Tamanho do texto

Diretor de Arte da Funarte, Roberto Alvim, criticou Fernanda Montenegro e referiu-se à atriz como "sórdida e mentirosa". Servidores se desculparam

Os servidores da Funarte emitiram uma nota de repúdio aos comentários e ofensas de Roberto Alvim, diretor de arte da instituição, contra a atriz Fernanda Montenegro.

Leia também: Ofensa de diretor da Funarte a Fernanda Montenegro indigna classe artistíca

Fernanda Montenegro arrow-options
Reprodução/Youtube
Fernanda Montenegro


"Querida Fernanda, é com imensa tristeza e revolta que nos pronunciamos contra essa violência, falta de respeito e indignidade. Sempre estaremos com você, estejam as cortinas abertas ou fechadas", diz a nota da Funarte .

É assim que a fundação encerra um comunicado divulgado nesta quarta-feira (25), em que "vem a público manifestar seu repúdio e imensa indignação frente às declarações proferidas pelo senhor Roberto Alvim , no momento ocupando o cargo comissionado de Diretor de Artes Cênicas da instituição".

Leia também: Fernanda Montenegro defende fim da reeleição e critica governo Bolsonaro

O documento se refere às ofensas que Alvim dirigiu a Fernanda Montenegro no início desta semana . Em postagens no Facebook, o dramaturgo referiu-se à atriz como "sórdida" e "mentirosa" por posar para foto da revista literária "Quatro cinco um" como uma bruta amarrada em frente a livros que seriam queimados, em referência a recentes tentativas de censura.

A nota diz ainda que Alvim "não nos representa e não vocaliza em nome da instituição". "As ofensas e as agressões verbais abomináveis dirigidas à atriz não expressam, de forma alguma, os nossos sentimentos de profunda admiração e respeito reverencial por essa atriz e cidadã brasileira", segue o comunicado.

Leia também: Fernanda Montenegro reencontra ator que contracenou em "Central do Brasil"

"Em todas as ocasiões em que as Artes, as instituições e os servidores públicos a ela dedicadas estiveram sob ameaça, Montenegro se fez presente, solidária e plena, independente de partidos e governos", encerrou a Funarte .