Tamanho do texto

Emissora enfrenta processos de ex-funcionários, por plágio e até por direitos autorais, como é o caso de Fabiana Escobar, a verdadeira Bibi Perigosa; veja

A Rede Globo de televisão vem enfrentando diversos processos judiciais nos últimos anos, o que não é nenhuma novidade para a emissora. Entre os processos, estão os de Fabiana Escobar, a verdadeira Bibi Perigosa, e Carolina Ferraz, que não teve seu contrato renovado e entrou com uma ação contra a empresa de Roberto Marinho.

Leia também: Faustão recebe homenagem emocionante do filho nos 30 anos do "Domingão"

O gato León em
Divulgação
O gato León em "O Sétimo Guardião": novela é um dos alvos de processo da Globo


Entre tantos problemas na Justiça, confira alguns dos processos contra a Rede Globo :

Demissão ao vivo

Kaio Cezar pediu demissão ao vivo da Rede Globo
Reprodução/Instagram
Kaio Cezar pediu demissão ao vivo da Rede Globo


Kaio Cezar, jornalista que pediu demissão ao vivo da TV Verdes Mares, afiliada da Globo em em Fortaleza, entrou na Justiça contra a emissora e contra a matriz. Em entrevista ao iG Gente , ele conta que a empresa se aproveitou da força de trabalho e pouco fiscalizou a situação em que ele e seus colegas foram submetidos durante transmissões do SporTV e Premiere.

No processo ainda diz que Kaio não recebeu por trabalhos na TV por assinatura, como por exemplo na Copa, quando ele trabalhou na coordenação de entradas ao vivo no SporTV. Ele pede R$ 3,8 milhões na ação.

"Sofri muita coisa lá, de assédio moral a perseguição e más condições de trabalho, como o grande acúmulo de função e o fato de ter dormido no chão do IBC durante a Copa do Mundo da Rússia", disse ele. Ainda segundo o jornalista, a situação não foi levada adiante.

Sem contrato renovado

Carolina Ferraz
Reprodução/Instagram
Carolina Ferraz


Carolina Ferraz, que não teve seu contrato renovado com a emissora em 2017, processou a Globo para receber direitos trabalhistas referentes a 20 anos como pessoa jurídica.

A atriz chegou a falar que a emissora foi correta e um ano antes avisou que não haveria a renovação no contrato, mas não chegou a um acordo. Ela ainda disse que o processo não representa mais nada e que isso só será resolvido daqui há dez anos. A ação movida pela artista é avaliada em cerca de R$ 7 milhões.

Bibi Perigosa

Fabiana Escobar, a Bibi Perigosa
Reprodução/Instagram
Fabiana Escobar, a Bibi Perigosa


Fabiana Escobar, que teve sua história como inspiração para Bibi Perigosa (Juliana Paes) em “A Força do Querer”, vendeu os direitos do livro que escreveu para a emissora, mas com a exibição a novela em outros países, Fabiana moveu uma ação contra a Globo por conta dos direitos autorais.

Leia também: Rafa Brites, Gabriel Leone e famosos que não renovaram contrato com a Globo

A verdadeira Bibi Perigosa quer receber sua parte por conta da novela ter sido exibida em países da América Latina como Uruguai, Equador e El Salvador e por isso moveu a ação.

Ausência de atores negros

A novela
Divulgação
A novela "Segundo Sol" também rendeu processo para a Rede Globo


Pelo fato da novela “Segundo Sol” ter um elenco majoritariamente branco, uma ação contra a trama de João Emanuel Carneiro e a emissora foi iniciada. O fato é que a novela se passou na Bahia, onde grande parte da população é negra, mas os atores em sua maioria eram brancos.

De acordo com a “Veja”, a União de Negros pela Igualdade (Unegro), entidade que atua há 30 anos contra discriminação racial, exigiu a participação de negros na TV e processou a empresa.

Plágio

Divulgação
"O Sétimo Guardião" foi acusado de plágio


Mais um dos processos judiciais  que a emissora vem sofrendo é por um suposto plágio. De acordo com o colunista Ricardo Feltrin, Barbara da Cunha Coelho, autoria do livro “As Muralhas da Vida Eterna: Uma Metáfora Sobre o Tempo”, entrou com uma ação contra a novela.

Leia também: Globo nega demissão de jornalista da TV Vanguarda por conta de peso

A escritora afirma que sua história da Rede Globo foi plagiada na sinopse e em trechos que se passa na televisão . A ação judicial exige que a produção saia imediatamente do ar, mas ainda pede que uma perícia seja feita para comparar as duas obras e uma análise do quanto a platinada já faturou para um possível ressarcimento. Além disso, R$150 mil por danos morais também estão entre os itens.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.