McCartney também desmente que culpa de término da banda foi de Yoko Ono
Divulgação
McCartney também desmente que culpa de término da banda foi de Yoko Ono


Segundo o New York Post, Paul McCartney deu uma entrevista ao "This Cultural Live", programa da BBC Radio 4, que vai ao ar no dia 24 de outubro, e disse que quem decidiu acabar com os Beatles foi John Lennon. Segundo ele, um certo dia, Lennon entrou no escritório e falou: "Estou deixando os Beatles". A partir de então, McCartney conta que tudo mudou.

"Foi o período mais difícil da minha vida. Essa era minha banda, meu trabalho, minha vida. Eu queria continuar", explica ele.


McCartney lembrou ainda que o empresário Allen Klein queria que os Beatles fingissem ser uma banda mesmo após a separação e que o relacionamento de Lennon com Yoko Ono não teve nada a ver com o fim da banda e classificou os dois como um "ótimo casal".

Leia Também

Em entrevista à revista GQ, em 2020, Paul já tinha comentado sobre os motivos para o término da banda.

"Suponho que quando os Beatles terminaram, talvez houvesse um equívoco de que todos nós meio que nos odiávamos", disse ele. "O que eu percebo agora é que, porque éramos uma família, porque éramos uma gangue, as famílias discutem. E as famílias têm disputas", contou.

Paul continuou explicando que processou os Beatles para impedir que todo o trabalho deles fosse propriedade do empresário americano Allen Klein.

Ele ainda revelou que a separação da banda o fez recorrer às bebidas alcoólicas: "Não havia muito tempo para ter problemas de saúde mental, era apenas 'foda-se', estava sempre bebendo ou dormindo. Mas tenho certeza que isso afetou minha saúde mental, pois eram tempos muito deprimentes".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários