Tamanho do texto

Diagnosticada com síndrome de burnout em outubro de 2018, a jornalista Izabella Camargo, que trabalhava na Globo e chegou a trabalhar no governo Bolsonaro, falou sobre a doença em entrevista ao UOL

IstoÉ

Diagnosticada com síndrome de burnout em outubro do ano passado, a jornalista Izabella Camargo, que trabalhava na Globo e chegou a trabalhar no governo Bolsonaro, concedeu entrevista ao UOL e falou sobre a doença. “Ninguém que tem burnout é feliz. Essa infelicidade vem pelo sentimento de desvalorização e no final você renuncia a coisas caras”, disse.

Leia também: Izabella Camargo faz desabafo sobre demissão da TV Globo e fala sobre recomeços

Izabella Camargo
Reprodução/Internet
Izabella Camargo












Leia também: Jornalista da Globo relaciona demissão ao seu peso: "Foi o pedido da emissora"

Izabella Camargo chegou a ser afastada da Globo para que tratasse da doença. Pouco tempo após retornar da licença médica, a jornalista foi demitida. Na entrevista, ela também falou sobre o assunto, como um verdadeiro baque. “Foi o momento mais violento da minha vida. Eu me senti pior do que quando fui assaltada na porta de casa”, disse. “O pior dia da minha vida foi voltar e ouvir da minha chefe que eu não servia mais”, completou.

Por fim, a jornalista também comentou sobre o período em que trabalhou na equipe de comunicação do Ministério de Ciência e Tecnologia. Nesse cargo, Izabella chegou a ter seis episódios de burnout, sendo que o último a levou ao hospital.

“Meu corpo estava gelado, mas minha cabeça explodindo e quente. Tinha enjoos, taquicardia, mão gelada, boca seca e transpirava muito”, finalizou. Após o episódio, ela sentiu que ainda não estava pronta para voltar à ativa, precisava de uma pausa e pediu exoneração do cargo.

Leia também: Repórter da Globo presenteia Bolsonaro com uma Bíblia e gera desconforto

Izabella Camargo
Reprodução/Instagram
Izabella Camargo

Atualmente, Izabella Camargo se tornou ativista e participa de diversas palestras de conscientização sobre a síndrome do burnout. Ela pretende lançar um livro sobre o tema, com o intuito de ajudar outras pessoas que, assim como ela, não tiveram ajuda.