Tamanho do texto

Desde "Irmãos Coragem" até a recente "Verdades Secretas", novelas estão sempre no olho do furacão das polêmicas sociais; confira lista com algumas

Novelas, nem sempre, são feitas apenas como entretenimento e dialogam com o que acontece pelo país – ou, em outros casos, suas histórias ganham status de debate no âmbito público pela repercussão que tiveram. Diversas vezes a dramaturgia pautou o interesse da população com polêmicas e chegaram a se misturar com a realidade – como foi o caso de “Irmãos Coragem”, onde um personagem de esquerda recebeu votos nas eleições da vida real, ou “Laços de Família”, em que o Ministério Público de Justiça precisou interferir e intervir pela retirada de atores. Relembre dez novelas que causaram polêmicas quando foram exibidas na televisão.

Leia também: Qual a maior ninfeta de novelas da Globo? Nosso quiz ajuda a revelar a resposta

“Irmãos Coragem” (1970)

Ficção invadiu a realidade quando personagem de ''Irmãos Coragem'' recebeu votos em eleição da vida real
Divulgação
Ficção invadiu a realidade quando personagem de ''Irmãos Coragem'' recebeu votos em eleição da vida real

Em pleno governo militar, “Irmãos Coragem ” falava da luta de três irmãos no interior de Goiás. João ganhava a vida como garimpeiro e, após sofrer nas mãos de um coronel que o rouba, ele se torna um bandido. Jerônimo, na tentativa de buscar vingança junto com seu irmão, entra para um partido de esquerda – e, curiosamente, no mesmo ano, houve eleição no mundo real. Jerônimo Coragem, mesmo sendo fictício, recebeu um número expressivos de votos por todo o país naquele ano, levantando uma das polêmicas acerca da novela.

Leia também: 10 razões que fazem do “Lady Night” de Tatá Werneck um sucesso

“Escalada” (1975)

''Escalada'' foi polêmica por falar abertamente do divórcio em plena década de 1970
Divulgação
''Escalada'' foi polêmica por falar abertamente do divórcio em plena década de 1970

“Escalada” é vista, ainda hoje, como uma das novelas mais importantes da história, mas foi marcada, especialmente, pela questão que, na época, era uma grande polêmica. O divórcio entre os casais principais da trama foi um dos focos que carregavam a trama, pois a frustração afetiva de Antônio Dias, interpretado por Tarcísio Meira, em ter se casado com a mulher, pede divórcio anos depois para tentar viver outro amor.

Leia também: Trama internacional: Relembre novelas da Rede Globo gravadas no exterior

“Roque Santeiro” (1975)

''Roque Santeiro'' foi marcada pela polêmica de ter sido censurada durante o período da ditadura militar no país
Divulgação
''Roque Santeiro'' foi marcada pela polêmica de ter sido censurada durante o período da ditadura militar no país

Um dos maiores sucessos até hoje da Globo, “Roque Santeiro” virou assunto sem nem ter sido exibida de fato da televisão – a novela caiu no crivo da censura do governo militar que controlava o país e acabou sendo colocada na gaveta, mesmo com episódios já gravados e prontos para irem ao ar. O fato que levou a sua proibição foi uma escuta telefônica em que o autor, Dias Gomes, afirmava que “Roque Santeiro” era apenas uma adaptação de outra obra também censurada, “O Berço do Herói”, feita para enganar os militares. Dez anos depois, em 1985, o projeto foi retomado, mas, dessa vez, com novo elenco.

“Roda de Fogo” (1986)

Atual até hoje, ''Roda de Fogo'' trouxe entre suas polêmicas a questão da corrupção
Divulgação
Atual até hoje, ''Roda de Fogo'' trouxe entre suas polêmicas a questão da corrupção

Pela primeira vez a corrupção foi abordada de forma tão visceral em uma novela: “Roda de Fogo” mostrava a história de Renato Villar, personagem de Tarcísio Meira, que mais parecia um mafioso do que um empresário. Envolvido em esquemas de lavagem de dinheiro e sendo alvo e um processo judicial, ele decide eliminar todos aqueles que o traíram no mundo corporativo e se torna o mandante de uma série de assassinatos em uma disputa incansável pelo poder.

“Vale Tudo” (1989)

A morte de Odete Roitman em ''Vale Tudo'' foi a polêmica que movimentou o Brasil com suspense sobre assassinato
Divulgação
A morte de Odete Roitman em ''Vale Tudo'' foi a polêmica que movimentou o Brasil com suspense sobre assassinato

“Vale Tudo”, desde que começou, foi polêmica por mostrar o lado sujo de alguns personagens que usam artimanhas para poder subir na vida. Odete Roitman, vivida por Beatriz Sefall, é uma vilã corrupta que arma esquemas para conseguir o que quer, mas sua morte, o famoso dilema de “quem matou Odete Roitman?”, foi a polêmica que fez a novela virar assunto em absolutamente todos os lugares. O mistério do assassinato da vilã virou motivo até de promoção, até que o assassino foi revelado no último episódio da novela. A comoção foi tamanha que nem os próprios atores tiveram acesso ao segredo até o momento da gravação.

“Barriga de Aluguel” (1990)

''Barriga de Aluguel'', por si só, já criou um debate bastante polêmico na sociedade quando foi ao ar
Divulgação
''Barriga de Aluguel'', por si só, já criou um debate bastante polêmico na sociedade quando foi ao ar

A história polêmica de “Barriga de Aluguel” movimentou a faixa das seis e foi sucesso de público por abordar uma questão tão delicada. Na trama Clara, vivida por Cláudia Abreu, cede seu corpo para gestar a criança de um casal infértil. Além de discutir a ética da questão, a novela, no final, levantou a questão judicial sobre quem ficaria com o bebê – e a autora Glória Perez teve a assessoria real de três juízes para chegar a uma solução que, na realidade, nunca chegou a ser mostrada na produção, pois a história termina antes da decisão judicial sobre a guarda.

“Torre de Babel” (1998)

Uma das polêmicas em ''Torre de Babel'' era um casal lésbico que, no final, foi morto para evitar rejeição
Divulgação
Uma das polêmicas em ''Torre de Babel'' era um casal lésbico que, no final, foi morto para evitar rejeição

“Torre de Babel” não foi bem aceita desde que começou a ser exibida e um dos pontos de maior polêmica foi o casal lésbico interpretado por Silvia Pfeifer e Christiane Torloni. Na tentativa de recuperar a audiência, Silvio de Abreu decidiu matar todos os personagens que incomodavam o público e, assim, pôs fim ao único de mulheres da trama.

“Laços de Família” (2000)

A produção de ''Laços de Família'' teve de ser alterada por decisão judicial que decidiu afastar todos menores do set
Divulgação
A produção de ''Laços de Família'' teve de ser alterada por decisão judicial que decidiu afastar todos menores do set

A novela de Manoel Carlos teve problemas com o Ministério da Justiça que, alegando que a trama tinha excesso de cenas com conotação sexual, violência doméstica e urbana, exigiu a retirada de todos os menores de idade da trama – incluindo figurantes. Além disso, foi requerido que “Laços de Família” passasse a ser exibida na faixa das 21h, pois o horário não era condizente com a temática pesada da trama.

 “Senhora do Destino” (2004)

Com a trama cheia de polêmicas, ''Senhora do Destino'' marcou uma geração com as maldades de Nazaré Tedesco na TV
João Miguel Júnior/TV Globo
Com a trama cheia de polêmicas, ''Senhora do Destino'' marcou uma geração com as maldades de Nazaré Tedesco na TV

“Senhora do Destino” marcou uma época com sua história cheia de reviravoltas. O estopim da trama da novela foi um dos assuntos mais comentados da época: a maligna vilã Nazaré Tedesco, vivida por Renata Sorrah, logo no início, engana Maria do Carmo, personagem de Carolina Dieckmann na primeira fase da novela, e foge com seu bebê. A novela é, até hoje, lembrada pelos atos sujos de Nazaré, que se tornou um símbolo da maldade na teledramaturgia.

Leia também: O que deu certo e o que deu errado na estreia de "Conversa com Bial"

“Verdades Secretas” (2015)

''Verdades Secretas'' foi recheada de polêmicas e tramas pesadas como prostituição e envolvimento com drogas
Divulgação
''Verdades Secretas'' foi recheada de polêmicas e tramas pesadas como prostituição e envolvimento com drogas

Não faltaram polêmicas em “Verdades Secretas”. A novela das 23h tinha assunto de sobra para o público que, a cada episódio, se chocava mais com a trama. As questões mais  discutidas pelo folhetim foram a prostituição – a personagem de Camila Queiroz, Angel, em sua descoberta da vida de modelo acaba caindo nas garras da prostituição e levantou o debate sobre o problema que assola o meio – e o envolvimento com drogas. Grazi Massafera, como Larissa, mostrou outra faceta obscura dessa indústria da moda com uma atuação forte: o vício em drogas, algo relativamente recorrente entre modelos, que pode destruir completamente um ser humano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.