Tamanho do texto

Bruna Drews, quem em janeiro de 2019 formalizou uma denúncia contra o apresentador, revelou que não foi assediada ou sentiu-se constrangida

Neste sábado (26) por meio de um documento registrado em cartório,  e divulgado por Leo Dias, Bruna Drews, ex-jornalista da Band que acusou José Luiz Datena de assédio sexual, revelou que mentiu sobre ter sofrido qualquer tipo de violência ou que tenha se sentido constrangida. Segundo a mesma, os supostos assédios "não passaram de brincadeiras". 

Leia também: Em entrevista, Datena dispara: "Se me derem um tiro hoje, morro rindo"

Bruna Drews e Datena arrow-options
Reprodução Instagram / @Leo Dias
Bruna Drews e Datena


Leia também: Ao vivo, homem fica pelado durante programa de Datena

A ex-repórter da Band aproveitou também para se desculpar com Datena e com a família do apresentador pelos transtornos causados em função de sua falsa denúncia. Em conversa com Leo Dias, o jornalista disse não ter ressentimentos. 

Leia também: "Estou do lado da verdade", diz repórter que acusa Datena de assédio sexual

À época, Bruna Drews acusou Datena de chamá-la de "gostosa" durante uma confraternização da emissora. confira o documento na íntegra:

" A presente se trata de uma retratação em razão de processo judicial, movido por mim, que afirmei ter sido vítima de assédio sexual em transmissões do programa de televisão Brasil Urgente, da emissora Band em confraternização ocorrida em 07 de Junho de 2018 e em outras oportunidades. Ainda esclareço, que tais fatos não condizem com realidade e nunca ocorreram, sendo que os vídeos dos programas ao vivo, juntados aos autos, não passaram de brincadeiras, consignando que não me senti constrangida com referidos evento e aproveito a declaração para, também, pedir desculpas ao Senhor José Luiz Datena e sua família pelos transtornos causados, pretendendo que a presente retratação sirva para restabelecer qualquer dúvida em relação à sua idoneidade. E por fim, renuncio a qualquer direito e a eventuais reflexos relacionados com o pedido de indenização decorrente de assédio sexual e moral alegados, perante todos os órgãos administrativos e judiciais, em qualquer grau de jurisdição, nas esferas trabalhistas, cível e criminal ".