Tamanho do texto

Nova novela de Aguinaldo Silva não teve nenhum momento digno de destaque, além de diálogos mecânicos e personagens antiquados

O primeiro capítulo de uma novela costuma impressionar por algum motivo: um personagem principal que apaixona, um vilão que odiamos, ou em último caso uma bela paisagem, com a Bahia ou o Jalapão. “O Sétimo Guardião”, nova novela das 21h de Aguinaldo Silva , não tem nada disso e sue primeiro capítulo não teve nenhum destaque.

Reprodução/TV Globo
"O Sétimo Guardião"

O capítulo acaba com os dois protagonistas se conhecendo de maneira inusitada: Gabriel (Bruno Gagliasso) enterrado vivo e Luz ( Marina Ruy Barbosa ) o salvando. Mas, fora isso, nem um dos dois tiveram um grande momento na estreia de “ O Sétimo Guardião ”.

Leia também: Protagonista em "O Sétimo Guardião", Bruno Gagliasso tenta superar polêmicas

Luz passou a maior parte do tempo dormindo e tendo pesadelos, enquanto Gabriel atendia um chamado cósmico que o levou a Serro Azul e o fez abandonar a noiva Laura (Yanna Lavigne) no altar.

Sua mãe Valentina (Lilia Cabral) foi uma das protagonistas da estreia, e conhecemos um pouco de sua história: foi abandonada no altar por Egídio (Antônio Calloni) e acabou se tornando uma mulher amargurada. Deixou Serro Azul para trás, e a família que lá tinha, a irmã Marilda (Letícia Spiller) também. Spiller por sinal está com um sotaque afetadíssimo que poderia funcionar, não fosse o fato de que só ela fala dessa maneira na cidade toda.

Tony Ramos teve dois momentos como Olvao: elogiando a filha quando a vê vestida de noiva, e prometendo acabar com Valentina quando Gabriel foge do casamento. A cena dos dois, porém, não convence. Os diálogos maquinais (“eu vou acabar com você”) não combinam mais com o formato da dramaturgia atual.

Divulgação/TV Globo
"O Sétimo Guardião"

A novela inteira na verdade parece destoar de um ano como 2018. Qual a motivação para que um homem como Olavo, que tem uma filha linda e bem colocada na sociedade, tenha que arranjar um casamento com um rapaz igualmente lindo e bem apresentado, em troca de um contrato financeiro com a mãe do noivo?

Enquanto isso em Serro Azul, Nicolau (Marcelo Serrado) beirou o desespero com o homem que já tem quatro filhos com a belíssima esposa Afrodite (Carolina Dieckmann), mas quer mais um, pois sonha em ser pai de um jogador de futebol. A cena dele em cima da mulher na cama tentando transar já que ela está em seu período fértil é horrível. Depois de ouvir não repetidas vezes, ele finalmente desiste, mas diz que ela vai ter que ceder na manhã seguinte.

Leia também: Amor e mistério permeiam “O Sétimo Guardião”, nova novela das 21h da Globo

Outro personagem que ganhou destaque sem motivo aparente foi Eurico Júnior (José Loreto) como o típico playboy de cidade de interior com pouco apreço para regras e leis. Ele persegue Luz mesmo sem ela se interessar e tem uma “tiete” em Lourdes Maria, papel muito aquém da personalidade de Bruna Lizmeyer. Caio Blat também tem seu momento como o misterioso Geandro, irmão de Júnior, que parece ter passado por uma clínica de reabilitação e desconfia do pai, o prefeito Eurico (Dan Stulbach).

O personagem de Stulbach é um dos sete guardiães que protegem o segredo das águas da cidade que tem poderes. Esse foi o ponto alto da trama já que, ao contrário de todos os outros personagens mal dirigidos, tem um entrosamento real e convencem como um grupo inadequado de pessoas. Zezé Polessa está ótima como a mística Milu, o comportamento de Stulbach torna-o divertido e Egídio vive bem o líder que, com a fuga do gato León, pode estar vivendo os últimos dias de sua vida.

Reprodução/TV Globo
"O Sétimo Guardião"

Sem fazer salto temporal, a novela tem quase 40 personagens creditados, e não mostrou nem metade deles em seu início. O que pode render boas histórias paralelas, também pode servir como barriga para aparecer e sumir quando o roteiro não vai para frente (alô “Outro lado do Paraíso” e “A lei do Amor”).

A presença de Marina Ruy Barbosa (que praticamente  não saiu da programação da emissora em 2018) também não é justificável. Não há nada em sua Luz que pareça exclusivo da capacidade de interpretação da atriz e qualquer outro nome da emissora poderia ocupar o papel, dando um merecido descanso de imagem para a ruiva.

Com sorte, Aguinaldo Silva vai se apoiar mais nos guardiães e, assim, “ O Sétimo Guardião ” pode ter algo de diferente para mostrar. Até agora, o realismo não teve nada de fantástico, e os momentos mais sobrenaturais protagonizados por Luz foram dignos de risada e não espanto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.