Morre Lizzie Bravo, brasileira que gravou com os Beattles
Reprodução/Instagram
Morre Lizzie Bravo, brasileira que gravou com os Beattles

Morreu na segunda-feira, no Rio de Janeiro, quando se recuperava de uma cirurgia no coração, aos 70 anos, a fotógrafa e cantora carioca Lizzie Bravo. Ela passou à história como a fã brasileiria dos Beatles que acabou cantando no coro de uma de suas gravações, a da música "Across the universe". No dia 4 de fevereiro de 1968, Lizzie e algumas meninas aguardavam em frente ao prédio da gravadora EMI, em Londres, onde a banda gravava, quando o baixista Paul McCartney apareceu e perguntou: “Alguma de vocês consegue sustentar uma nota aguda?”.

"Estavam os quatro beatles lá dentro, mais a equipe técnica e o George Martin [produtor da banda ]. Todos nos cumprimentaram e já estavam bem familiarizados conosco. Paul tocou a música no piano e disse que tínhamos que cantar bem agudo", contou Lizzie em 2016, em entrevista ao Globo, quando lançou o livro de memórias “Do Rio a Abbey Road”, criado a partir dos seus diários.

Elisabeth Villas Boas Bravo tinha 14 anos quando resolveu trocar o apelido de “Beth” para “Lizzie”. A decisão foi tomada depois de ouvir John Lennon — por quem era completamente apaixonada — cantar a música “Dizzy Miss Lizzy”, de Larry Williams, cujo refrão diz “Você me deixou tonto, senhorita Lizzy”.

Leia Também

No ano seguinte, ela ganhou dos pais uma viagem de férias para Londres e embarcou com a ideia fixa (e secreta) de não voltar. Ao lado da amiga Denise e outras adolescentes, Lizzie passava os seus dias em frente ao estúdio Abbey Road e a outros pontos frequentados pelos Beatles, esperando por uma possibilidade de encontro. “Acabamos chamando a atenção da polícia e percebi que a situação estava grave quando, num dia, um policial me chamou pelo nome”, revelou Lizzie ao Globo, em 2016.

Com o tempo, Lizzie e o grupo de meninas mais persistentes começaram a ganhar a simpatia dos Beatles, que paravam para conversar e tirar fotos com ela. A brasileira criou uma relação mais íntima com Paul McCartney, que era atencioso e com quem ela conseguia conversar sem ficar tremendo de nervoso (com John, devideo à paixão, isso era algo impossível). Em certa ocasião, ela foi até a casa do músico, que lhe emprestou um gravador.

Leia Também

Lizzie voltou para o Rio de Janeiro em 1969 e, desde a gravação, tornou-se uma figura conhecida no universo beatlemaníaco, tendo sido convidada para participar de produções, eventos e entrevistas para veículos de diversos países.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários