Tamanho do texto

Conversas do ator com hacker foram apreendidas pela Polícia Federal. Duvivier sugere nomes da alta cúpula da emissora para investigações

Gregório Duvivier se tornou protagonista de mais uma polêmica e não é sobre o Porta dos Fundos. De acordo com a revista Veja , o ator protagonizou conversas em tom de amizade com Walter Delgatti Neto, hacker responsável por roubar mensagens privadas de autoridades da República.

Leia também: Gregório Duvivier ganha processo contra "véio da Havan" pela segunda vez

Gregório Duvivier arrow-options
Divulgação
Gregório Duvivier


Além disso, Gregório Duvivier sugeriu nomes de pessoas poderosas da Globo , como possíveis alvos de interceptações, de acordo com um relatório enviado à Justiça Federal pela PF. O contato inicial aconteceu no dia 14 de julho deste ano, no aplicativo Telegram. No computador de Delgatti, um atalho chamado "GREGORIO DUVIVIER.Ink" foi encontrado e nele havia diálogos do ator. O conteúdo das conversas foi enviado para Gregório, que respondeu "Feliz de conhecer o hacker", ainda no mesmo dia.

Ainda na conversa, o humorista obteve a informação de que o teor das mensagens foi passado para Glenn Greenwald por "livre e espontânea vontade". Logo depois, ele estimula Walter Delgatti Neto , dizendo que ele "mudaria o destino do país" revelando as conversas inadequadas de procuradores da Lava-Jato e de Sergio Moro.

Leia também: Ultrapassa 2 milhões o número de pedidos contra especial do "Porta dos Fundos"

Então, Duvivier questiona se algo de comprometedor existia contra a família de Jair Bolsonaro. O hacker afirmou que não e, então, foi questionado sobre a Globo . Delgatti diz que "tem bastante" informação sobre o canal de televisão e, em seguida, conta uma espécie de frustração. Diz que havia "pegado" o aplicativo (o Telegram) de William Bonner, apresentador do "Jornal Nacional", mas que não conseguiu acessar nenhum conteúdo porque tudo já tinha sido apagado.

Neste momento, o humorista continuou indicando outros nomes da emissora, como Ali Kamel e Carlos Henrique Schroder, diretor-geral de Jornalismo e diretor-geral da emissora, respectivamente, além de dizer que a informação sobre a cúpula do canal "poderia ser bem forte". Ele ainda sugeriu que Wilson Witzel e Marcelo Bretas, governador do Rio e o juiz federal responsável pela Lava-Jato no Estado, "poderiam ser alvos".

Segundo a Polícia Federal, Duviviver não poderá sofrer nenhuma imputação de crimes, já que não foram encontrados indícios de que os diretores da emissora e de que o governador do Rio tenham sido alvo dos hackers. Bonner e Bretas, porém, caíram na rede de ataques, mas em datas anteriores à sugestão do ator.

O humorista negou ter solicitado ou sugerido invasão das contas do Telegram dos funcionários da elite da emissora ou de alguma autoridade do Estado. Ele ainda disse que seus questionamentos ao hacker aconteceram por curiosidade em saber se ele possuía acesso às contas de personalidades brasileiras, afirmando que sugeriu nomes de forma aleatória.

Leia também: Em "A Vida Invisível", Gregório Duvivier usa dublê de corpo para cena de nudez

Procurado pela revista Veja , o advogado de Gregório Duvivier , Augusto de Arruda Botelho, declarou que seu cliente disponibilizou toda a troca de mensagens com Delgatti para a PF, espontaneamente, e que "explicou detalhadamente em seu depoimento, no intuito de colaborar com as investigações, que aleatoriamente mencionou uma série de nomes, em uma conversa informal, sem qualquer intenção ou interesse de que tais nomes de fato fossem interceptados ou muito menos investigados”.