O Ministério Público Federal do Ceará (MPF/CE) reabriu a investigação que tem como objetivo apurar suspeitas de que a banda Aviões do Forró cometeu crimes de lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. São investigados também os empresários Antonio Isaias Paiva Duarte (Isaias CDs), Zequinha Aristides Pereira, Carlos Aristides de Almeida e Francisco Claudia de Melo Lima – todos sócios da A3 Entretenimento, que agencia a banda Aviões do Forró.

Leia também: Assédio, plágio e direitos autorais: Rede Globo é alvo de processos na Justiça

Processo envolvendo Aviões do Forró é reaberto
Reprodução/Facebook
Processo envolvendo Aviões do Forró é reaberto

O processo foi originado em 2014 e investigava os citados por tráfico internacional de drogas, possível sonegação de impostos , formação de quadrilha, homicídio e ameaças, mas foi arquivado por falta de provas. O pedido de desarquivamento, no entanto, compete apenas às investigações sobre sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. 

"Não foram encontradas quaisquer evidências ou indícios mínimos do cometimento de delitos como tráfico de drogas ou homicídios", observou a assessoria de comunicação do Ministério Público Federal do Ceará, que impetrou a ação, à reportagem do iG Gente .

A denúncia foi feita ao MPF do Ceará por um suposto ex-sócio da A3 Entretenimento, mas a banda nega as acusações por meio da assessoria de imprensa. “Em 2012 houve uma denúncia anônima, que já foi provada como absolutamente falsa e sem sentido. O processo aberto a partir dessa denúncia foi extinto e arquivado por absoluta ausência de provas”, diz o comunicado.

Assim que o processo foi divulgado, Solange Almeida usou os Stories de seu Instagram para se pronunciar sobre o assunto. “Eu não estou preocupada porque sei que a verdade tá comigo, então não tenho porque ficar preocupada. Eu penso nos meus filhos lendo isso. Pelo amor de Deus, vamos nos colocar no lugar do outro, vamos ter cuidado, vamos falar a verdade”, pediu a cantora no fim do vídeo.

Em nota oficial, a assessoria de Xand Avião  elencou alguns pontos sobre o processo: “É falso: Que Isaías Cds, um dos sócios da Banda, teria estuprado a ex-vocalista da banda, Solange Almeida. É fato: Não houve qualquer denúncia ou registro policial desta natureza. Tal notícia falsa vem sendo compartilhada por correntes de WhatsApp, redes sociais e até mesmo veículos de imprensa de forma absolutamente irresponsável”.

Leia também: Gusttavo Lima é condenado a pagar quase R$ 10 milhões por uso indevido de música

Xand Avião
Reprodução/Facebook
Xand, vocalista do grupo Aviões do Forró

“É falso: Que Solange tenha pedido R$ 5 milhões como indenização por ter saído do Aviões do Forró. É fato: A ex-sócia pede uma prestação de contas. Tal pedido será julgado pela justiça, que vai decidir se ela receberá algum valor ou terá que pagar valores. É falso: Que acaba de ser deflagrada uma ação fiscal contra a banda Aviões do Forró. É fato: Esta é uma ação de 2016 (na verdade é de 2014) e a banda já cumpre pontualmente, normalmente e legalmente com seus deveres fiscais.”

“É falso: Que os sócios da banda Aviões do Forró , Isaías Cds e Xand, estariam sendo investigados por tráfico internacional de drogas. É fato: Que em 2012 houve uma denúncia anônima, que já foi provada como absolutamente falsa e sem sentido. O processo aberto a partir dessa denúncia foi extinto e arquivado por absoluta ausência de provas”, finaliza a assessoria.

    Leia tudo sobre: Instagram

    Veja Também

      Mostrar mais