãs do longa “Meninas Malvadas” ficaram felizes quando o filme ganhou a tarde da Globo na “Sessão da Tarde”, no final de 2018, mas reclamaram por ter muitas cenas cortadas, inclusive partes importantes para o enredo, para enxugar a trama e a deixar mais rápida. 

  • “Chapolin”
Reprodução
"Chapolin"

Recentemente, no Multishow, “Chapolin” teve sua tradução alterada para evitar a fala de cunho homossexual. Na edição em questão, a fala original do personagem de Maria Antonieta De Las Nieves sobre o  Batman não poder ir ao local muda de “porque está em lua de mel com Robin” para “o pneu do Batmóvel está furado”. 

  • "How To Get Away With Murder"
Reprodução
"How to Get Away With Murder"

Na emissora carioca, a série da ABC, "How To Get Away With Murder" ganhou censura na cena de sexo gay entre os personagens Connor (Jack Falahee) e Oliver (Conrad Ricamora), mesmo passando na programação noturna do canal.

Leia também: Jô Soares desmente rixa com Chico Anysio e fala de censura de diretor da Globo

Além do caso em particular de " Belíssima ", os cortes de um modo geral, que não foram por conta da classificação indicativa, repercutiram de forma negativa nas redes sociais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas